Quarta-feira, novembro 16, 2022
Guia de viagem do Iraque - Travel S helper

Iraque

guia de viagem

O Iraque, formalmente conhecido como República do Iraque, é uma nação da Ásia Ocidental. É limitado ao norte pela Turquia, a leste pelo Irã, a sudeste pelo Kuwait, ao sul pela Arábia Saudita, a sudoeste pela Jordânia e a oeste pela Síria. Bagdá é a capital e maior cidade. Árabes e curdos são os dois maiores grupos étnicos, embora assírios, turcomenos, shabakis, yazidis, armênios, mandeanos, circassianos e kawliya também estejam presentes. Cerca de 95% dos 36 milhões de habitantes do país são muçulmanos xiitas ou sunitas, com minorias do cristianismo, yarsan, yezidismo e mandeanismo.

A costa norte do Golfo Pérsico de 58 quilômetros de extensão (36 milhas de comprimento) do Iraque inclui a planície aluvial da Mesopotâmia, o extremo norte da cordilheira de Zagros e a porção leste do deserto sírio. Os rios Tigre e Eufrates correm para o sul através do Iraque, encontrando-se no Shatt al-Arab, no Golfo Pérsico. Esses rios fornecem uma grande quantidade de terra fértil para o Iraque.

Historicamente conhecida como Mesopotâmia, a área entre os rios Tigre e Eufrates é frequentemente considerada o berço da civilização. Foi aqui que a humanidade aprendeu a ler, escrever, estabelecer leis e viver em cidades governadas por governos organizados – a mais famosa Uruk, de onde deriva o nome “Iraque”. Desde o sexto milênio aC, a região foi habitada por várias civilizações. O Iraque era o centro administrativo dos impérios acadiano, sumério, assírio e babilônico. Também fazia parte dos impérios mediano, aquemênida, helenístico, parta, sassânida e romano, bem como os impérios Rashidun, Omíada, Abássida, Aiúbida, Mongol, Safávida e Afsharid.

As fronteiras atuais do Iraque foram amplamente definidas pela Liga das Nações em 1920, após a partição do Império Otomano pelo Tratado de Sèvres. O Iraque foi incluído no Mandato Britânico da Mesopotâmia. Em 1921, uma monarquia foi criada, e o Reino do Iraque declarou independência do Reino Unido em 1932. A monarquia foi deposta em 1958 e a República do Iraque foi estabelecida. De 1968 a 2003, o Iraque foi governado pelo Partido Socialista Árabe Ba'ath. O Partido Ba'ath de Saddam Hussein foi deposto após uma invasão dos EUA e seus aliados em 2003, e eleições parlamentares multipartidárias foram realizadas em 2005. A guerra civil da Síria entrou na nação.

Voos e hotéis
pesquise e compare

Comparamos preços de quartos de 120 serviços de reserva de hotéis diferentes (incluindo Booking.com, Agoda, Hotel.com e outros), permitindo que você escolha as ofertas mais acessíveis que nem sequer estão listadas em cada serviço separadamente.

100% Melhor Preço

O preço de um mesmo quarto pode variar dependendo do site que você está usando. A comparação de preços permite encontrar a melhor oferta. Além disso, às vezes o mesmo quarto pode ter um status de disponibilidade diferente em outro sistema.

Sem cobrança e sem taxas

Não cobramos comissões ou taxas extras de nossos clientes e cooperamos apenas com empresas comprovadas e confiáveis.

Classificações e Comentários

Usamos o TrustYou™, o sistema de análise semântica inteligente, para coletar avaliações de muitos serviços de reserva (incluindo Booking.com, Agoda, Hotel.com e outros) e calcular as classificações com base em todas as avaliações disponíveis online.

Descontos e ofertas

Procuramos destinos através de uma grande base de dados de serviços de reservas. Desta forma, encontramos os melhores descontos e os oferecemos a você.

Iraque - Cartão de Informações

população

44,222,503

Moeda

Dinar iraquiano (IQD)

fuso horário

UTC+3 (AST)

Área

438,317 km2 (169,235 sq mi)

Código de chamada

+964

Língua oficial

Árabe - curdo

Iraque | Introdução

Geografia

O Iraque é principalmente deserto, embora os rios Eufrates e Tigre tragam 60,000,000 m3 (78,477,037 cu yd) de sedimentos para o delta a cada ano. O norte do país é principalmente montanhoso, com o pico mais alto atingindo 3,611 m (11,847 pés), não identificado no mapa, mas conhecido localmente como Cheekah Dar (tenda preta). O Iraque tem uma costa de 58 km (36 milhas) do Golfo Pérsico.

Clima

O Iraque tem um clima quente e seco. A maioria das temperaturas de verão do país ultrapassam 40°C (104°F) e muitas vezes atingem 48°C (118°F). As máximas do inverno são de cerca de 21 ° C (70 ° F), com mínimas noturnas às vezes abaixo de zero. Na maioria dos locais, a precipitação anual é inferior a 250 mm (10 pol), com maior precipitação ocorrendo de novembro a abril. As chuvas de verão são incomuns, especialmente no extremo norte.

Demografia

Estima-se que o Iraque tenha 31,234,000 pessoas. Em 1878, o Iraque tinha uma população de 2 milhões. A população do Iraque aumentou para 35 milhões desde o conflito.

Grupos étnicos

Os árabes compõem cerca de 75-80% da população. 15% da população do Iraque é curda 5-10% da população são assírios, turcomenos, mandeanos, armênios, circassianos, iranianos, shabakis, yazidis e kawliya. O sul do Iraque tem 20,000 árabes do pântano.

O Iraque tem 2,500 chechenos. A escravidão no califado islâmico começou antes da Rebelião Zanj no século IX, e a posição de Basra como um importante porto deixou uma população de iraquianos de ascendência africana no sul do Iraque. É a nação mais populosa da Placa Árabe.

Religião

O Iraque é uma nação de maioria muçulmana, com os muçulmanos representando cerca de 95% da população e os não-muçulmanos (principalmente cristãos assírios) representando apenas 5%. É o lar de muçulmanos xiitas e sunitas. De acordo com o CIA Factbook, os muçulmanos xiitas representam cerca de 65% da população muçulmana do Iraque, enquanto os muçulmanos sunitas representam cerca de 35%. De acordo com um estudo do Pew Research Center de 2011, 51% dos muçulmanos no Iraque são xiitas, 42% são sunitas e 5% se identificam como “apenas um muçulmano”.

