Quarta-feira, novembro 16, 2022
Guia de viagem da Líbia - Travel S Helper

Líbia

guia de viagem

A Líbia é uma nação na área do Magrebe, no norte da África, limitada ao norte pelo Mar Mediterrâneo, a leste pelo Egito, a sudeste pelo Sudão, ao sul pelo Chade e Níger e a oeste pela Argélia e Tunísia. Tripolitânia, Fezzan e Cirenaica são as três regiões tradicionais da nação. A Líbia é o quarto maior país da África e o 16º maior país do mundo, com uma área de mais de 1.8 milhão de quilômetros quadrados (700,000 milhas quadradas). A Líbia tem a décima maior reserva comprovada de petróleo do mundo de qualquer país.

Trípoli, a principal cidade e capital da Líbia, está localizada no oeste da Líbia e abriga cerca de um milhão dos seis milhões de habitantes do país. Benghazi, localizada no leste da Líbia, é a outra grande cidade.

Os berberes estão na Líbia desde o final da Idade do Bronze. Os fenícios construíram estações comerciais no oeste da Líbia, enquanto os imigrantes gregos antigos fundaram cidades-estados no leste da Líbia. A Líbia foi governada por cartagineses, persas, egípcios e gregos antes de ingressar no Império Romano. A Líbia foi um centro cristão primitivo. Após a queda do Império Romano do Ocidente, os vândalos dominaram o território da Líbia até o século VII, quando as invasões trouxeram o islamismo e a colonização árabe. O Império Espanhol e os Cavaleiros de São João ocuparam Trípoli no século XVI, até que a autoridade otomana começou em 7. A Líbia participou das Guerras Bárbaras dos séculos XVIII e XIX. O Império Otomano governou a Líbia até que a conquista italiana culminou na breve colônia italiana da Líbia de 1551 a 18. Durante a Segunda Guerra Mundial, a Líbia desempenhou um papel essencial na Campanha do Norte da África. A população italiana então diminuiu. A Líbia conquistou a independência como monarquia em 19.

Em 1969, um golpe militar depôs o rei Idris I, inaugurando um período de profunda transformação social. Durante a Revolução Cultural da Líbia, a figura mais notável do golpe, Muammar Gaddafi, conseguiu centralizar totalmente o poder em suas próprias mãos, permanecendo no poder até a Guerra Civil da Líbia de 2011, na qual os rebeldes foram apoiados pela OTAN. A Líbia está em um estado instável desde então. A União Europeia está participando de um esforço para desmantelar as redes de tráfico de pessoas que exploram migrantes que fogem da violência africana para a Europa.

Pelo menos dois partidos políticos afirmam constituir o governo da Líbia. O Conselho dos Deputados é reconhecido mundialmente como o governo legal, mas não tem território em Trípoli e se reúne em Tobruk, Cirenaica. Enquanto isso, o Congresso Nacional Geral de 2014 afirma ser a continuação legal do Congresso Nacional Geral, que foi eleito na eleição do Congresso Nacional Geral da Líbia em 2012 e dissolvido após as eleições de junho de 2014, mas posteriormente reconvocado por uma minoria de seus membros. Em novembro de 2014, a Suprema Corte de Trípoli, controlada pela Líbia Dawn e pelo Congresso Nacional Geral, declarou ilegal o governo de Tobruk, mas o governo reconhecido internacionalmente rejeitou a sentença por medo de violência.

Partes da Líbia não estão sob a jurisdição de nenhum dos governos, com diferentes milícias islâmicas, rebeldes e tribais administrando várias cidades e distritos. As Nações Unidas estão facilitando as negociações de paz entre grupos estacionados em Tobruk e Trípoli. Em 17 de dezembro de 2015, foi firmado um acordo para estabelecer um governo temporário unido. O acordo prevê a formação de um Conselho de Presidência de nove membros e um Governo de Acordo Nacional temporário de dezessete membros, com o objetivo de realizar novas eleições em dois anos. Em 5 de abril de 2016, os líderes da nova administração, conhecida como Governo do Acordo Nacional (GNA), chegaram a Trípoli. O GNC, uma das duas administrações concorrentes, já se desfez para apoiar o novo GNA.

