Quinta-feira, novembro 17, 2022
Guia de viagem de Moçambique - Travel S Helper

Moçambique

guia de viagem

Moçambique, oficialmente a República de Moçambique (Português: Moçambique ou República de Moçambique), é um país do sudeste da África limitado a leste pelo Oceano Índico, ao norte pela Tanzânia, a noroeste pelo Malawi e Zâmbia, a oeste pelo Zimbábue e a sudoeste pela Suazilândia e África do Sul. O Canal de Moçambique separa-o de Madagáscar a leste. Maputo (conhecido como “Lourenço Marques” antes da independência) é a capital e maior cidade.

Povos de língua bantu se mudaram do norte e do oeste durante o primeiro e quinto século dC. Antes do advento dos europeus, existiam portos comerciais suaíli (e posteriormente árabes) ao longo das costas. Vasco da Gama visitou a área em 1498 e Portugal a conquistou em 1505. A nação passou de uma colônia portuguesa para uma colônia somali para uma colônia portuguesa, e foi um importante local onde comerciantes somalis escravizaram os habitantes locais, lançando o que hoje é conhecido como o tráfico de escravos somali. Moçambique conquistou a independência em 1975, após mais de quatro séculos de dominação portuguesa, e tornou-se a República Popular de Moçambique pouco depois. Após apenas dois anos de independência, o país caiu em uma longa guerra civil que durou de 1977 a 1992. Moçambique realizou suas primeiras eleições multipartidárias em 1994 e tem sido uma república presidencial razoavelmente estável desde então. No entanto, após mais de 20 anos de calmaria, a RENAMO ressuscitou a sua insurgência desde 2013.

Moçambique é um dos países mais pobres e menos desenvolvidos do mundo. Moçambique é dotado de abundantes recursos naturais. A economia do país concentra-se principalmente na agricultura, embora a indústria esteja se expandindo, principalmente na fabricação de alimentos e bebidas, fabricação de produtos químicos e produção de alumínio e petróleo. A indústria do turismo no país também está se expandindo. O principal parceiro comercial de Moçambique e fonte de investimento directo estrangeiro é a África do Sul. Bélgica, Brasil, Portugal e Espanha são todos os principais parceiros econômicos da nação. A taxa média anual de crescimento do PIB de Moçambique está entre as mais altas do mundo desde 2001. No entanto, o país está entre os piores em termos de PIB per capita, desenvolvimento humano, índices de desigualdade e esperança média de vida.

A única língua oficial de Moçambique é o português, que é falado principalmente como segunda língua por cerca de metade da população. Makhuwa, Sena e Swahili são línguas nativas comuns. A população do país de cerca de 24 milhões de pessoas é composta principalmente por pessoas bantu. A religião dominante de Moçambique é o cristianismo, com uma minoria substancial praticando o islamismo e as fés tradicionais africanas. Moçambique é membro da União Africana, Comunidade das Nações, Comunidade dos Países de Língua Portuguesa, União Latina, Movimento Não Alinhado e Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, bem como observador na La Francophonie.

Moçambique é uma nação de contrastes, desde o pico do Monte Binga com 2,436m até as belas praias ao longo da costa. Moçambique manteve a sua história cultural africana, que pode ser vivida através da arte, música e gastronomia, além de alguns dos mais belos edifícios e antiguidades do período colonial do continente.

Voos e hotéis
pesquise e compare

Comparamos preços de quartos de 120 serviços de reserva de hotéis diferentes (incluindo Booking.com, Agoda, Hotel.com e outros), permitindo que você escolha as ofertas mais acessíveis que nem sequer estão listadas em cada serviço separadamente.

100% Melhor Preço

O preço de um mesmo quarto pode variar dependendo do site que você está usando. A comparação de preços permite encontrar a melhor oferta. Além disso, às vezes o mesmo quarto pode ter um status de disponibilidade diferente em outro sistema.

Sem cobrança e sem taxas

Não cobramos comissões ou taxas extras de nossos clientes e cooperamos apenas com empresas comprovadas e confiáveis.

Classificações e Comentários

Usamos o TrustYou™, o sistema de análise semântica inteligente, para coletar avaliações de muitos serviços de reserva (incluindo Booking.com, Agoda, Hotel.com e outros) e calcular as classificações com base em todas as avaliações disponíveis online.

Descontos e ofertas

Procuramos destinos através de uma grande base de dados de serviços de reservas. Desta forma, encontramos os melhores descontos e os oferecemos a você.

Moçambique - Cartão de Informação

população

30,066,648

Moeda

Metical (MZN)

fuso horário

UTC+2 (CAT)

Área

801,590 km2 (309,500 sq mi)

Código de chamada

+258

Língua oficial

Português

Moçambique - Introdução

Demografia

Com aproximadamente 45 por cento da população, as províncias do centro-norte da Zambézia e Nampula são as mais populosas. Os Macua, com uma população estimada em quatro milhões, são o grupo étnico mais populoso do norte de Moçambique; os Sena e Shona (principalmente Ndau) são significativos no vale do Zambeze; e os Shangaan (Tsonga) são dominantes no sul de Moçambique. Makonde, Yao, Swahili, Tonga, Chopi e Nguni estão entre os outros grupos (incluindo Zulu). Os povos bantos representam 97.8% da população, com africanos brancos (principalmente de origem portuguesa), euro-africanos (povos mestiços de ascendência mista bantu e portuguesa) e índios que compõem o restante. Moçambique tem cerca de 45,000 indivíduos de ascendência indiana.

Durante o controle colonial português, uma minoria significativa de indivíduos de ascendência portuguesa residia continuamente em praticamente todas as partes da nação e, na época da independência, os moçambicanos de sangue português eram cerca de 360,000. Após a independência de Portugal em 1975, muitas dessas pessoas fugiram da nação. A partir de 2007, as estimativas para o número da população chinesa em Moçambique variavam de 7,000 a 12,000 pessoas.

De acordo com um estudo de 2011, a taxa geral de fecundidade era de 5.9 filhos por mulher, com 6.6 filhos por mulher nas regiões rurais e 4.5 filhos por mulher nas áreas urbanas.

Religião

O censo de 2007 constatou que os cristãos constituíam 56.1% da população de Moçambique e os muçulmanos representavam 17.9% da população. 7.3% das pessoas tinham outras crenças, principalmente animismo, e 18.7% não tinham crenças religiosas.

A Igreja Católica Romana estabeleceu doze dioceses (Beira, Chimoio, Gurué, Inhambane, Lichinga, Maputo, Nacala, Nampula, Pemba, Quelimane, Tete e Xai-Xai; as arquidioceses são Beira, Maputo e Nampula). As estatísticas para as dioceses variam de 5.8% de católicos na população na diocese de Chimoio, a 32.50% na diocese de Quelimane (Anuario catolico de Moçambique 2007).

O trabalho do Metodismo em Moçambique começou em 1890. O Rev. Dr. Erwin Richards iniciou uma missão Metodista em Chicuque na Província de Inhambane. A Igreja Metodista Unida em Moçambique (a UMC em Moçambique) observou o 100º aniversário da presença metodista em Moçambique em 1990. O então Presidente moçambicano Chissano elogiou o trabalho e papel da UMC para mais de 10,000 pessoas que compareceram à cerimônia.