A comunidade sunita alega que o governo os discrimina em praticamente todas as áreas da vida. O primeiro-ministro Nouri al-Maliki, por outro lado, contestou. Os cristãos residem na região há quase 2,000 anos, com muitos descendentes de mesopotâmios e assírios pré-árabes. Eles somavam mais de 1.4 milhão em 1987, representando 8% da população estimada de 16.3 milhões, e 550,000 em 1947, representando 12% da população.

A maioria dos cristãos são assírios de língua neo-aramaica que pertencem à Igreja Católica Caldéia, Igreja Assíria do Oriente, Igreja Pentecostal Assíria e Igreja Ortodoxa Siríaca. Segundo estimativas, o número de cristãos diminuiu de 8 a 12% em meados do século XX para 5% em 2008. Desde o início do conflito, mais da metade dos cristãos iraquianos fugiram para nações vizinhas, e muitos não regressaram, enquanto outros regressam à sua pátria assíria histórica na Região Autónoma do Curdistão.

Mandaeans, Shabaks, Yarsan e Yezidis formam pequenos grupos minoritários etno-religiosos. A população judaica do Iraque, que era de aproximadamente 150,000 em 1941, desapareceu quase completamente.

Najaf e Karbala, dois dos locais mais sagrados do mundo para os xiitas, estão localizados no Iraque.

Diáspora e refugiados

A diáspora iraquiana é o êxodo dos iraquianos para outras nações. O ACNUR estima que aproximadamente dois milhões de iraquianos deixaram o país após a invasão multinacional de 2003, principalmente para a Síria e a Jordânia. O Centro de Monitoramento de Deslocamento Interno acredita que mais 1.9 milhão estão deslocados internamente.

Em 2007, a ONU estimou que cerca de 40% da classe média do Iraque havia saído, principalmente para escapar de perseguições sistemáticas e não desejava retornar. Os refugiados são pobres porque não podem trabalhar nas nações que os acolhem. Com maior segurança, a diáspora parece estar voltando; o governo iraquiano afirma que 46,000 refugiados voltaram para casa em outubro de 2007.

No final de 2011, quase 3 milhões de iraquianos haviam fugido de suas casas, 1.3 milhão no Iraque e 1.6 milhão em países vizinhos, principalmente Jordânia e Síria. Desde a invasão liderada pelos EUA em 2003, mais da metade dos cristãos iraquianos foram embora. Em 25 de maio de 2011, 58,811 iraquianos receberam o status de refugiado pelos Serviços de Cidadania e Imigração dos EUA.

Desde 2012, aproximadamente 160,000 sírios de várias nacionalidades migraram para o Iraque. O crescente derramamento de sangue no conflito civil da Síria levou muitos iraquianos a voltar para casa.

Língua

Embora o árabe seja a língua oficial do Iraque, o inglês é tão falado que a maioria dos visitantes poderá passar pelas muitas lojas, mercados e cafés. A desvantagem é que falar inglês instantaneamente marca você como estrangeiro. Por causa da extensa rede subterrânea de iraquianos que notificam os atacantes sobre alvos em potencial, isso é perigoso.

No Curdistão, o curdo é falado em um dos dois dialetos: Kurmanji e Sorani. Em e ao redor de Dohuk, o Kurmanji é falado, enquanto o Sorani é falado em e ao redor de Arbil (Hewlar) e Sulaymaniyah. Esses dois tipos são incompreensíveis um para o outro. No entanto, o árabe é amplamente falado e o número de falantes de inglês está aumentando.

Economia

A indústria do petróleo fornece historicamente cerca de 95% das receitas em moeda estrangeira do Iraque. A falta de crescimento em outras indústrias levou a um desemprego de 18% a 30% e a um PIB per capita de US$ 4000. Em 2011, o setor público empregava quase 60% dos trabalhadores em tempo integral. Menos de 1% dos iraquianos trabalham no setor de exportação de petróleo. As mulheres agora representam uma pequena proporção da força de trabalho (22% em 2011).

A imposição de altas tarifas para impedir a entrada de produtos estrangeiros fazia parte da economia centralizada do Iraque antes da intervenção dos EUA. A CPAI pós-invasão emitiu várias diretivas vinculativas privatizando a economia do Iraque, permitindo o investimento internacional.

Em 20 de novembro de 2004, a dívida de US$ 42 bilhões do Iraque ao Clube de Paris foi perdoada em 80% (US$ 33 bilhões). A dívida externa total do Iraque era de aproximadamente US$ 120 bilhões em 2003 e aumentou em US$ 5 bilhões até 2004. A redução da dívida será realizada em três etapas: 30% cada e 20%.

De acordo com o Citigroup, o Iraque é um dos “Geradores de Desenvolvimento Global” que verá um crescimento econômico substancial no futuro.

A moeda oficial do Iraque é o dinar. Produziu novas moedas e notas de dinar, com De La Rue imprimindo-as usando métodos antifalsificação contemporâneos. O apoio de Jim Cramer ao dinar iraquiano na CNBC em 20 de outubro de 2009 aumentou o interesse.

Cinco anos após a invasão, quatro milhões de iraquianos estavam em situação de insegurança alimentar (um quarto das crianças sofria de desnutrição crônica) e apenas um terço das crianças iraquianas tinham acesso a água potável.

De acordo com o Overseas Development Institute, as missões das ONGs estrangeiras são prejudicadas pela insegurança, falta de financiamento coordenado, capacidade operacional insuficiente e informações irregulares. 94 trabalhadores humanitários foram assassinados, 248 feridos, 24 presos ou detidos e 89 sequestrados ou sequestrados nos primeiros cinco anos.

Petróleo e energia

O Iraque tem reservas comprovadas de petróleo de 143.1 bilhões de barris (2.275 1010 m3), perdendo apenas para a Arábia Saudita. Em dezembro de 2012, a produção de petróleo era de 3.4 milhões de barris por dia. O Iraque planeja atingir 5 milhões de BPD até 2014. O Iraque tem 2,000 poços de petróleo em comparação com 1 milhão somente no Texas. O Iraque foi um dos primeiros membros da OPEP.