Voos e hotéis
pesquise e compare

Comparamos preços de quartos de 120 serviços de reserva de hotéis diferentes (incluindo Booking.com, Agoda, Hotel.com e outros), permitindo que você escolha as ofertas mais acessíveis que nem sequer estão listadas em cada serviço separadamente.

100% Melhor Preço

O preço de um mesmo quarto pode variar dependendo do site que você está usando. A comparação de preços permite encontrar a melhor oferta. Além disso, às vezes o mesmo quarto pode ter um status de disponibilidade diferente em outro sistema.

Sem cobrança e sem taxas

Não cobramos comissões ou taxas extras de nossos clientes e cooperamos apenas com empresas comprovadas e confiáveis.

Classificações e Comentários

Usamos o TrustYou™, o sistema de análise semântica inteligente, para coletar avaliações de muitos serviços de reserva (incluindo Booking.com, Agoda, Hotel.com e outros) e calcular as classificações com base em todas as avaliações disponíveis online.

Descontos e ofertas

Procuramos destinos através de uma grande base de dados de serviços de reservas. Desta forma, encontramos os melhores descontos e os oferecemos a você.

Líbia - Cartão de Informações

população

7,054,493

Moeda

Dinar da Líbia (LYD)

fuso horário

UTC + 2 (EET)

Área

1,759,541 km2 (679,363 sq mi)

Código de chamada

+218

Língua oficial

Arabe

Líbia - Introdução

Clima

Existem até cinco zonas climáticas distintas na Líbia, embora as influências do Mediterrâneo e do Saara sejam as mais prevalentes. O clima é mediterrâneo em grande parte da planície costeira, com verões quentes e invernos moderados. As chuvas são escassas. A temperatura nas terras altas é mais fria, e as geadas podem ser vistas nas altitudes mais altas. Os verões no interior do deserto são muito quentes, com variações de temperatura diurnas significativas.

Geografia

A Líbia é o 17º maior país do mundo, com 1,759,540 quilômetros quadrados (679,362 milhas quadradas). A Líbia faz fronteira com o Mar Mediterrâneo ao norte, Tunísia e Argélia a oeste, Níger a sudoeste, Chade ao sul, Sudão a sudeste e Egito a leste. A Líbia está localizada entre 19° e 34° de latitude norte e 9° e 26° de longitude leste.

A costa da Líbia, com 1,770 quilômetros (1,100 milhas), é a mais longa de qualquer nação africana que faz fronteira com o Mediterrâneo. O Mar da Líbia refere-se à área do Mar Mediterrâneo ao norte da Líbia. O ambiente é principalmente desértico e muito seco. As áreas do norte, por outro lado, têm um clima mediterrâneo mais temperado.

O siroco, que é quente, seco e empoeirado, é um perigo natural (conhecido na Líbia como gibli). Na primavera e no outono, esta é uma brisa do sul que sopra por um a quatro dias. Tempestades de poeira e tempestades de areia também são comuns. Os mais significativos são Ghadames e Kufra, que estão espalhados por toda a Líbia. Devido à existência de um ambiente desértico, a Líbia é uma das nações mais ensolaradas e secas do planeta.

Demografia

A Líbia é uma nação vasta com uma população minúscula, com a maioria das pessoas localizadas ao redor da costa. Nas duas áreas do norte da Tripolitânia e Cirenaica, a densidade populacional é de cerca de 50 pessoas por km2 (130 pessoas por milha quadrada), enquanto em outros lugares é menos de uma pessoa por km2 (2.6 pessoas por milha quadrada). 90% da população vive em menos de 10% da área, principalmente perto da costa. Cerca de 88 por cento da população vive em cidades, com as três maiores cidades, Trípoli, Benghazi e Misrata, representando a maioria da população. A Líbia tem uma população de 6.5 milhões de pessoas, com 27.7% delas com menos de 15 anos. A população da cidade era de 3.6 milhões em 1984, contra 1.54 milhão em 1964.

A Líbia é o lar de cerca de 140 tribos e clãs. Para as famílias líbias, a vida familiar é essencial, já que a maioria delas vive em blocos de apartamentos e outras unidades habitacionais independentes, com certos tipos de moradia baseados em sua renda e riqueza. Apesar de suas vidas nômades anteriores em tendas, os árabes líbios agora se estabeleceram em uma variedade de vilas e cidades. Como resultado, seus modos de vida tradicionais estão desaparecendo progressivamente. Um número desconhecido de líbios continua a viver no deserto, como seus antepassados ​​fizeram por gerações. A maioria da população trabalha na indústria e serviços, com a agricultura representando uma proporção menor da população.