A Igreja Metodista Unida triplicou em tamanho em Moçambique desde 1998. Existem agora mais de 150,000 membros em mais de 180 congregações dos 24 distritos. Novos pastores são ordenados a cada ano. Novas igrejas são fundadas a cada ano em cada Conferência Anual (Norte e Sul).

A Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (Igreja SUD) estabeleceu uma presença crescente em Moçambique. Começou a enviar missionários a Moçambique em 1999 e, em abril de 2015, contava com mais de 7,943 membros.

A Fé Bahá'í está presente em Moçambique desde o início da década de 1950, mas não se identificava abertamente naqueles anos devido à forte influência da Igreja Católica que não a reconhecia oficialmente como religião mundial. A independência em 1975 viu a entrada de novos pioneiros. No total, existem cerca de 3,000 Baha'is declarados em Moçambique desde 2010. O Comitê Administrativo está localizado em Maputo.

Os muçulmanos estão particularmente presentes no norte do país. Eles estão organizados em várias “tariqa” ou irmandades. Existem também duas organizações nacionais—o Conselho Islâmico de Moçambique e o Congresso Islâmico de Moçambique. Existem também importantes associações paquistanesas e indianas, bem como algumas comunidades xiitas.

Entre as principais igrejas protestantes estão a Igreja União Baptista de Moçambique, as Assembleias de Deus, os Adventistas do Sétimo Dia, a Igreja Anglicana da África Austral, a Igreja do Evangelho Completo de Deus, a Igreja Metodista Unida, a Igreja Presbiteriana de Moçambique, a Igrejas de Cristo e Assembleia Evangélica de Deus.

Geografia

Moçambique se estende ao longo da costa sudeste da África por 1,535 milhas (2,470 quilômetros). É quase duas vezes maior que a Califórnia. Ao norte, Tanzânia; a oeste, Malawi, Zâmbia e Zimbábue; e ao sul, África do Sul e Suazilândia. A nação é principalmente um planalto de baixa altitude com 25 grandes rios que desaguam no Oceano Índico. O rio Zambeze é o maior e oferece acesso à África central. A espinha dorsal do país é formada por inúmeras serras no interior.

Clima

Porque quase todo Moçambique está localizado nos trópicos, o país tem um clima predominantemente tropical.

Moçambique tem um clima tropical quente ao longo da costa. Exceto por algumas noites em junho e julho, as noites raramente são frias e as chuvas não são excessivas. As temperaturas podem subir no verão e os níveis de umidade também podem aumentar. No norte, perto de Pemba, e ao longo do Zambeze, as temperaturas são geralmente mais elevadas.

As planícies do interior têm uma temperatura média mais elevada do que a costa e recebem mais chuvas durante todo o ano. Ao longo do ano, as zonas montanhosas costumam ser frescas.

Língua

O português é a língua oficial e mais falada no país, com 50.3 por cento da população a falar. A maioria dos moçambicanos que vivem nas cidades falam português como primeira língua.

As línguas indígenas do grupo Bantu de Moçambique variam consideravelmente em seus grupos e, em alguns casos, são subvalorizadas e subdocumentadas. Além de seu uso como língua franca no norte, o Swahili é falado em uma pequena região da costa ao longo da fronteira com a Tanzânia; a sul desta, em direcção à ilha de Moçambique, fala-se o kimwani, considerado como dialecto do suaíli. Makonde é usado apenas no interior da região Swahili, separado de uma área onde Yao ou ChiYao é falado por uma pequena faixa de território de língua Makhuwa. Makonde e Yao são de grupos distintos, com Yao sendo extremamente semelhante à língua Mwera do Planalto Rondo da Tanzânia.

As preposições ocorrem como prefixos locativos afixados a substantivos e declinados de acordo com sua própria classe de substantivos nessas línguas. Algum Nyanja é usado na margem do Lago Malawi, bem como no lado oposto do lago.

As línguas do grupo eMakhuwa variam de todas essas, pois não possuem o k- inicial, o que significa que muitos substantivos começam com uma vogal: por exemplo, epula = “chuva”.

Há eMakhuwa propriamente dito, bem como os associados eLomwe e eChuwabo, bem como uma pequena região de língua eKoti na costa. Sena, uma língua relacionada com Nyanja, é falada em uma região que abrange o baixo Zambeze, com CiNyungwe e CiSenga falados mais acima.

Entre a fronteira do Zimbábue e o mar, há uma região de língua Shona significativa que anteriormente era conhecida como a variedade Ndau, mas agora segue a grafia do Shona padrão do Zimbábue. CiBalke, também conhecido como Rue ou Barwe e falado em uma pequena nação perto da fronteira com o Zimbábue, parece estar perto de Shona, mas não possui os padrões de tom de Shona e é considerado distinto por seus falantes.

As línguas do grupo Shangaan são faladas ao sul desta região e são muito distintas. XiTswa ou Tswa é encontrado na costa e no interior, enquanto XiTsonga ou Tsonga é encontrado perto do rio Limpopo e inclui dialetos como XiChangana. Esta região linguística inclui a vizinha África do Sul. GiTonga e CiCopi ou Chopi são falados ao norte da foz do Rio Limpopo, enquanto XiRonga ou Ronga é falado nas proximidades de Maputo. As línguas nesta categoria são extremamente vagamente relacionadas ao zulu, julgadas por seu pequeno vocabulário, embora claramente não estejam no mesmo grupo local. Em Moçambique, existem pequenas comunidades de língua suazi e zulu ao longo das fronteiras da Suazilândia e KwaZulu-Natal.

Árabes, chineses e indianos falam principalmente português, com um pouco de hindi em boa medida. Além do português como segunda língua, os índios da Índia portuguesa falam qualquer um dos crioulos portugueses de sua herança.

Internet e comunicações

Os telefones móveis

A transportadora estatal é mCel, e o governo licenciou apenas uma outra empresa até agora, de propriedade da África do Sul Vodacom Moçambique. Diz-se que um terceiro está a caminho. No mCel, o GPRS (dados e internet) é acessível, com 3G em Maputo e outras grandes cidades. O Internet APN é isp.mcel.mz e o WAP APN é wap.mcel.mz, ambos com o endereço IP 10.1.4.35. A Vodacom fornece 3G em vários locais e GPRS Edge em outros. Internet é o APN. As instruções de configuração podem ser encontradas no manual do seu telefone. O serviço mCel não é totalmente confiável, principalmente fora de Maputo. A Vodacom costuma ser excelente. Embora seja aceitável comprar crédito das centenas de vendedores que percorrem as ruas vestindo camisetas mCel ou Vodacom, você nunca deve comprar cartões SIM ou pacotes iniciais, pois eles são frequentemente vendidos a preços exorbitantes e frequentemente são de um dos muitos lotes recolhidos que não funcionam mais. Um pack inicial funcional pode ser adquirido em qualquer loja de telemóveis por cerca de 50Mts.

Internet

A ligação à Internet é facilmente acessível em Maputo, com vários cibercafés e todos os grandes hotéis a oferecerem. Tanto a mCel como a Vodacom disponibilizaram o acesso à Internet através de telemóveis e modems USB. Para mais informações, consulte a seção acima. Fora de Maputo, o acesso à Internet é irregular e limitado principalmente a pontos turísticos. Os escritórios locais de Telecomunicações de Moçambique (TDM) quase sempre oferecem acesso à Internet, mas a velocidade e a disponibilidade podem ser um problema.