Apesar da melhor segurança e bilhões em dinheiro do petróleo, o Iraque ainda produz cerca de metade da energia que os consumidores precisam, levando a manifestações de verão.

A Lei do Petróleo do Iraque foi submetida ao Conselho de Representantes do Iraque em maio de 2007. O governo iraquiano ainda precisa aprovar uma legislação.

De acordo com um estudo americano de maio de 2007, entre 100,000 e 300,000 barris por dia (16,000-48,000 m3/d) da produção de petróleo do Iraque podem ter sido desviados por meio de corrupção ou contrabando. Em 2008, a Al Jazeera alegou que US$ 13 bilhões em lucros do petróleo iraquiano foram contabilizados ilegalmente nos EUA. Apesar de algumas alegações de que o governo diminuiu a corrupção nas compras públicas de petróleo, subornos e propinas a funcionários do governo permanecem.

Para os maiores campos, o Ministério do Petróleo do Iraque declarou em junho de 2008 que a Exxon Mobil, Shell, Total e BP – ex-parceiras da Iraq Petroleum Company – receberiam contratos modestos de um ou dois anos sem licitação. De acordo com o ministro do petróleo iraquiano Hussain al-Shahristani, os planos foram descartados em setembro porque as negociações estavam atrasadas por muito tempo. Vários senadores dos EUA disseram que o acordo estava impedindo as tentativas de aprovar a legislação de energia.

As empresas petrolíferas internacionais receberam contratos de manutenção para vários campos petrolíferos do Iraque em 30 de junho e 11 de dezembro de 2009. Os campos petrolíferos contratados incluem o “super-gigante” Majnoon e o campo petrolífero West Qurna. A BP e a CNPCC desenvolverão em conjunto o maior campo petrolífero do Iraque, Rumaila.

A produção de petróleo do Iraque aumentou meio milhão de barris por dia em fevereiro, disse a Agência Internacional de Energia em 14 de março. Essa quantidade de petróleo não era produzida desde que Saddam Hussein assumiu o controle em 1979. Em meio ao conflito sectário, tropas do governo regional curdo assumiu o controle dos campos petrolíferos de Bai Hassan e Kirkuk, no norte do Iraque, em 14 de julho de 2014. Bagdá enfurecida alertou sobre “terríveis repercussões” se os campos não fossem restituídos.

Requisitos de entrada para o Iraque

Restrições de visto
Ao desembarcar nos aeroportos de Bagdá, Basra, Mossul ou Najaf, os residentes israelenses e aqueles com selos e/ou vistos israelenses terão sua entrada negada.

Visto e Passaporte

Um visto é necessário para todos os viajantes para o Iraque. Funcionários contratados e militares que trabalham para o Departamento de Defesa dos Estados Unidos estão atualmente excluídos da exigência de visto se apresentarem um Cartão de Acesso Comum (CAC) válido emitido pelo Departamento de Defesa. Isso só se aplica se você estiver voando para o lado militar do BIAP através da Gryphon Air ou de um voo militar. Você será deportado se viajar para o Aeroporto Internacional de Bagdá sem uma entrada válida ou visto de trabalho.

Um visto pode ser comprado por US$ 80 na maioria dos postos de fronteira para pessoas que entram no país sem um. Para pessoas, a duração total da travessia é de aproximadamente 1 hora. Se você deseja obter um visto no porto de entrada, espere longas filas e carregue muita papelada explicando quem você é e o que está fazendo no Iraque. É preferível enviar cartas em papel timbrado comercial ou governamental.

É difícil e demorado obter um visto de viagem para o Iraque. Um requerimento pode ser obtido na Embaixada do Iraque em sua área. Todos os pedidos, no entanto, são verificados em Bagdá. Mesmo se você tiver um visto, pode não ter permissão para entrar no Iraque depois de chegar. Nas embaixadas iraquianas em Londres, Paris e Washington, DC, os vistos podem ser obtidos antecipadamente.

Como viajar para o Iraque

Entrar - De avião

O Aeroporto Internacional de Bagdá (BIAP) (IATA: BGW) fica a aproximadamente 16 quilômetros do centro da cidade. Após pequenos danos durante os conflitos, o aeroporto está agora totalmente operacional e em expansão devido à recuperação do Iraque.

A Iraqi Airways, companhia aérea nacional, possui uma frota de 15 aeronaves. Seu negócio principal são voos domésticos, embora também voem para Londres e Estocolmo, além de vários aeroportos no Oriente Médio e no sul da Ásia.

A Austrian ou Turkish Airlines são as melhores opções para voos da Europa para Bagdá. A Austrian Airlines opera quatro voos semanais de Viena (IATA: VIE) para BIAP. A Turkish Airlines voa diariamente de Istambul (IATA: IST) para BIAP.

A Royal Jordanian Airlines oferece dois voos diários de ida e volta de Amã para o Oriente Médio (IATA: AMM). A Emirates e a companhia aérea de baixo custo flydubai chegam a Bagdá diariamente.

O Aeroporto Internacional de Erbil [www] é o aeroporto mais seguro e com melhor conexão. A maioria das companhias aéreas da Europa e do Oriente Médio, incluindo Lufthansa, Austrian Airlines, Royal Jordanian e Etihad, operam voos para o Curdistão iraquiano. Por ser mais seguro do que o resto do Iraque e servir como um centro econômico regional, o Curdistão iraquiano experimentou um tremendo desenvolvimento e investimento desde 2003.

A Gryphon Airlines está disponível para diplomatas, empreiteiros militares privados e agentes de inteligência. Gryphon opera voos entre o lado militar do BIAP e a Cidade do Kuwait.

As companhias aéreas turcas voam para Van, na Turquia, da maioria das cidades ocidentais através de Istambul; de lá, um táxi irá transportá-lo para a fronteira pelo equivalente a US$ 35-200, dependendo de suas habilidades de negociação (os motoristas turcos geralmente só aceitam liras, euros ou libras esterlinas)

Existem dois aviões fretados que voam para o BIAP para pessoas que trabalham para Organizações Não Governamentais (ONGs) no Iraque. Skylink e AirServ fornecem serviço regular. A viagem em qualquer um desses serviços precisa do patrocínio de sua ONG para ser incluída na lista de viajantes autorizados de cada serviço. Horários e serviços podem ser erráticos e muitas vezes variam.