Em janeiro de 2013, o ACNUR informou que havia cerca de 8,000 refugiados registrados, 5,500 refugiados não registrados e 7,000 requerentes de asilo de diferentes origens na Líbia. Além disso, 47,000 cidadãos líbios foram deslocados internamente, com 46,570 retornando para suas casas.

Trabalho imigrante

Segundo a ONU, os migrantes estrangeiros representavam cerca de 12% da população da Líbia (cerca de 740,000 pessoas) em 2013. As estimativas oficiais e não oficiais de trabalho migrante antes da revolução de 2011 variam de 25% a 40% da população (entre 1.5 e 2.4 Milhões de pessoas).

O número total de imigrantes na Líbia é difícil de determinar, pois as estatísticas do censo, as contagens oficiais e as estimativas não oficiais geralmente mais precisas variam frequentemente. A Líbia tem aproximadamente 359,540 estrangeiros vivendo lá em 2006, de uma população de cerca de 5.5 milhões (6.35 por cento da população). Os egípcios compunham quase metade dos imigrantes, seguidos por sudaneses e palestinos. Segundo a OIM, 768,362 imigrantes deixaram a Líbia após a revolução de 2011, representando aproximadamente 13% da população na época, mas muitos mais permaneceram no país.

Se os dados consulares de antes da revolução forem utilizados para estimar a população imigrante, a embaixada egípcia em Trípoli relatou até 2 milhões de migrantes egípcios em 2009, seguidos por 87,200 tunisianos e 68,200 marroquinos. Antes da revolução, havia cerca de 100,000 imigrantes asiáticos (60,000 bengaleses, 18,000 indianos, 10,000 paquistaneses, 8000 filipinos, bem como chineses, coreanos, vietnamitas, tailandeses e outros trabalhadores). Isso coloca a população imigrante em quase 40% antes da revolução, o que está mais de acordo com os números oficiais de 2004, que colocaram o número de migrantes regulares e ilegais em 1.35 a 1.8 milhão (25 a 33% da população na época). .

A partir de 2014, a população nativa da Líbia de árabes e berberes, bem como migrantes árabes de diferentes nacionalidades, representavam 97% da população do país. Bangladesh, gregos, indianos, italianos, malteses, turcos e ucranianos, entre outras etnias, compõem os 3% restantes da população.

Demografia local e grupos étnicos

Os antigos habitantes da Líbia eram principalmente grupos étnicos berberes; no entanto, uma longa sequência de invasões estrangeiras, especialmente de árabes e turcos, teve um impacto significativo e duradouro na demografia do país. Além das etnias turcas e berberes, a maior parte dos líbios são árabes, principalmente do clã Banu Sulaym. A minoria turca, conhecida como “Kouloughlis”, vive principalmente em vilarejos e cidades. Existem também certas minorias étnicas na Líbia, como os tuaregues de língua berbere e os tebou.

Após a independência da Líbia italiana em 1947, a maioria dos colonos italianos partiu. Após a ascensão de Muammar Gaddafi em 1970, mais pessoas foram devolvidas.

Religião

Na Líbia, os muçulmanos representam cerca de 97% da população, sendo a maioria pertencente ao ramo sunita. Há também alguns muçulmanos ibadis, sufis e ahmadis no país.

O Movimento Senussi foi o principal movimento islâmico da Líbia antes da década de 1930. Este foi um ressurgimento religioso amigo do deserto. Senussi zawaaya (lojas) foram encontrados em toda a Tripolitânia e Fezzan, embora Cirenaica fosse o epicentro da influência de Senussi. O movimento Senussi proporcionou ao povo tribal cirenaico uma conexão religiosa, bem como sentimentos de solidariedade e propósito, resgatando a área da turbulência e do caos. Essa organização islâmica, que acabou sendo esmagada tanto pela invasão italiana quanto pelo regime de Kadafi, era extremamente conservadora e distinta do islamismo que existe agora na Líbia. Gaddafi alegou ser um muçulmano devoto e que seu governo estava patrocinando organizações islâmicas e fazendo proselitismo pelo Islã em todo o mundo.