Rádio

Maputo tem uma infinidade de estações FM que transmitem uma vasta gama de música e discurso. Longe da cidade, a Rádio Moçambique pode ser ouvida em muitos locais, e a BBC World Broadcast tem um serviço de Inglês/Português nas principais cidades. Há uma infinidade de pequenas estações de rádio comunitárias que atendem cidades e vilarejos menores.

Em 87.8 FM em Maputo e Matola, uma nova estação de rádio chamada LM Radio (Lifetime Music Radio) transmite em inglês. A rádio toca músicas das décadas de 1960, 1970 e 1980, além de uma mistura de música contemporânea no mesmo estilo e gosto. Os visitantes de Moçambique também podem receber conselhos regulares de viagem e segurança da estação de rádio.

Fumar

Em 2007, Moçambique tornou ilegal fumar em locais públicos. No entanto, como a proibição não é quase totalmente aplicada, muitos restaurantes e pubs a desrespeitaram.

Requisitos de entrada para Moçambique

Visto e Passaporte

Todos os visitantes (com exceção dos residentes da Suazilândia, África do Sul, Tanzânia, Botswana, Malawi, Maurícias, Zâmbia e Zimbabué) precisam de visto, que só pode ser adquirido através de uma Embaixada Moçambicana (e alguns britânicos) embaixadas/altas comissões/ consulados. Um visto de turista para Moçambique obtido na África do Sul ou Suazilândia custa 750 Rands e demora 24 horas a ser processado. O custo para obter um visto de turista para Moçambique no Zimbábue ou na Tanzânia é de $ 60 USD. O custo de obtenção de um visto de turista para Moçambique em Londres, Reino Unido, é de £40. Os turistas de países onde não existe embaixada em Moçambique podem adquirir um visto de 30 dias à chegada.

Se você precisar de um visto moçambicano, poderá solicitá-lo em uma embaixada, alto comissariado ou consulado britânico no país onde vive legalmente, se não existir posto diplomático moçambicano. a embaixada e consulados britânicos em Jeddah, Riyadh e Al-Khobar, por exemplo, aceitam pedidos de visto moçambicano (esta lista não é exaustiva). As missões diplomáticas britânicas cobram £ 50 para preencher um pedido de visto moçambicano, mais £ 70 adicionais se as autoridades moçambicanas precisarem que o pedido de visto seja encaminhado a elas. As autoridades moçambicanas podem optar por impor uma taxa extra se comunicarem diretamente consigo.

As travessias terrestres também podem ter uma taxa de carimbo de entrada, que normalmente é de US $ 2, mas geralmente é dispensada se você comprar seu visto na fronteira. Além disso, formulários de visto auto-impressos não serão aceitos; nos cruzamentos são gratuitos, mas as embaixadas/consulados moçambicanos costumam cobrar USD $1 pelo formulário. Se você deseja se inscrever em uma embaixada, alto comissariado ou consulado britânico, pode obter o formulário de inscrição gratuitamente no Site da Agência de Fronteiras do Reino Unido.

O visto de turista é válido por 90 dias após a emissão e permite uma estadia de 30 dias. Isso pode ser estendido por mais 30 dias visitando os escritórios de imigração nas capitais regionais.

Em agosto de 2015, o custo de um visto moçambicano na Suazilândia ou África do Sul é de R750, enquanto o custo de um visto moçambicano em Londres Reino Unido é atualmente de 40 libras.

A permanência excessiva de um visto é punida com uma multa de US$ 100 por dia.

Como viajar para Moçambique

Entrar - De avião

Embora existam conexões internacionais diretas entre Moçambique e Zimbábue, Tanzânia, Quênia, Portugal, Catar, Istambul e Adis Abeba, a maioria dos voos estrangeiros vem da África do Sul.

A South African Airways (SAA) e a transportadora de bandeira moçambicana Linhas Aéreas de Moçambique (LAM) operam vários voos diários de Joanesburgo para Maputo.

A Federal Air tem voos directos diários para o Aeroporto Internacional de Vilanculos em Moçambique (http://www.fedair.com/mozambique-vilanculos-scheduled-flights). Estas, assim como outras operadoras como a Airlink. Qatar Airways, Turkish Airlines, Ethiopian Airlines, Malawi Airlines, Kenya Airways e TAP Portugal são algumas das companhias aéreas mais conhecidas do mundo.

Durante a semana, a South African Airlink (SAA) e a LAM operam vários voos para Pemba, no norte, de Joanesburgo, Dar es Salaam e Nairobi. Se reservar um bilhete com a LAM por telefone e não pagar até ao check-in, deverá reconfirmar o voo 72 horas antes da partida ou o mesmo será cancelado.

Deverá obter um carimbo fiscal no cartão de embarque após o check-in. Os voos internos estão sujeitos a uma taxa de 200 Mts, enquanto os voos internacionais estão sujeitos a uma taxa de 500 Mts, que deve ser paga em dinheiro.

Embarque - De trem

Existem três linhas ferroviárias no país: uma liga Nampula e Cuamba perto da fronteira com o Malawi; outro liga Maputo e Chicualacuala perto da fronteira com o Zimbabué; e a terceira liga Maputo e Pretória. Como resultado, Maputo é uma estação crucial na linha ferroviária Tanzânia-África do Sul.

Do Malawi

Nampula e Cuamba estão ligados por este caminho-de-ferro (perto da fronteira com o Malawi). O trem, que transporta pessoas na primeira, segunda e terceira classe, costuma estar lotado.

O comboio parte de Nampula por volta das 5-6 da manhã, no entanto deve chegar cedo para comprar bilhetes na bilheteira da estação. Espere longas filas, já que a região está densamente cheia de pessoas a caminho do Malawi. Uma vez a bordo, a viagem é longa e lenta mas eficiente, chegando a Cuamba a meio da tarde. Apenas os comboios de mercadorias utilizam esta secção da rota, por isso os chapas levam-no até à fronteira (Entre Lagos). Mesmo os viajantes africanos mais experientes provavelmente acharão este trecho da estrada muito difícil e anteciparão que isso levará muito tempo.

Os procedimentos de fronteira estão situados dentro do edifício da estação depois de chegar a Entre Lagos (fácil de encontrar, pois a cidade é uma típica pequena cidade fronteiriça). Por se tratar de uma travessia pouco utilizada, o procedimento pode levar algum tempo. É aproximadamente uma caminhada de 1 km até o lado Malawi da fronteira a partir daqui. AVISO: A fronteira com o Malawi fecha antes da fronteira com Moçambique, no entanto, há um hotel no caso de você ficar preso. A rota mais rápida para Liwonde é de trem; se você falar docemente com os guardas, eles podem deixar você compartilhar a cabine deles.

Entrar - De carro

Para entrar em Moçambique de automóvel, necessita dos documentos de matrícula originais e, se o veículo não for seu, de uma carta do proprietário a autorizar a sua entrada. Todos os carros estrangeiros devem ter seguro de responsabilidade civil, que pode ser adquirido por R150 em várias passagens de fronteira, bem como pagar o imposto rodoviário, que agora é de R26.50 Mts.