O aeroporto é controlado pelo governo iraquiano. O Ministério dos Transportes do Iraque supervisiona as decolagens e aterrissagens no BIAP. Como consequência de muitos componentes-chave do equipamento de Controle de Tráfego Aéreo não estarem ligados, o BIAP só pode lidar com pousos de regras de voo visual (VFR), não com pousos por instrumentos. Como resultado, as tempestades de areia regulares da área podem prejudicar a visão e forçar o desvio de aeronaves. Devido à pouca visibilidade na pista, é muito incomum que aeronaves comerciais façam todo o caminho até o BIAP antes de dar a volta e retornar à sua origem. A fim de evitar o alto risco de ataques terrestres, as aeronaves civis que chegam descem em uma espiral apertada de altitudes de cruzeiro dentro do espaço aéreo protegido do BIAP.

Esteja preparado para filas longas, caóticas e extremamente lentas onde quer que você vá, saindo do BIAP. Se você não estiver trabalhando em um contrato com o governo no Iraque, sua entrada no aeroporto exigirá que você e seu carro esperem na fila para serem verificados a aproximadamente três ou quatro milhas do terminal do aeroporto. Essas verificações de segurança podem levar de duas a três horas para serem concluídas. A abordagem ideal é localizar alojamentos dentro da área de controle do BIAP no dia anterior à sua viagem para que você não fique exposto à longa espera e perca seu voo.

Todas as companhias aéreas que operam no BIAP têm um procedimento rigoroso de correspondência de bagagem. Todas as bagagens, sejam de mão ou despachadas, são alinhadas perto da aeronave na pista. Antes que um carregador de bagagem e agentes de segurança possam combiná-lo e colocá-lo no porão, cada passageiro deve pessoalmente tocar e retirar sua bagagem. As malas deixadas na pista após a conclusão do procedimento de embarque não são carregadas e são transportadas da área do terminal para um local seguro para descarte.

Embarque - De trem

Um trem de passageiros uma vez por semana foi restaurado em operação entre Gaziantep no sul da Turquia e Mossul, atravessando um pequeno trecho de terra síria, após um hiato de vinte anos. Saiu de Gaziantep todas as quintas-feiras às 21h00 e desembarcou em Mossul às 14h00 do dia seguinte, pagando 25€ por pessoa. De trem, essa era a única rota para chegar ao Iraque. (Atualizado em agosto de 2010.) O serviço Gaziantep–Mosul foi interrompido até novo aviso devido a um pedido das Ferrovias Iraquianas. O trem ainda está listado no site da Turkish State Railways, com a anotação de que está temporariamente fora de serviço, indicando que espera-se que volte a operar em um futuro próximo. Qualquer esforço para atravessar o território sírio em 2012-2013 não é recomendado devido à contínua e mortal luta interna do país.)

Entrar - De carro

Os carros podem ser o modo mais arriscado de entrada no país. Ao chegar à fronteira, é uma boa ideia trocar seu táxi/veículo de aluguel por um 4×4 blindado, que pode ser alugado por GBP300 (USD460) aprox. da empresa de segurança britânica GENRIC, junto com um guarda armado, se necessário.

Da Turquia

Dirigir da Turquia é a maneira mais conveniente de chegar à região mais ao norte do país. Em comparação com o resto da nação, esta parte do país é bastante segura. A polícia de fronteira e os moradores locais irão aconselhá-lo sobre quais cidades são seguras para visitar (Zakho, Dohuk, Erbil, As-Sulaymaniyah e assim por diante) e quais cidades devem ser evitadas (Zakho, Dohuk, Erbil, As-Sulaymaniyah e assim por diante) ( como Mosulor Bagdá).

Você viajará para o sudeste de Diyarbakir, na Turquia, para Zakho, no Iraque. É possível pegar um táxi previamente combinado; o custo médio desta viagem de táxi é de US$ 150, e a maioria dos motoristas só fala curdo ou árabe. Você costuma trocar de táxi em Silopi, a apenas cinco minutos da fronteira com o Iraque, ou trocar de automóvel a cerca de 70 quilômetros da fronteira e continuar de lá. Depois disso, o taxista cuidará de toda a sua papelada na fronteira. Isso implica que seu motorista vá de prédio em prédio, carimbando e aprovando papéis. Para o lado turco da fronteira, você deve ter uma fotocópia do seu passaporte, que você deve deixar com eles (a fotocópia, não o seu passaporte).

Uma alternativa consideravelmente mais barata é pegar um ônibus direto de Diyarbakir para Silopi. Isso não custará mais do que TRY20. É simples pegar um táxi para Zakho do Silopi otogar (parada de ônibus). Todas as fotocópias e documentação para o lado turco podem ser tratadas por um motorista de táxi competente.

Neste ponto, você terá completado sua viagem pela fronteira com o Iraque. Depois disso, seu motorista de táxi o levará ao departamento de imigração e alfândega do Iraque. Todas as pessoas e carros que entram no Iraque devem ser verificados quanto a contrabando pelos funcionários da alfândega, e seus veículos devem ser registrados e pagar uma taxa de selo; no entanto, as pesquisas nem sempre são executadas. Sem esta taxa de selo, é ilegal que um veículo não iraquiano compre gasolina em qualquer um dos postos de gasolina estatais do país. Depois de pagar quaisquer impostos de importação à alfândega e obter o carimbo do veículo, os funcionários da imigração examinarão seu passaporte e, se você tiver um visto, o carimbarão. Além disso, em determinados postos de fronteira terrestres, será recolhida a sua impressão digital e/ou fotografia. Não havia cobrança de visto nesta passagem de fronteira em julho de 2008.

Você estará agora no ponto de táxi da fronteira, a poucos quilômetros do centro da cidade de Zakho, e pode precisar pegar outro táxi para ir ao centro da cidade de Zakho (IQD5,000-10,000). Custa cerca de US$ 40 para pegar um táxi da cidade turca onde você trocou de veículo para Zakho. Este é um local seguro onde você pode se encontrar com amigos ou alugar um táxi para outra área do país. Enquanto espera, tome um chá.