Elementos islâmicos ultraconservadores se reafirmaram em áreas após a morte de Gaddafi. Em 2014, militantes afiliados ao Estado Islâmico do Iraque e do Levante assumiram o controle de Derna, no leste da Líbia, que anteriormente era um centro da ideologia jihadista. Como consequência da Segunda Guerra Civil Líbia, grupos jihadistas se expandiram para Sirte e Benghazi, entre outros lugares.

Existem algumas pequenas comunidades cristãs em outros países. A Igreja Cristã do Egito, ou Cristianismo Ortodoxo Copta, é a maior e historicamente mais significativa denominação cristã da Líbia. Na Líbia, existem aproximadamente 60,000 coptas egípcios. Coptas egípcios vivem na Líbia. Na Líbia, existem três igrejas coptas: uma em Trípoli, outra em Benghazi e ainda outra em Misurata.

Devido à crescente imigração de coptas egípcios para a Líbia, a Igreja Copta na Líbia se expandiu nos últimos anos. Devido ao fato de que todos os cristãos na Líbia são imigrantes que entraram no país com vistos de trabalho. Dois bispos, um em Trípoli (abrangendo a população italiana) e outro em Benghazi, atendem cerca de 40,000 católicos romanos na Líbia (servindo a comunidade maltesa). Em Trípoli, há uma pequena comunidade anglicana, composta principalmente por trabalhadores imigrantes africanos, que faz parte da Diocese Anglicana do Egito. O proselitismo é proibido, por isso as pessoas foram presas sob suspeita de serem missionários cristãos. Em certas áreas do país, os cristãos também foram ameaçados por islamistas radicais, com um vídeo bem divulgado produzido pelo Estado Islâmico do Iraque e do Levante em fevereiro de 2015 mostrando a execução em massa de cristãos coptas.

A Líbia foi anteriormente o lar de uma das primeiras comunidades judaicas do mundo, remontando pelo menos a 300 aC. As autoridades fascistas italianas estabeleceram campos de trabalho forçado para judeus ao sul de Trípoli em 1942, incluindo Giado (aproximadamente 3,000 judeus), Gharyan, Jeren e Tigrinna. Aproximadamente 500 judeus morreram em Giado devido à exaustão, fome e doença. Em 1942, judeus que não estavam em campos de concentração tiveram suas atividades econômicas severamente limitadas, e todos os homens de 18 a 45 anos foram recrutados para trabalhos forçados. Judeus da Tripolitânia foram presos em um campo de concentração em Sidi Azaz em agosto de 1942. Nos três anos após novembro de 1945, uma série de pogroms resultou na morte de mais de 140 judeus e ferimentos de outras centenas. Em 1948, havia apenas aproximadamente 38,000 judeus restantes no país. A maioria da população judaica da Líbia fugiu após a independência do país em 1951.

Língua

A língua oficial é o árabe padrão, embora o árabe líbio seja a língua nativa. É essencial lembrar que as línguas árabe e chinesa são mutuamente incompreensíveis, mas como os líbios estudam o árabe padrão na escola, os árabes internacionais devem ser capazes de se comunicar. Por causa do acesso à televisão italiana, o inglês é amplamente compreendido, principalmente entre os jovens moradores de Trípoli. As pessoas mais velhas são mais propensas a falar italiano como resultado do passado colonial italiano da Líbia e, mesmo entre os mais jovens, o italiano é a segunda língua estrangeira mais falada depois do inglês. O italiano influencia o árabe líbio, como mostram palavras como “semaforo” (semáforo) e “benzina” (gasolina).

Em muitas cidades pequenas, são faladas outras línguas, como o berbere e o touareg. Os falantes multilíngues de tais idiomas frequentemente poderão se comunicar em árabe líbio, bem como em árabe padrão.

Internet e comunicações

Devido às hostilidades da guerra civil, várias embaixadas estrangeiras na Líbia permanecem fechadas ou têm serviços consulares extremamente limitados; outros foram danificados ou fechados e ainda não reabriram; e a questão do reconhecimento diplomático durante o governo de transição permanece obscura.