Da África do Sul

  • Joanesburgo (Lebombo / Ressano Garcia) (N4 em direção a Nelspruit, siga até chegar à fronteira logo após Komatipoort). Aberto das 6h às 7h (ocasionalmente aberto 24 horas durante os períodos de maior movimento). Siga a EN4 por mais 100 quilómetros do lado moçambicano para chegar a Maputo. Duas estações de portagem estão localizadas na EN4 após a fronteira, em direcção à fronteira, e podem ser pagas em USD, EUR, ZAR ou MZN. Mts são usados ​​para fornecer a mudança.
  • Parque Kruger (Parque Transfronteiriço do Grande Limpopo) (Entre no Kruger Park a partir do portão Phalaborwa e siga as indicações para 95 km até o posto de fronteira de Giriyondo.). Aberto das 08:00 às 15:00 de abril a setembro e das 08:00 às 16:00 de outubro a março. Apenas veículos 4WD devem ser usados. Ser-lhe-á cobrada uma taxa de conservação para entrar no Parque Nacional do Limpopo quando entrar em Moçambique, que agora é de 200Mts/R67/USD10 por pessoa e veículo. A menos que você saia do Parque Nacional do Limpopo, você precisará de um seguro de terceiros, que pode ser adquirido no portão de saída do parque em Massingir.
  • Baía de Kosi (Siga a R22 da Baía de Kosi até a fronteira de Moçambique (sinalizada como Ponta d'Ouro) e, em seguida, pegue a estrada da direita ao sair da fronteira e mantenha-se à esquerda até a Ponta d'Ouro). Aberto das 7h30 às 5h30. Apenas veículos 4WD devem ser usados. Devido à utilização de estradas sazonais de terra batida para além da fronteira, recomenda-se um percurso GPS fornecido por alguém que tenha feito a viagem recentemente. A única forma de chegar a Maputo é apanhar o barco R45 da Catembe.

Da Suazilândia

  • Mhlumeni. Aberto das 7h às 6h. Na maioria das vezes, está vazio, tornando-se uma das mais tranquilas e simples de todas as fronteiras de Moçambique para atravessar. A obtenção de visto e seguro contra terceiros nesta fronteira pode ser difícil, portanto, planeje com antecedência. Se for de Joanesburgo em um fim de semana ou durante feriados na África do Sul, transitar pela Suazilândia até esta fronteira economizará pelo menos uma hora em comparação com a utilização de Ressano Garcia.
  • Namaacha. Aberto das 7h às 8h. O mais movimentado dos dois postos fronteiriços Suazilândia/Moçambique, especialmente durante fins de semana e feriados.

Embarque - De ônibus

Do Malawi

O Malawi tem várias passagens de fronteira para dentro e fora do país. Zóbuè é de longe o mais simples e mais comumente usado. A estrada está em ótima forma. As Chapas circulam diariamente entre Tete e a fronteira, onde deve caminhar cerca de 300 metros para obter o transporte do Malawi. Esta travessia também é utilizada diariamente através de autocarros de Chimoio e Beira.

Uma passagem de fronteira ao norte, em Dedza, pode ser mais conveniente para Lilongwe, embora o transporte público em ambos os lados possa ser inconsistente.

Milange e Mandimba são os dois cruzamentos que permitem sair/entrar no Malawi pelo leste. Milange está localizado no canto sudeste do Malawi, e para chegar lá é preciso pegar um dos ônibus diários que operam entre Mocuba e Milange. É uma caminhada de dois quilômetros de Milange até a fronteira, depois outra caminhada de um quilômetro para onde o transporte do Malawi parte.

Mandimba está localizado mais ao norte e é usado principalmente para ir para o Malawi a partir de Lichinga. Vários carros circulam entre Lichinga e Mandimba todos os dias, e depois são mais 7 quilómetros até à fronteira. Pegar carona é simples, ou você pode pegar um táxi de bicicleta por cerca de US$ 1.

Você também pode atravessar o lago de barco.

Da África do Sul

De Joanesburgo a Maputo, apanhe o Intercape Mainliner, +27 861 287 287. Esses ônibus operam regularmente nos dois sentidos, um de manhã e outro à noite, e são seguros e baratos. Greyhound e Translux são mais duas companhias aéreas. Se pretende obter um visto na fronteira, deve comprar apenas um bilhete que o leve até à fronteira; os operadores de autocarros não o deixarão embarcar com bilhete para Maputo se não tiver visto. Se você perguntar ao condutor do ônibus, ele ou ela o ajudará a obter um visto na fronteira, permitindo que você pule a longa espera no lado de Moçambique. Embarque novamente no ônibus e pague o preço para Maputo a bordo depois de passar pela imigração, ou pegue um táxi de microônibus para Maputo a partir da fronteira.

Há conexões de ônibus de e para Durban três vezes por semana (via Big Bend, Suazilândia). Há também um serviço para Maputo de Nelspruit e Komatipoort.

Das 4h às 12h, há “táxis” baratos de e para todos os locais da África do Sul.

Da Suazilândia

Por volta das 11 horas, as Chapas partem de Manzini e Mbabane para Maputo via Goba. Eles chegam na Baixa (e podem deixá-lo em 24 de Julho), então tanto Fátima quanto Base estão a uma curta distância. R80 é a tarifa.

Da Tanzânia

O Rio Rovuma forma a fronteira entre Moçambique e a Tanzânia. Moçimboa da Praia está ligado a Palma e Namiranga, a estação fronteiriça de Moçambique, através de pick-ups diários. A estrada principal liga Moçimboa da Praia (do lado moçambicano), Palma (do lado moçambicano) e Mtwara (do lado tanzaniano). Devido ao mau estado das estradas em Moçambique e ao baixo volume de tráfego, aconselha-se que gaste dois dias para completar esta viagem.

Os elevadores viajam de Mtwara e Kilambo para o rio Rovuma para os visitantes que chegam da Tanzânia. Kilambo é uma pequena cidade com apenas uma estrada, então encontrar um elevador deve ser simples. Mtwara, por outro lado, é consideravelmente maior, então pergunte aos moradores de onde e quando partem os teleféricos. Se vier de Moçambique, a sua viagem até ao rio provavelmente começará em Palma ou, se tiver sorte, Moçimboa da Praia, e terminará no posto fronteiriço de Namiranga. Normalmente, ele espera que seu passaporte seja carimbado no posto de fronteira (uma cabana de barro em Namiranga).

Durante a época das chuvas, o seu teleférico irá muito provavelmente para as margens do Rovuma. Durante a estação seca, irá levá-lo até ao fim da estrada, onde poderá caminhar até ao rio Rovuma entre 1 e 2 quilómetros (dependendo do nível da água nesse dia). Atualmente, há um serviço de balsa inconsistente que atravessa o rio. Normalmente, canoas ou lanchas de madeira um pouco maiores são usadas para atravessar o rio. A viagem pelo rio não deve custar mais de US$ 8, mas você precisará de xelins da Tanzânia para pagar. Se você não tiver nenhum, há muitas pessoas que lhe darão taxas de câmbio “generosas” para seus dólares e meticais suados.

Se os níveis de água estiverem baixos no lado da Tanzânia, você pode ter que caminhar para chegar e sair do seu barco, portanto, ter uma bolsa impermeável resistente é uma boa ideia, mas não obrigatória. No lado da Tanzânia, muitas vezes você será abordado por pessoas que oferecem transporte. O batedor de carteiras é prevalente em ambos os lados do rio, portanto, tenha cuidado ao procurar transporte para as cidades vizinhas. Uma abordagem inteligente para evitar problemas é fazer amizade com um local na viagem de barco; você descobrirá que a maioria de seus companheiros de viagem está ansiosa para ajudá-lo de alguma maneira. Depois disso, você será transportado para Kilambo, estação fronteiriça da Tanzânia, e depois para Mtwara, capital do sul da Tanzânia. Vá ao “Russell's Place” (também conhecido como Cashew Camp) em Pemba para mais informações e notícias atualizadas sobre esta travessia.