Da Jordânia

Esteja preparado para uma longa viagem se estiver atravessando a fronteira com a Jordânia. A jornada pelo deserto oriental da Jordânia se assemelha a uma paisagem lunar. A viagem de Amã a Bagdá pode levar de 10 a 15 horas. Você sairá de Amã entre 5h e 00h e chegará à fronteira quatro horas depois. Em um bom dia, a travessia da fronteira pode levar de uma hora e meia a mais de cinco ou seis horas. Normalmente, leva metade do tempo para entrar no Iraque do que para sair. Os funcionários da imigração e da alfândega da Jordânia são extremamente exigentes sobre quem eles deixam entrar, e muitas vezes fecham seu lado da fronteira e se recusam a deixar qualquer pessoa passar por razões inexplicáveis.

A viagem da fronteira para Bagdá é muito perigosa. A estrada está repleta de ladrões de estradas e bandos de criminosos que atacam viajantes desavisados. Percorrer esta estrada sem equipamento de comunicação suficiente ou armas de fogo de qualquer tipo é FORTEMENTE ACONSELHADO. Não faça paradas ao longo desta rota; se o tráfego for interrompido na rodovia por qualquer motivo (além de um potencial IED), é aconselhável fazer o loop até que o tráfego flua novamente. Veículos, principalmente aqueles habitados por ocidentais, são vulneráveis ​​a assaltos a qualquer momento. Leve gasolina adicional, bem como muita comida.

Do Kuwait

Atravessar a fronteira do Kuwait é tão difícil quanto cruzar a fronteira com a Jordânia. A fronteira do Kuwait é muito mais difícil pelo fato de que os funcionários da imigração e alfândega do Kuwait são ainda mais rigorosos do que as autoridades jordanianas, e qualquer coisa pode levá-los a impedir sua entrada ou saída a seu critério. Esgueirar-se em um comboio militar não é recomendado, pois os artilheiros da torre no comboio podem confundir seu veículo com um atacante suicida.

No Iraque, o transporte confiável e discreto é essencial. Comprar um veículo que combina com os outros veículos na estrada geralmente é a melhor opção. Toyota, Hyundai e Kia, bem como fabricantes menos conhecidos da Europa Oriental e da Ásia, estão amplamente disponíveis. BMWs e Mercedes também são encontradas no Iraque, embora sejam menos frequentes, principalmente as boas com o volante do lado direito.

Embarque - De ônibus

O Iraque pode ser acessado da Jordânia por um ônibus de Amã. Outras nações podem operar ônibus para o Iraque. Cidadãos de países terceiros também podem entrar no Iraque por motivos de trabalho usando ônibus que geralmente saem do Kuwait.

Como viajar pelo Iraque

Embora os ônibus frequentes conectem Zakho e Dohuk e custem cerca de US$ 2, o transporte público é escasso no Curdistão. Ao longo do dia, táxis compartilhados partem de Dohuk em direção a Erbil e outros destinos. A rota entre Dohuk e Arbil passa perto de Mossul, mas não sai do território curdo, tornando-o seguro, embora um pouco próximo demais para o conforto.

Os táxis compartilhados podem ser o meio de transporte mais seguro no Curdistão iraquiano, já que os motoristas não desejam deixar a região.

Como se locomover - De carro

Dirigir à noite pode ser uma opção mais segura do que dirigir durante o dia, mas existem algumas diretrizes a serem seguidas:

Os centros das cidades devem ser evitados. Mesmo enquanto a maioria dos iraquianos está dormindo profundamente à meia-noite, aqueles que permanecem acordados quase definitivamente não fazem nada de bom.

Fique de olho nos militares. Você pode ser visto como um hostil/encrenqueiro se sair tarde da noite e tentar se encaixar com os moradores locais. Você será considerado suspeito nos postos de controle e deve se comportar com cautela até que eles determinem que você não é um alvo.

Se você se deparar com militares, certifique-se de que suas luzes estão acesas, seus perigos / piscas estão ligados, você diminui a velocidade ou encosta no acostamento da estrada e obedece a todas e quaisquer ordens dadas a você. Se um sinal de pare, laser verde ou outro sinal estiver apontado para você ou em sua vizinhança geral, é melhor errar do lado da cautela, em vez de correr o risco de ser alvejado.

Se você estiver viajando para o Iraque e encontrar conhecidos pelo caminho, tenha MUITO CUIDADO ao aceitar uma carona. Certifique-se de que eles não deixem a província do Curdistão iraquiano se aceitarem a oferta.

Destinos no Iraque

Regiões do Iraque

  • Al Jazira
    A área entre e ao redor dos rios superiores Tigre e Eufrates, norte e noroeste de Bagdá.
  • Cintos de Bagdá
    Os cinturões de subúrbios, vilarejos e cidades que saem do centro de Bagdá.
  • Deserto do Iraque
    Os vastos e desolados terrenos baldios do oeste e sudoeste do país.
  • Curdistão iraquiano
    Esta é a área mais segura do Iraque para viajar, pois é o lar do povo curdo e é administrado principalmente por um governo nacional distinto para todos os efeitos.
  • Mesopotâmia Baixa
    O próprio Berço da Civilização, lar das principais cidades xiitas e locais sagrados, como Karbala, Najaf, Basra e Nasiriya, bem como ruínas lendárias de civilizações antigas, incluindo Babilônia e Ur suméria.