Tropas rebeldes invadiram e roubaram a embaixada venezuelana em Trípoli, e outras embaixadas, principalmente a missão do Reino Unido, também foram destruídas. Muitas áreas da Líbia estão agora sob o governo de fato do Conselho Nacional de Transição (NTC), enquanto outras não têm administração ou estão fazendo acordos improvisados. Alguns países concederam ao CNT o mesmo grau de reconhecimento que o governo de um estado-nação; outros reconheceram o estado da Líbia e aceitaram o representante do CNT desse estado; e ainda outros consentiram em participar de conversas com o CNT. Alguns países se recusaram a reconhecer o CNT, preferindo manter laços diplomáticos com a Jamahiriya Árabe da Líbia ou suspender as relações diplomáticas enquanto aguardam o estabelecimento de um governo interino líbio.

Países como Austrália, Canadá, Alemanha, Holanda e Reino Unido nunca reconhecem governos e apenas reconhecem nações, portanto, para tornar sua posição menos confusa, eles aceitaram enviados diplomáticos do CNT para substituir o pessoal diplomático anterior. O representante titular do governo da Jamahiriya Árabe da Líbia ainda é reconhecido pela nação anfitriã em algumas missões estrangeiras da Líbia e na ONU, mas agora representa a nação líbia em transição, fornecendo reconhecimento formal ou quase formal do CNT como uma administração provisória . Se você precisar ir à Líbia, certifique-se de conhecer o status da missão estrangeira da Líbia com a qual está trabalhando e certifique-se de que qualquer papelada necessária seja aceitável para viajar para a Líbia, entrada na nação e qualquer viagem futura para a área de Líbia que você deseja visitar.

Se você precisar de ajuda dos funcionários consulares do seu país, poderá encontrá-los em um país que faz fronteira com a Líbia ou em um país vinculado se for cidadão de um país da UE.

Embaixadas, outras embaixadas estrangeiras e escritórios temporários estão situados em Trípoli; Benghazi tem alguma presença adicional.

Deserto da Líbia

O deserto da Líbia, que abrange a maior parte da Líbia, é uma das regiões mais secas e ensolaradas do mundo. As chuvas podem não cair por décadas em certas áreas, e mesmo nas terras altas, as chuvas ocorrem apenas uma vez a cada 5 a 10 anos. A precipitação mais recente em Uweinat, a partir de 2006, foi em setembro de 1998.

Da mesma forma, a temperatura no deserto da Líbia pode ser severa; em 13 de setembro de 1922, a aldeia de 'Aziziya, a sudoeste de Trípoli, relatou uma temperatura do ar de 58 graus Celsius (136.4 graus Fahrenheit), o que é considerado um recorde mundial. A Organização Meteorológica Global, no entanto, derrubou o recorde mundial anterior de 58 graus Celsius em setembro de 2012.

A água pode ser descoberta escavando a uma profundidade de alguns pés em alguns pequenos oásis desertos dispersos, que normalmente estão conectados às depressões maiores. O grupo Kufra, que inclui Tazerbo, Rebianae e Kufra, é uma coleção amplamente espalhada de oásis em depressões rasas interconectadas no oeste. Uma série de planaltos e maciços no centro do deserto da Líbia, ao longo da confluência das fronteiras egípcio-sudanês-líbio, são as únicas exceções à planicidade geral.

Os maciços de Arkenu, Uweinat e Kissu estão um pouco mais ao sul. Estas montanhas de granito datam muito mais longe do que os arenitos que as cercam. Os complexos de anéis Arkenu e Western Uweinat são notavelmente semelhantes aos encontrados nas Montanhas Ar. O leste de Uweinat (o ponto mais alto do deserto da Líbia) é um planalto de arenito elevado próximo à seção de granito mais a oeste.

Ao norte de Uweinat, a planície é cravejada de estruturas vulcânicas degradadas. Com a descoberta de petróleo na década de 1950, um enorme aquífero sob a maior parte da Líbia foi descoberto. A água deste aquífero é anterior à última era glacial e ao deserto do Saara. As formações de Arkenu, que anteriormente se acreditava representarem duas crateras de impacto, também estão localizadas nesta região.

Requisitos de entrada para a Líbia

Restrições de visto

entrada será recusado aos cidadãos de Israel e àqueles que apresentam carimbos e/ou vistos de Israel.

Visto e Passaporte

Todas as nações, com exceção da Argélia, Egito, Jordânia, Mauritânia, Marrocos, Síria, Tunísia e Turquia, precisam de passaportes e vistos para entrar na Líbia. Aqueles com passaportes que listam Israel como destino terão a entrada negada.