Existem outras rotas para a Tanzânia, mas todas envolvem longas caminhadas. Descubra o que está acontecendo na área, perguntando ao redor.

Da Zâmbia

Cassacatiza, a noroeste de Tete, é o principal ponto de passagem. Esta borda está em excelente forma, embora raramente seja usada. Entre Tete e Matema operam chapas diariamente, embora o transporte público seja intermitente. Viajar de Moçambique para a Zâmbia é melhor feito através do Malawi.

Do Zimbábue

Existem dois cruzamentos: Nyamapanda (oeste de Tete) e Machipanda (leste de Tete) (oeste de Chimoio). Devido à sua posição no final do Corredor da Beira, Machipanda é particularmente movimentada.

Embarque - De barco

Tanzânia

Pode ser viável alugar um dhow da Tanzânia para Moçambique fora da estação das monções, mas isso seria muito caro. Os portos tanzanianos de Mikindani, Mtwara e Msimbati estão todos a pouca distância de Moçambique e serão as melhores opções para o transporte de dhow. Do lado de Moçambique, os portos de Moçimboa da Praia e Palma são os melhores locais para encontrar um dhow para a Tanzânia.

Malaui

O MV Ilala viaja através do Lago Malawi de Monkey Bay para Likoma Island através de Chilumba, Nkhata Bay e Nkhata Bay. É uma viagem de barco de 3 km da Ilha Likoma até Cobue, fronteira com Moçambique.

A travessia do Lago Niassa (Lago Malawi) é viável, mas os visitantes estrangeiros devem entrar legalmente através de um posto fronteiriço e ter a documentação adequada (vistos, etc., dependendo da nacionalidade). O transporte local precisaria ser providenciado uma vez em Moçambique.

Pegar a balsa de Ilala é uma oportunidade única na vida. É de tirar o fôlego dormir no convés superior deste barco da segunda guerra mundial e ver o amanhecer sobre as colinas ondulantes das costas de Moçambique e Malawi. A embarcação pode ser embarcada em qualquer um dos portos de chegada.

Se quiser continuar a sua viagem para o Malawi, deverá embarcar no barco em Metangula.

Como viajar em Moçambique

Como se locomover - por estrada

De Maputo para cima, a EN1 atravessa todo o território nacional, mantendo-se habitualmente junto à costa. As estradas estão geralmente em más condições em todo o país, especialmente quando comparadas com a África do Sul, embora o troço da EN1 entre Maputo e Inchope esteja em bom estado, com exceção dos 120 km a norte de Vilankulo, que ainda está em mau estado e representa um sério desafio para qualquer motorista em um veículo de baixa folga. A EN6 está em excelente estado entre a passagem fronteiriça de Machipanda com o Zimbabué e o Inchope, mas deteriora-se significativamente entre o Inchope e a Beira, tornando-se por vezes quase intransitável. Além disso, ao norte de Vilankulo, os postos de gasolina são raros; os veículos podem ter de percorrer 150 quilómetros entre estações de serviço, pelo que abastecer sempre que possível.

Como se locomover - De Chapas e ônibus

Em Moçambique, os autocarros e chapas partem cedo – às 4 da manhã não é incomum, especialmente quando se vai para norte. Chapas são autocarros pequenos e médios, embora camiões pick-up e camiões de carga muitas vezes ofereçam viagens pelo mesmo preço de um chapa. Os ônibus públicos e privados fazem as mesmas rotas que Chapas, embora parem com muito mais frequência, tornando-os inadequados para qualquer coisa, exceto viagens curtas.

Os próprios chapas geralmente estão em péssimas condições, especialmente em viagens mais curtas. Assentos, portas e interiores provavelmente se desfarão. No entanto, o governo moçambicano tem controlado as tarifas nas principais rotas desde 2007/2008, tornando as viagens de chapa em Moçambique muito acessíveis. Nas cidades maiores, isso se traduz em sinais de destino e preço nas estações chapa (por exemplo, Junta em Maputo). Estes preços não cairão, não importa o quanto você negocie, embora muitos ambiciosos condutores/navegadores/seguranças de chapa tentem extorqui-lo se você perguntar qual é o preço. Se você não tiver certeza, pergunte ao seu hotel, a um local, ou simplesmente entregue-lhes uma conta grande; eles normalmente assumem que você sabe o preço certo e lhe dão o troco necessário.

Existem chapas registados pelo governo e chapas não registados desde o início de 2011. Leve sempre os chapas do governo, embora ambos sejam perigosos e causem muitos acidentes todos os anos. Os ônibus grandes podem ser identificados como estes. Como esses ônibus são mais novos, são um pouco mais seguros. Eles são um pouco mais caros (no momento em que isso foi escrito, eles custavam 10 mets por viagem e os não registrados eram 5). Os chapas não registrados, por outro lado, são muito perigosos e congestionados, e devem ser evitados a todo custo.

Como se locomover - de táxi

Os táxis, que antes estavam disponíveis exclusivamente em Maputo, agora são predominantes em vários lugares em todo o país. Eles não têm medidores, então você terá que pechinchar o preço antes de sair. Os táxis geralmente estão em condições perigosas (de pneus carecas a alguém sentado no banco do passageiro com uma lata de gasolina de plástico com a linha de combustível do carro entrando nele), e avarias devem ser esperadas. Você nunca deve pagar por sua viagem até chegar ao seu destino. Nunca pegue um táxi sozinho, principalmente um descoberto na beira da estrada, se você for mulher. Se for preciso, peça o número de um taxista confiável que possa vir buscá-lo em menos de meia hora, dependendo da distância. No entanto, sempre adicione dez minutos ou mais ao tempo que eles estimam que levaria para buscá-lo.

Por cada viagem ao centro da cidade de Maputo, há um custo fixo de 200Mts. Viagens mais longas (por exemplo, à Junta) podem custar até 400Mts. Muitas vezes vão tentar cobrar-te a mais no início da manhã, aumentando o preço para 400Mts, uma vez que normalmente há poucos táxis disponíveis a esta hora.

Chapas também podem ser contratados como táxis, mas geralmente são mais caros e menos confortáveis.

Como se locomover - de avião

Se você puder pagar, os voos domésticos são o método mais rápido e lógico de viajar pelo país. Linhas Aéreas de Moçambique voa entre as principais cidades. Uma programação completa de voos domésticos pode ser baixada como um arquivo pdf em [www]. Os voos em si são a bordo de aeronaves muito contemporâneas, limpas e bem conservadas, que contrastam fortemente com os outros meios de transporte do país. No entanto, a partir de junho de 2015, todas as companhias aéreas do país, incluindo a LAM, foram colocadas no Lista de segurança aérea da UE e estão, portanto, proibidos de voar no espaço aéreo europeu.

A LAM tem um sistema de reservas desatualizado no qual pode reservar um voo por telefone e pagar à chegada. Se você utilizar este serviço, certifique-se de confirmar seu voo com 72 horas de antecedência, caso contrário sua reserva será cancelada.

Em alternativa, todos os escritórios da LAM nas cidades e aeroportos de todo o país podem reservar e pagar voos. Devido ao alto grau de corrupção em todas as empresas estatais, incluindo a LAM, não é recomendável pagar com cartão de crédito.