Cidades no Iraque

  • Bagdá (بغداد)
  • Arbil (أربيل)
  • Ar Rutba (الرطبة)
  • Basra (البَصرة)
  • Dahuk (دهوك)
  • Faluja (الفلّوجة)
  • Karbala (كربلاء)
  • Kirkuk (كركوك)
  • Mossul (موصل)
  • Sulaimaniyah (سليمانى)

Outros destinos no Iraque

  • Ashur - Patrimônio Mundial da UNESCO e capital histórica do Império Assírio, este é um dos poucos grandes monumentos arqueológicos do país que se beneficiou da recente invasão - a administração Hussein pretendia construir uma barragem nas proximidades que teria inundado e destruído o local.
  • Babilônia (بابل) - Os restos da antiga Babilônia foram destruídos por má reconstrução, saques e negligência militar, mas continuam sendo alguns dos mais magníficos do Berço da Civilização.
  • Ctesifonte — Ctesifonte, a capital histórica dos Impérios Parta e Sassânida, nos deixou restos majestosos e imponentes, principalmente o espetacular Arco de Ctesifonte; perto do Tigre, foi descoberto o sítio arqueológico da antiga cidade helenística de Selêucia.
  • Hatra - anteriormente um Patrimônio Mundial da UNESCO, esta cidade parta no deserto, outrora bem preservada, tinha alguns dos mais belos restos do Iraque, que foram gravemente danificados ou destruídos por militantes do Da'esh em 2015.
  • Nínive (نينوى) — Nínive é uma cidade de 3,000 anos e antiga capital assíria, cujos restos parcialmente reconstruídos e sítio arqueológico estão localizados do outro lado do Tigre de Mosul.
  • Ur (أور) — Ur É os restos de uma antiga cidade suméria mais conhecida pelo Grande Zigurate de Ur, uma enorme pirâmide de degraus.

O que ver no Iraque

O setor de turismo do Iraque sofreu como resultado da terrível governança do país e dos conflitos destrutivos nos últimos 40 anos. Peregrinos religiosos, principalmente do Oriente Médio, Irã e Ásia Central, retornaram em grande número aos locais sagrados do sul do Iraque após o colapso do regime de Saddam Hussein, que se opunha virulentamente ao islamismo xiita. A peregrinação religiosa ainda é muito perigosa, embora haja mais segurança em números e familiaridade com a área árabe. A peregrinação, é claro, é uma causa mais premente para as viagens do que para o turismo!

Só podemos esperar que a segurança e a estabilidade sejam restauradas em breve nesta vasta e antiga região, porque é um destino de viagem fascinante para qualquer pessoa interessada em história, seja história antiga que remonta a 4,000 anos, história islâmica medieval e mais tarde otomana, ou história moderna história desde o início do século XXI. As guerras e o desgoverno acima mencionados não foram gentis com as ruínas do Iraque, particularmente em termos da extensa reconstrução da antiga Babilônia pelo governo Hussein e a subsequente negligência por parte das forças militares estrangeiras. No entanto, o fascínio de cidades antigas como Babilônia, a capital da Babilônia; Ur, a antiga metrópole das primeiras grandes civilizações da humanidade, a Suméria; importantes cidades partas, incluindo a bela Hatra e a capital Ctesiphon; e Ashur, a capital assíria, supera o dano causado.

Fora da Arábia Saudita, os lugares mais sagrados do islamismo xiita estão no exuberante coração da Baixa Mesopotâmia do Iraque. A divisão xiita-sunita no Islã surgiu de um desacordo sobre o legítimo sucessor do profeta Maomé em meados do século VII d.C., com os xiitas apoiando Ali ibn Abi Talib, que se tornaria o primeiro imã e cuja capital do califado ficava na antiga cidade de Kufa. A Mesquita Imam Ali, um dos santuários mais sagrados do islamismo xiita, abriga o túmulo de Ali na atual Najaf. Husayn ibn Ali, o terceiro Imam e neto do Profeta, é amplamente considerado como um dos maiores mártires do islamismo xiita, e as duas grandes mesquitas de Karbala, a Mesquita Al Abbas e o Santuário Imam Husayn (que fica em seu túmulo), são a peregrinação mais importante locais para os xiitas, que vêm observar a Ashura, o dia de luto pelo Imam Husayn.

A Mesquita Al-Askari, que serve como mausoléu dos imãs 'Ali al-Hadi e Hassan al-'Askari, é outra mesquita xiita significativa em Samarra. Infelizmente, esta mesquita foi severamente danificada pela violência sectária em 2006, com a cúpula, os minaretes e a torre do relógio sendo destruídos. Finalmente, o sétimo e nono Imames, Musa al-Kadhim e Muhammad at-Taqi, estão enterrados na Mesquita Al-Kadhimiya em Kadhimiya. Os renomados estudiosos históricos Shaykh Mufid e Shaykh Nasir ad-Din Tusi estão enterrados dentro desta mesquita. A Mesquita Abu Hanifa de Bagdá, construída em torno do túmulo de Abu Hanifah an-Nu'man, o fundador da escola anaf da lei religiosa islâmica, é um dos lugares sagrados islâmicos sunitas mais importantes.

A maioria das atrações contemporâneas são as grandes esculturas e palácios modernistas do governo de Saddam Hussein, que estão situados principalmente no centro de Bagdá (ou no topo de alguns dos locais históricos mais importantes do mundo...). Dado o conflito externo e interno, bem como os crimes do governo contra seu próprio povo durante os últimos 40 anos, os monumentos aos que sofreram só podem se tornar mais prevalentes no futuro. No entanto, tais melhorias podem ter que esperar até que o presente tumultuado do país seja resolvido. Enquanto isso, é viável (embora às vezes perigoso) ir a lugares e campos de batalha que se tornaram nomes conhecidos em todo o mundo como resultado da guerra mais recente.

Comida e bebida no Iraque

Comida no Iraque

Masgouf é considerado o prato nacional do Iraque. É um peixe de água doce de corte aberto que foi marinado em azeite, sal, curcuma e tamarindo por horas antes de ser assado com a pele. Limão, cebola e tomate picados e pão achatado são guarnições tradicionais de masgouf.

Baytinijan Tepsi No Iraque, esta refeição também é extremamente popular. Almôndegas, berinjela, tomate, alho, cebola e batata são ingredientes comuns neste prato assado.

Bebidas no Iraque

No Iraque, o álcool é permitido, e os vendedores ambulantes geralmente podem conseguir um pouco se você realmente precisar, mas isso é simplesmente implorar para ser reconhecido como um estrangeiro. Além disso, apesar do álcool ser legal no Iraque, várias organizações rebeldes têm como alvo comerciantes e consumidores de álcool.