Os regulamentos de imigração da Líbia mudam com frequência e sem aviso prévio. Uma tradução juramentada em árabe da página de dados biológicos do seu passaporte é necessária para obter um visto e entrar no país, de acordo com o Departamento de Estado dos EUA. As autoridades líbias não precisam mais de uma tradução em árabe da página de identificação a partir de dezembro de 2010.

A atribuição de representação diplomática fora da Líbia foi um pouco confusa como resultado da turbulência na Líbia em 2011. Se a documentação de viagem para visitar a Líbia deve ser obtida através de uma Embaixada ou Consulado da Líbia, é importante prestar muita atenção ao status atual da a missão estrangeira e seus funcionários designados.

Embora seja novamente permitido aos americanos irem para a Líbia, a obtenção de vistos para residentes nos EUA continua sendo um desafio. Os pedidos de visto estão sendo aceitos na Embaixada da Líbia em Washington, DC, mas você precisará de uma carta de convite de um patrocinador líbio que solicitará a você na Líbia. A menos que o requerente faça parte de uma excursão ou se inscreva em nome de um operador turístico líbio, os vistos de turista geralmente são negados em todas as embaixadas. Se você é americano, entre em contato com a Embaixada da Líbia em Washington, DC para mais informações. [www] Um visitante precisará de US$ 400 (no mínimo) em moeda conversível, de acordo com a Embaixada da Líbia em Washington, DC, EUA, com as seguintes exceções:

  1. Turistas que chegam em grupo como parte de um pacote organizado por agências de viagens e turismo, organizações ou empresas que cobrem seus custos de vida enquanto estão lá.
  2. Aqueles que estão em missões oficiais e têm visto de entrada
  3. Aqueles que têm visto de estudante com o governo líbio cobrindo seus custos.
  4. Aqueles que desejam se juntar a um residente líbio com a condição de que este pague uma bolsa para pagar as despesas de hospedagem, assistência médica e outras necessidades do hóspede.

Como viajar para a Líbia

De avião

O Aeroporto Internacional Roberts (IATA: ROB) (também conhecido como Aeroporto Internacional Roberts ou RIA) está situado em Robertsfield, a cerca de 60 quilômetros do centro da cidade.

A Delta Air Lines voa dos Estados Unidos. Este voo parte direto de Atlanta. A Ethiopian Airlines tem uma escala em Adis Abeba. A Royal Air Maroc voa de Casablanca para Londres.

Aos domingos, segundas, quartas e sextas-feiras, a Brussels Airlines oferece voos. A Air France voa de Paris para Conacri às terças e sextas-feiras. Você pode fazer o check-in nas instalações do centro da cidade no dia do seu voo. O check-in no aeroporto é mais difícil e demorado.

Era uma vez notória a viagem do aeroporto à cidade. Com o retorno da paz e da ordem, a situação melhorou consideravelmente. A UNMIL agora protegeu completamente e tornou a estrada segura.

De helicóptero

Embora os voos de helicóptero sejam de longe o meio de transporte mais conveniente, eles estão disponíveis apenas para funcionários da ONU. Durante a estação chuvosa, o mau tempo obriga os helicópteros a retornar, principalmente de Voinjama.

Acomodações e hotéis na Líbia

Há uma variedade de hospedagens acessíveis nas grandes cidades, desde hotéis modestos até instalações de quatro estrelas. Como resultado, os preços diferem.

Há quatro hotéis de padrão internacional em Trípoli: Radisson Blu, Al Waddan e Rixos Al Nasr são novos (inaugurados em 2009/2010) e oferecem excelentes acomodações e serviços, enquanto o antigo Corinthia Hotel está localizado ao lado do antigo cidade e oferece excelentes acomodações e serviços (The Medina ou “Al Souq Al Qadeem”). Bab-Al-Bahr, Al-Kabir e El-Mahari são alguns dos outros hotéis. Vários hotéis menores se desenvolveram em toda a cidade, como o Zumit Hotel em Bab-Al-Bahr, que é um hotel antigo e bem restaurado adjacente ao Antigo Arco Romano.

O Manara Hotel, um estabelecimento de quatro estrelas bem conservado em Jabal Akhdir, a leste de Benghazi, está localizado perto das antigas ruínas gregas do Porto Appolonia.