Como se locomover - de trem

Os comboios não são muito úteis, dado que existe apenas um e vai de Nampula a Cuamba, perto da fronteira com o Malawi, no extremo norte do país. Para obter informações adicionais, consulte a seção de entrada acima.

Muitas seções da antiga ferrovia costeira que percorre toda a extensão do país foram limpas de minas, mas, dadas as despesas e o grau de corrupção no país, qualquer serviço ferroviário com cobertura adequada levaria décadas para vir.

Destinos em Moçambique

Regiões de Moçambique

Moçambique tem dez províncias que estão divididas em três regiões:

  • Norte de Moçambique
    Províncias de Cabo Delgado, Nampula e Niassa.
  • Moçambique Central
    Províncias de Manica, Sofala, Tete e Zambézia.
  • Sul de Moçambique
    Gaza, Inhambane Vilankulo e Parque Nacional Marinho do Bazaruto e províncias de Maputo.

Cidades de Moçambique

  • Maputo – Maputo é a metrópole florescente do país no extremo sul do país.
  • Beira – Beira é uma movimentada cidade portuária e sede da Província de Sofala.
  • Ilha de Moçambique – A antiga capital de Moçambique, a Ilha de Moçambique, é Património Mundial da UNESCO.
  • Inhambane – Inhambane é uma bela cidade medieval em uma baía.
  • Nampula – Nampula é uma cidade industrial do norte e capital da Província de Nampula.
  • Pemba – Pemba é uma das estâncias de férias preferidas dos moçambicanos, mas o seu afastamento manteve-a fora do roteiro turístico da maioria dos turistas ocidentais.

Outros destinos em Moçambique

  • Arquipélago do Bazaruto – O Arquipélago do Bazaruto é um magnífico resort insular e parque marinho subaquático com excelente mergulho que atende a turistas de alto nível.
  • Barragem de Cahora Bassa – Uma barragem hidroeléctrica no rio Zambeze que criou o segundo maior lago artificial de África.
  • Parque Nacional da Gorongosa
  • Ponta d'Ouro – Ponta d'Ouro é um local de mergulho fantástico que é mais facilmente acessível a partir da África do Sul do que Maputo.
  • Arquipélago das Quirimbas e Parque Nacional das Quirimbas – no norte do país, uma bela e tranquila estância de férias fora do comum com densa vegetação africana na península e praias de areia branca/mar azul crustal no arquipélago e na costa. Pemba é a única maneira de chegar lá.
  • Praia do Tofo – A Praia do Tofo, a leste de Inhambane, é um paraíso para mochileiros com ótimo mergulho.
  • Vilanculos – Vilanculos, comumente conhecido como Vilankulo, é um local de férias popular. A entrada para o Arquipélago do Bazaruto, o maior Parque Marinho de África, com excelentes mergulhos e snorkeling, bem como pesca em alto mar.

Alojamento e hotéis em Moçambique

As opções de acomodação variam de pousadas de baixo custo e albergues para mochileiros a alguns dos hotéis resort mais caros da região.

Hotéis em Moçambique

Os hotéis em Moçambique geralmente não são classificados e, em particular, não foram reformados desde a independência do país. Em alguns casos, você pode gastar até US$ 50 por noite em um quarto de hotel que deve custar entre US$ 5 e US$ 10, dependendo das comodidades. No extremo oposto do espectro, Moçambique abriga alguns dos hotéis e resorts mais espetaculares (e caros) do mundo.

Pousadas para mochileiros em Moçambique

Alojamentos para mochileiros podem ser encontrados em Maputo, Praia do Tofo, Vilanculos, Chimoio e Pemba, todos atendendo ao visitante com orçamento limitado. Existem algumas alternativas para mochileiros em outros lugares do país, mas para um visitante com orçamento limitado, pousadas de trabalho temporário ou hotéis baratos são normalmente as únicas possibilidades.

Self-catering em Moçambique

Alojamentos para mochileiros podem ser encontrados em Maputo, Praia do Tofo, Vilanculos, Chimoio e Pemba, todos atendendo ao visitante com orçamento limitado. Existem algumas alternativas para mochileiros em outros lugares do país, mas para um visitante com orçamento limitado, pousadas de trabalho temporário ou hotéis baratos são normalmente as únicas possibilidades.

Camping e caravanismo em Moçambique

Acampamentos dedicados com segurança estão disponíveis em praticamente todas as cidades costeiras, e muitas vezes você pode acampar em regiões rurais com a permissão do chefe local (se você decidir usar esta opção, uma pequena oferta, como comida, bebida ou cigarros, pode ser muito útil).

Se viajar com uma caravana, tenha em atenção que muitas estradas em Moçambique degeneram em caminhos de areia que precisam de 4WD; é melhor manter-se nos locais populares ao longo da EN1.

O que ver em Moçambique

  • Ilha de Moçambique – O único Patrimônio Mundial da UNESCO em Moçambique é a Ilha de Moçambique, ou Ilha de Moçambique. A ilha é conhecida por sua arquitetura colonial, incluindo o que se acredita ser a estrutura europeia mais antiga do Hemisfério Sul, além de suas praias.
  • A cidade histórica de Inhambane.
  • Locais de guerra civil em todo o país, bem como o Museu da Revolução em Maputo, podem ser visitados para saber mais sobre eventos recentes na história do país.
  • Vida selvagem e natureza no Parque Nacional da Gorongosa.

Comida e Bebida em Moçambique

A colonização portuguesa da nação teve um efeito significativo na culinária local, resultando em algumas das culinárias mais distintas e fascinantes da África Austral. Em direção à costa, o marisco é utilizado até nas refeições mais básicas; no entanto, em terra, as perdizes à base de milho, que se espalham por toda a África, tornam-se um alimento básico, embora com um toque português.

  • piri-piri, também conhecido como o pimentão olho de pássaro africano, é um pimentão muito quente que é amplamente utilizado em molhos em todo o país.
  • Pãozinho , também conhecidos como pãezinhos portugueses, Prego (carne) no pu e bifana (porco). Um pão farinhento e semi-doce que geralmente é servido com carne no meio.
  • Matapa, um ensopado de marisco (amêijoa, caranguejo ou camarão) cozido com folhas de Casave que muitas vezes é comido com arroz. Este é um prato popular em Moçambique.
  • Camarão Nacional, são camarões moçambicanos marinados com uma mistura de Piri-Piri, alho, cebola, limão e vinagre.
  • Lagostim e outros frutos do mar. Estes são pescados na costa do país e muitas vezes são cozidos com uma marinada de piri-piri e comidos com arroz e matapa.
  • Kakana É um vegetal local de sabor amargo.

Toda a água da torneira em Moçambique deve ser considerada perigosa para beber; mesmo que não seja tóxico, normalmente contém sedimentos aos quais seu estômago não está acostumado. A maioria dos hotéis com temas ocidentais oferece água fresca ou vende água engarrafada.

A Cervejas de Moçambique, que é propriedade da SABMiller, tem quase o monopólio da produção de cerveja em Moçambique. As três marcas mais populares são 2M, Laurentina Clara e Manica. Outras cervejas indígenas africanas, como Castle e Windhoek, são facilmente acessíveis, mas, devido à excelente qualidade dos cervejeiros locais, não são tão populares quanto nas nações vizinhas.