Dinheiro e compras no Iraque

O dinar iraquiano (IQD) é a moeda oficial, embora você também possa usar euros (€) e dólares americanos (USD) em quase todos os lugares. Tenha em mente que a maioria das pessoas não gosta de fazer troco para grandes contas. Quaisquer falhas nas notas (vincos, carimbos de tinta de banco, rasgos e assim por diante) podem levantar suspeitas de que você é um falsificador. Além disso, não traga nenhuma conta antiga com você. Para gastar dinheiro todos os dias, leve principalmente notas minúsculas na forma de dinares iraquianos.

A ampla aceitação e confiança no novo dinar iraquiano diminuiu a importância do dólar americano, e muitas lojas estão se recusando a aceitá-lo. Devido ao grande número de notas necessárias para pagar com dinares, a maioria das pessoas continuará pagando grandes contas de hotéis ou pagamentos de aluguel em dólares americanos ou euros. A taxa de câmbio varia de dia para dia e de cidade para cidade, mas geralmente é cerca de IQD1175 a USD1. A inflação costumava ser bastante alta (65% ao ano desde 2003), mas recentemente foi consideravelmente menor (11% em 2008), tornando o dinar iraquiano um alvo de investimento mais atraente do que o dong vietnamita.

Aprenda sobre os aspectos de segurança das novas notas de dinar e dólar americano; o governo iraquiano anterior era suspeito de produzir notas falsificadas de USD 20, USD 10 e USD 5, e esses falsificadores ainda estão ativos.

Cultura do Iraque

Música

O Iraque é bem conhecido por sua rica história maqam, que foi transmitida oralmente ao longo das gerações por mestres maqam em uma linha de transmissão ininterrupta. O maqam al-Iraqi é considerado o tipo mais alto e perfeito de maqam. A coleção de poesia cantada al-maqam al-Iraqi é composta em um dos dezesseis metros de árabe clássico ou em dialeto iraquiano (Zuhayri). A UNESCO designou esse tipo de arte como “patrimônio imaterial da humanidade”.

Muitos dos músicos mais famosos do Iraque eram judeus no início do século XX. Com exceção do percussionista, a Iraq Radio foi fundada em 1936 com um conjunto formado exclusivamente por judeus. Conjuntos compostos por oud, qanun e dois percussionistas se apresentavam em boates de Bagdá, enquanto o rádio transmitia o mesmo estilo com ney e violoncelo.

Salima Pasha, uma judia, foi sem dúvida a vocalista mais renomada das décadas de 1930 e 1940 (mais tarde Salima Murad). O amor e o respeito de Pasha eram incomuns na época, já que apresentações públicas de mulheres eram desaprovadas, e a maioria das cantoras eram recrutadas em bordéis.

Ezra Aharon, um músico de oud, foi o compositor mais renomado do Iraque, enquanto Daoud Al-Kuwaiti foi o instrumentista mais notável. Daoud e seu irmão Saleh criaram o conjunto oficial da rádio iraquiana e foram eles que introduziram o violoncelo e o ney no conjunto tradicional.

Arte e arquitetura

A Orquestra Sinfônica Nacional Iraquiana, cujos preparativos e concertos foram temporariamente interrompidos durante a ocupação do Iraque, mas foram retomados desde então, é uma das organizações culturais mais importantes da cidade. O Teatro Nacional Iraquiano foi roubado durante a invasão de 2003, mas as obras de restauração estão em andamento. Durante a década de 1990, quando as sanções da ONU restringiram a importação de filmes estrangeiros, a indústria teatral ao vivo floresceu. Segundo relatos, até 30 teatros foram transformados em palcos ao vivo, com uma variedade de comédias e peças sérias em oferta.

As instituições culturais de Bagdá incluem a Academia de Música, o Instituto de Belas Artes e a Escola de Ballet e Música de Bagdá. Bagdá também tem muitos museus, notadamente o Museu Nacional do Iraque, que contém a maior e melhor coleção do mundo de antiguidades e artefatos de antigas civilizações iraquianas, alguns dos quais foram levados durante a ocupação iraquiana.

Os medos capturaram Ninus ou Nínive sob Cyaxares, e o lugar foi reduzido a montes de terra cerca de 200 anos depois que Xenofonte passou por ele. Permaneceu enterrado até que Botta e Layard encontraram os restos das cidades assírias em 1845. As ruínas mais importantes são as de Khorsabad, 16 quilômetros (10 milhas) a nordeste de Mosul; Nimroud, que se acredita ser a antiga Calah; e Kouyunjik, que provavelmente é a antiga Nínive. Fragmentos de numerosas estruturas grandes, que parecem ter sido templos-palácios, foram descobertos nessas cidades. Eram, na sua maioria, de tijolos secos ao sol, restando apenas as partes inferiores das paredes, embelezadas com esculturas e pinturas, pedaços dos pavimentos, alguns marcos de altura e algumas obras notáveis ​​de drenagem.

Mídia

Após o colapso do controle estatal completo em 2003, a indústria de transmissão do Iraque teve um período de tremendo desenvolvimento. A proibição de antenas parabólicas foi suspensa imediatamente e, em meados de 2003, de acordo com uma reportagem da BBC, os iraquianos possuíam e administravam 20 estações de rádio que variavam de 0.15 a 17 estações de televisão, bem como 200 publicações iraquianas. Significativamente, o número dessas publicações tem sido desproporcional à população das áreas onde foram publicadas. Por exemplo, mais de 30 jornais são produzidos e entregues em Najaf, que tem uma população de 300,000 habitantes.

Ibrahim Al Marashi, especialista em mídia iraquiana e autor de muitos estudos sobre o tema, cita quatro fases da invasão do Iraque pelos EUA em 2003, durante as quais os EUA tomaram ações que tiveram grandes consequências para a mídia iraquiana desde então. O planejamento pré-invasão, a guerra e a seleção de alvos reais, o período inicial do pós-guerra, uma insurgência crescente e a entrega de autoridade ao Governo Interino do Iraque (IIG) e ao primeiro-ministro Iyad Allawi são os estágios.