Destilados fabricados localmente, como vodka e gin, estão amplamente disponíveis e com preços razoáveis ​​em todo o país. Cashu, uma bebida produzida a partir da casca da castanha de caju, é uma bebida popular local. Segundo os nativos, é muito benéfico para a libido do homem. Tem um sabor azedo.

Dinheiro e compras em Moçambique

A moeda de Moçambique é o novo Metical (Meticais Nova Família, MZN), plural meticais (Mts, pronunciado 'meta-caysh'), que é dividido em 100 centavos.

Em 2006, três zeros foram retirados da moeda. Até o final de dezembro de 2012, o dinheiro antigo pode ser trocado nos bancos. As pessoas ainda usarão o dinheiro antigo de vez em quando, então se você pedir “1 milhão”, eles geralmente significam mil novos meticais.

Deve-se notar que muitas lojas em áreas turísticas são de propriedade de sul-africanos, e os preços são frequentemente indicados em Rand (para o qual a abreviatura usual é ZAR). Os preços neste guia também são fornecidos em Rand, quando apropriado.

Dólares americanos, rands sul-africanos, libras esterlinas e euros são prontamente conversíveis a taxas comerciais em qualquer banco ou câmbio. Outras moedas, como dólares canadenses ou australianos ou ienes japoneses, não são aceitas em nenhum lugar, incluindo bancos e bolsas oficiais.

Como as trocas comerciais oferecem a melhor taxa de mercado, há relativamente pouca troca de moeda no mercado negro. Os meticais não podem ser trocados fora de Moçambique, embora possam ser reconvertidos nas trocas antes de sair do país. Além disso, os meticais não podem ser adquiridos fora de Moçambique.

ATMs podem ser encontrados em todo o país; as marcas mais comuns são Standard Bank, Eco Bank e Millennium BIM. O Standard e o Eco Bank aceitam Visa e MasterCard, enquanto o Millennium aceita todos os cartões de crédito estrangeiros, incluindo os cartões Maestro e Cirrus. Os saques em caixas eletrônicos estão sujeitos a restrições de transação que variam de acordo com o banco. Os levantamentos do Millennium Bank estão limitados a 3,000 Mts, enquanto o Standard Bank e Eco Bank estão limitados a 10,000 Mts; você sempre pode inserir seu cartão novamente para sacar dinheiro adicional.

Tudo em Moçambique que não tem preço pode ser negociado até o preço que você julgar justo. Lembre-se de que, embora rir quando eles oferecem um preço maluco seja totalmente aceitável, você não deve ficar abertamente chateado ou agressivo; se o fizer, dificilmente obterá um preço justo. Se você não tiver certeza do que é um preço razoável, pergunte ao seu hotel.

Em Moçambique, ninguém, nem mesmo as pousadas de mochileiros, mudou. As notas de 1000Mzn e 500Mzn são muito difíceis de utilizar diariamente, portanto, converta-as em notas mais gerenciáveis ​​em qualquer banco. A única exceção a este regulamento são os condutores de chapa; se você ficar sem notas pequenas, pague sua taxa de 15Mzn com uma nota de 100Mzn.

Cultura de Moçambique

Identidade cultural

Moçambique era governado por Portugal, e os dois países compartilham uma língua primária (português) e uma religião primária (catolicismo romano). No entanto, como a maioria dos moçambicanos são bantos, a maior parte da cultura é indígena; entre os bantus residentes em áreas urbanas, há uma considerável influência portuguesa. A cultura moçambicana também tem impacto na cultura portuguesa. Cozinha moçambicana, música, cinema (pela RTP África) e costumes estão agora enraizados na cultura portuguesa.

Artes

Os Makonde são bem conhecidos por suas esculturas em madeira e máscaras ornamentadas (vistas acima), que são frequentemente utilizadas em danças tradicionais. Shetani (maus espíritos), que geralmente são esculpidos em ébano espesso e são altos e graciosamente curvados com símbolos e características não representativas; e ujamaa, que são esculturas tipo totem que retratam rostos realistas de pessoas e outras figuras. Por contarem as histórias de muitas gerações, essas esculturas são frequentemente chamadas de “árvores genealógicas”.

Durante os anos finais da era colonial, a arte moçambicana refletiu a opressão do poder colonial e tornou-se um símbolo de resistência. Após a independência do país em 1975, a arte contemporânea entrou em uma nova era. Malangatana Ngwenya, pintor, e Alberto Chissano, escultor, são dois dos mais conhecidos e importantes artistas moçambicanos modernos. Durante as décadas de 1980 e 1990, grande parte da arte pós-independência refletia conflitos políticos, guerra civil, miséria, fome e luta.

As danças de Moçambique são muitas vezes costumes complexos e altamente desenvolvidos. Existem muitos tipos distintos de danças de tribo para tribo, a maioria delas são de natureza cerimonial. Os Chopi, por exemplo, lutam vestidos com peles de animais. Os homens de Makua se vestem com fantasias e máscaras coloridas e dançam em andas por toda a cidade por horas. Para comemorar as festas islâmicas, grupos de mulheres do norte do país realizam uma dança tradicional conhecida como tufo.

Cozinha

Os portugueses tiveram uma influência significativa na cozinha de Moçambique devido à sua estada de quase 500 anos no país. Os portugueses introduziram alimentos básicos e culturas como a mandioca (uma raiz amilácea de origem brasileira), a castanha de caju (também de origem brasileira, mas Moçambique já foi o maior produtor dessas castanhas) e o pozinho (pãezinhos franceses à moda portuguesa). Os portugueses trouxeram especiarias e condimentos como folhas de louro, pimentões, coentro fresco, alho, cebola, colorau, pimentão vermelho e vinho, além de milho, painço, batata, arroz, sorgo (uma espécie de erva) e cana de açúcar. As comidas portuguesas populares no Moçambique moderno incluem espetada (kebab), inteiro com piripiri (frango inteiro em molho piri-piri), prego (rolo de bife), pudim (pudim) e rissóis (camarão empanado).

Mídia

O governo tem um forte impacto nos meios de comunicação em Moçambique.

Devido aos altos custos dos jornais e baixas taxas de alfabetização, os jornais têm taxas de circulação relativamente baixas.

Os diários controlados pelo Estado, como o Noticias e o Diário de Moçambique, bem como o semanário Domingo, estão entre as publicações mais amplamente distribuídas. A sua distribuição é principalmente limitada a Maputo. A maior parte da receita de financiamento e publicidade vai para publicações pró-governo. No entanto, o número de publicações privadas que publicam visões críticas do governo cresceu dramaticamente nos últimos anos.

Devido à sua facilidade de disponibilidade, os programas de rádio são o tipo de mídia mais influente no país.

As estações de rádio estatais têm uma audiência maior do que a mídia privada. Isto é ilustrado pela estação de rádio mais popular do país, a Rádio Moçambique, que é propriedade do governo. Foi fundada logo após a independência de Moçambique.

Os moçambicanos assistem à STV, TIM e TVM Televiso Moçambique na televisão. Os espectadores podem receber dezenas de redes adicionais africanas, asiáticas, brasileiras e europeias por cabo e satélite.

Música

A música de Moçambique tem várias funções, desde a expressão religiosa aos rituais tradicionais. Os instrumentos musicais são muitas vezes feitos à mão. Tambores feitos de madeira e pele de animal são empregados na expressão musical moçambicana, assim como o lupembe, instrumento de sopro feito de chifres de animais ou madeira, e a marimba, uma espécie de xilofone exclusivo de Moçambique e de outras regiões da África. A marimba é um instrumento favorito entre os Chopi do litoral centro-sul, que são conhecidos por sua habilidade musical e dança.

A música de Moçambique tem sido comparada ao reggae e ao calipso das Índias Ocidentais. Outros tipos de música são populares em Moçambique, como a marrabenta e outras formas de música lusófona como o fado, a bossa nova e o maxixe (com origens da kizomba, maxixe e samba).

Fique Seguro e Saudável em Moçambique

Fique Seguro em Moçambique

Os riscos são semelhantes aos de muitas outras nações africanas (e significativamente menores do que alguns, incluindo partes da África do Sul). Assaltos, roubos, estupros e assassinatos ocorrem, portanto, medidas padrão devem ser tomadas. As mulheres nunca devem ir sozinhas às praias; as agressões às mulheres aumentaram em locais turísticos nos últimos anos. É muito importante perguntar aos albergues locais e outros visitantes sobre lugares perigosos.

No entanto, em geral, o povo de Moçambique é muito caloroso e gentil, e você terá muito menos problemas do que em quase todos os países vizinhos.

Police

A polícia em Moçambique não está lá para ajudá-lo; eles estão lá para extrair dinheiro de você. Sob todas as circunstâncias, não coloque sua fé neles.

Com exceção de Maputo, onde a polícia é conhecida por roubar visitantes cegos e colocá-los em uma cela, é improvável que insistir em ser transportado para uma delegacia de polícia ajude sua posição. Em vez disso, sugira ligar para sua embaixada ou para a linha direta anticorrupção para confirmar uma multa e sempre obter um recibo.

Se você precisar ir à delegacia (por exemplo, para registrar uma ocorrência policial por motivos de seguro após um roubo), não traga objetos de valor ou grandes quantias em dinheiro com você e tente sempre ir com outra pessoa.

Limites de velocidade

Em Moçambique, o limite de velocidade é de 60km/h na cidade (salvo indicação em contrário pela sinalização rodoviária) e 100km/h fora. Na EN1 existem radares móveis que visam sobretudo os turistas internacionais.

Suborno

Ao lidar com policiais moçambicanos, nunca ofereça suborno; em vez disso, apenas ouça qualquer palestra que eles tenham a oferecer e pergunte: “O que podemos fazer sobre isso?” Se eles pedirem suborno, o preço é totalmente negociável e pode variar de uma garrafa de refrigerante (sem identificação) a várias centenas de dólares (infrações menores de drogas).

identificação

Você é obrigado por lei a levar sempre consigo algum tipo de documento de identificação e a mostrá-lo à polícia se eles pedirem. Como consequência, você deve sempre ter uma cópia autenticada da página da foto do seu passaporte, visto e carimbo de entrada com você. Assim que chegar ao país, pergunte ao seu hotel onde pode encontrar um notário ou ligue para a embaixada local. Existem dois em Maputo: um na Av. Lenine, próximo ao Mimmo's, e outro na Av. Armando Tivane (uma quadra a oeste da Av. Nyerere), entre a Av. Mao Tse-Tung e Av. 24 de julho. Eles não são fáceis de obter, então pergunte ao redor.

Se a polícia lhe pedir uma identificação e não tiver uma cópia autenticada, não entregue o seu passaporte; se o fizer, certamente lhe custará muito dinheiro para recuperá-lo; normalmente, apenas conversar um pouco com eles pode convencê-los a ir.

Minas terrestres

Embora a maior parte da nação tenha sido limpa, ainda existe um perigo nas regiões rurais distantes da EN1 nas províncias de Sofala, Tete, Manica, Gaza, Inhambane e Maputo. Deve-se enfatizar que apenas dois ou três casos envolvendo minas terrestres ocorrem a cada ano, e todos eles estão longe da rota turística.

Mantenha-se saudável em Moçambique

  • Profilaxia da malária é exigido em todas as áreas de Moçambique. A cloroquina/paludrina agora é tão inútil quanto em outras áreas do leste da África, e vale a pena consultar seu médico para obter proteção suficiente. Se você está no país e acha que tem malária, existem clínicas em todas as cidades que farão um teste por cerca de 50Mts; se tiver malária, o tratamento também custará 50Mts.
  • Tire todas as suas vacinas antes de chegar As instalações médicas de Moçambique estão geralmente bem abastecidas, mas é sempre uma boa ideia obter uma variedade de vacinas antes de ir. Prevenir é melhor do que remediar. Se você estiver viajando para regiões distantes, é uma boa ideia trazer algumas agulhas limpas ou um conjunto estéril com você, pois instituições médicas remotas podem ter dificuldade em obtê-las.
  • Cuidado com o que você come. Se você está preocupado com os padrões de limpeza em um restaurante, como é típico na maioria dos lugares do mundo, não jante lá.
  • Não faça sexo desprotegido. Há uma incidência de HIV extremamente alta, como em muitas áreas da África Subsaariana, com uma taxa atual de 12% (dados preliminares da Pesquisa Nacional de HIV, 2010)
  • Não beba água da torneira nem use gelo. Moçambique é consideravelmente mais desenvolvido ao sul do rio Zambeze, que divide a nação, particularmente em torno de Maputo, regiões turísticas como Inhambane e a metrópole industrial da Beira. Como a água da torneira é segura para consumo nesta região, particularmente em áreas construídas, a água é promovida como “água mineral” em vez de “água potável” e é vendida a um preço inflacionado como uma mercadoria de semi-luxo (às vezes por 50 ou 60 Meticais em pousadas e restaurantes para mochileiros). A infra-estrutura no norte do país é consideravelmente menos desenvolvida e, como resultado, recomenda-se cuidado, principalmente nas regiões rurais e na área ao redor de Palma e na fronteira com a Tanzânia. Nas principais cidades como Nampula e Pemba, bem como na Ilha de Moçambique, a água da torneira é geralmente segura para beber. Se você está sempre preocupado com a qualidade da água da torneira, as soluções de purificação de água (geralmente à base de cloro) são facilmente acessíveis e baratas, custando cerca de 40 centavos por uma garrafa grande – a marca mais comum é “Certeza”, que é amplamente disponível. Se você pretende se aventurar fora do caminho batido, você deve levar puri-tabs com você.
  • Clínicas particulares. Em Maputo, existem algumas unidades de saúde privadas que também organizarão o repatriamento em caso de emergência. Clinica da Sommerschield (tel: 21 493924) Clinica Suedoise (tel: 21 492922).
  • Chuveiros elétricos. Verifique o encaixe do chuveiro em qualquer alojamento. Popular é um tipo muito perigoso fabricado no Brasil, que inclui um aquecedor elétrico descoberto de 4kW. NÃO TOQUE NO ACESSÓRIO ENQUANTO ESTIVER EM USO, POIS É CONHECIDO QUE DÁ CHOQUE ELÉTRICO GRAVE. Melhor ainda, desligue a eletricidade (deve haver um disjuntor próximo) e tome um banho frio. Tenha o mesmo cuidado ao usar qualquer outro tipo de aquecedor de chuveiro elétrico.

Ásia

África

Austrália e Oceania

América do Sul

Europa

América do Norte

Leia Próximo

Maputo

Maputo, anteriormente conhecido como Lourenço Marques, é a capital e maior cidade de Moçambique. É conhecida como a Cidade das Acácias e a Pérola da...