Cozinha

A culinária iraquiana tem uma longa história, que remonta aos sumérios, acadianos, babilônios, assírios e persas antigos há mais de 10,000 anos. Tablets descobertos em ruínas iraquianas revelam receitas produzidas em templos durante festivais religiosos – os primeiros livros de culinária do mundo. Em muitas áreas do conhecimento, incluindo as artes culinárias, o antigo Iraque ou a Mesopotâmia, foi o lar de inúmeras civilizações complexas e altamente evoluídas. A cozinha iraquiana, no entanto, atingiu seu auge durante o período medieval, quando Bagdá era a capital do califado abássida. Hoje, a culinária iraquiana reflete essa rica herança, bem como influências significativas da vizinha Turquia, Irã e tradições culinárias da região da Grande Síria.

Desporto

No Iraque, o futebol é o esporte mais popular. Após anos de conflito e turbulência, o futebol se tornou uma importante força unificadora no Iraque. Basquetebol, natação, levantamento de peso, musculação, boxe, kickboxing e tênis são todos os esportes proeminentes nos Estados Unidos.

A Associação de Futebol do Iraque é a organização que governa o país, responsável pela Seleção Nacional do Iraque e pela Premier League do Iraque (também conhecida como Dawri Al-Nokba). Foi fundado em 1948 e é membro da FIFA desde 1950, bem como membro da Confederação Asiática de Futebol desde 1971. O Al Shorta, o clube de maior sucesso do Iraque, venceu campeonatos consecutivos em 2013 e 2014 e foi o primeiro time a vencer a Liga dos Campeões Árabes. A Seleção Iraquiana de Futebol venceu a Copa Asiática de 2007 após derrotar a Arábia Saudita na final por 1 a 0 devido ao gol do capitão Younis Mahmoud, e disputou dois torneios da FIFA (a Copa do Mundo de 1986 e a Copa das Confederações da FIFA de 2009).

Fique seguro e saudável no Iraque

Fique seguro no Iraque

A situação política é muito imprevisível depois que o conflito foi declarado formalmente encerrado em dezembro de 2011. Uma série de explosões e tiroteios fatais ocorreu em maio de 2013. Os conflitos eclodiram em Anbar em dezembro de 2013. Em janeiro de 2014, o Estado Islâmico do Iraque e do Levante ( ISIL) e grupos tribais antigovernamentais sunitas lutavam pelo controle de Fallujah.

O Iraque é atormentado por uma série de questões que tornam as viagens perigosas e difíceis. A situação de segurança é perigosa em quase todas as partes do país e só está piorando à medida que os ataques terroristas continuam. Guerras de rua, bombas e outros atos de violência armada são ocorrências cotidianas devido à resistência à ocupação militar, tropas dos EUA e do Reino Unido e militares iraquianos, policiais ou qualquer pessoa ligada ao governo iraquiano, bem como crescentes conflitos entre facções e sectários.

O terço médio do país é o mais perigoso; os portos do sul são menos arriscados, mas apenas em comparação. O norte do Iraque, ou Curdistão, por outro lado, é seguro e tem visto relativamente pouca violência desde 2003. Revoltas políticas, sequestros e outras atividades clandestinas prosperam nas principais cidades, incluindo Bagdá, portanto, proceda com cuidado. O número de peshmerga (militar) curdo é superior a 100,000, e postos de controle podem ser encontrados em todas as rotas, vilas, cidades e até vilarejos. Todos os não-curdos são cuidadosamente inspecionados e a polícia secreta interna às vezes é seguida. Mas não tenha medo: é por isso que o terrorismo no Norte é praticamente impossível. Os policiais são gentis e todos gostam de conhecer visitantes, principalmente americanos.

Viajar sozinho faz de você um alvo óbvio para sequestradores e deve ser evitado sempre que possível; em vez disso, vá com um tradutor/guarda. Existem muitos serviços de segurança privados e governamentais disponíveis para sua proteção pessoal; você deve considerar seriamente o uso dessas alternativas para sua própria segurança. Se você trabalha no Iraque, converse com seu chefe sobre como gerenciar sua segurança pessoal. Se nenhuma proteção for fornecida pelo cliente, você deve considerar fortemente não ir ao Iraque; se você deve ir, você deve contratar segurança armada e obter treinamento completo em equipamentos de proteção adequados, sobrevivência e armamento.

Mantenha-se saudável no Iraque

Beber a água em qualquer lugar do Iraque não é seguro para turistas de curto prazo. Sempre consuma água engarrafada, de preferência de um fabricante ocidental ou jordaniano. Provavelmente será oferecido por fornecedores e grandes varejistas e será simples de localizar. A água é bombeada diretamente dos rios Tigre ou Eufrates no Iraque, tratada com ozônio e depois filtrada em garrafas pela maioria das empresas de água iraquianas. Tem um gosto ruim e não deve ser consumido por pessoas com sistemas sensíveis. Muitos vendedores ambulantes podem vender bebidas como água com infusão de limão, o que deve ser evitado por turistas internacionais.

Ao comprar bebidas, aqueles com experiência anterior no Iraque devem ter cautela e confiar em sua experiência anterior.

Beber o chá nativo (chai), que é aquecido até ferver antes de servir, pode ser seguro para certas pessoas, mas em caso de dúvida, insista na água engarrafada. A fervura da água tem pouco efeito em muitos tipos de doenças transmitidas pela água, poluição ou agentes infecciosos, e eles ainda estão presentes na água após a fervura.

Os padrões de preparação da cozinha no Iraque não são os mesmos dos países ocidentais, como um passeio por um açougue iraquiano mostraria, e comer comida local pode deixar um turista doente. Faça um esforço para trazer o seu próprio. Refeições não cozidas devem ser evitadas, pois a água da torneira geralmente é imprópria para consumo.

Se o seu corpo começar a rejeitar alimentos e bebidas como resultado de algo que você não deveria ter consumido, localize alguém que saiba árabe e envie-o a uma farmácia local, onde ele poderá solicitar um medicamento chamado “InterStop” (semelhante ao cofenotrópio /Lomotil). Isso é mais eficaz do que qualquer uma das marcas ocidentais conhecidas.

Ásia

África

Austrália e Oceania

América do Sul

Europa

América do Norte

Leia Próximo

Bagdá

Bagdá é a capital e maior cidade da República do Iraque. A cidade foi construída no século VIII ao longo do rio Tigre e tornou-se o...