Embora pareça estar diminuindo à medida que mais turistas chegam a cada ano, os líbios têm uma longa história de receber visitantes em suas casas e oferecer hospitalidade a eles. Em cidades e vilarejos menores, isso é especialmente verdadeiro.

O hotel Marhaba, no bairro de Dhahra, em Trípoli, é um dos muitos hotéis excelentes próximos à igreja.

O que ver na Líbia

Trípoli, a vibrante capital da Líbia, é um lugar maravilhoso para começar a conhecer a nação, pois ainda tem sua antiga medina murada para visitar, bem como o fascinante Museu do Castelo Vermelho, que contém exposições sobre muitos aspectos da história da região. Apesar de seu crescimento como atração turística, esta ainda é uma cidade distintamente norte-africana, com uma variedade de mesquitas magníficas e fontes e esculturas espetaculares para lembrar os visitantes de sua importância histórica no Império Otomano.

Leptis Magna ('árabe: ), antigamente uma grande cidade romana, está localizada a 130 quilômetros da capital. Seus restos podem ser vistos em Al Khums, perto da foz do Wadi Lebda, à beira-mar. A localização é uma das mais belas e imaculadas ruínas romanas do Mediterrâneo. Cirene, uma colônia histórica estabelecida em 630 aC como um assentamento de gregos da ilha grega de Theraand, é outra atração imperdível. No reinado de Sula (c. 85 aC), era uma cidade romana, e hoje é um sítio arqueológico entre as aldeias de Shahhat e Albayda.

O amplo Saara oferece algumas experiências naturais incríveis, incluindo oásis perfeitos como Ubari. Ghadames, um Patrimônio Mundial da Unesco, era originalmente uma cidade comercial fenícia, e as ruínas de seu antigo teatro, igreja e templos ainda são destinos turísticos populares hoje. As Montanhas Acacus, uma cordilheira desértica com dunas de areia e ravinas dramáticas, proporcionam um cenário de tirar o fôlego. A região também foi designada como Patrimônio Mundial da Unesco devido às muitas pinturas rupestres de animais e da humanidade descobertas aqui.

Comida e bebida na Líbia

Comida na Líbia

É incrível como é difícil localizar um restaurante líbio genuíno em Trípoli. A maioria dos restaurantes oferece comida ocidental, com alguns restaurantes marroquinos e libaneses em boa medida. Há também muitos excelentes restaurantes turcos, bem como alguns dos melhores cafés e sorvetes fora da Itália. Se você tiver a sorte de ser convidado para um jantar ou casamento líbio, você deve experimentar algumas das deliciosas iguarias líbias (esteja preparado para ser superalimentado!). O restaurante de frutos do mar no souq é um ponto de encontro popular para a população local expatriada. Um delicioso cuscuz de frutos do mar pode ser consumido pelo equivalente a alguns dólares americanos. A lula recheada é uma especialidade local.

Também é recomendado o Al-Saraya: a comida é boa, mas a localização, localizada na Praça dos Mártires, é atraente (nome Gaddafi: Praça Verde). Al-Morgan, na Rua 1 de Setembro e perto da Mesquita de Argel, é outro excelente restaurante de marisco. Excelente cozinha, entretenimento ao vivo e um ambiente rústico esperam por você no restaurante Al-Sakhra na Gargaresh Road. Os grandes restaurantes de fast-food são uma nova adição à paisagem de Trípoli. Estas não são réplicas exatas de corporações globais, mas estão perto! Eles estão surgindo na região de Gargaresh Road, um importante distrito de varejo nos subúrbios ocidentais de Trípoli.

Experimente um dos melhores peixes locais, “werata”, na grelha ou assado com ervas e especiarias locais, e você não ficará desapontado.

Cozinha

A cozinha líbia é uma mistura viva de influências culinárias italianas, beduínas e árabes tradicionais. Na parte ocidental da Líbia, a massa é o principal, enquanto o arroz é o principal na parte oriental.

Várias variações de pratos de massa à base de molho vermelho (tomate) (semelhante ao prato italiano Sugo all'arrabbiata); arroz, geralmente servido com cordeiro ou frango (normalmente cozido, frito, grelhado ou cozido em molho); e cuscuz, que é cozido no vapor enquanto é mantido sobre molho vermelho (tomate) fervente e carne (às vezes também contendo abobrinhas/abobrinha e grão de bico).

Bazeen, uma refeição de farinha de cevada servida com molho de tomate vermelho, é tradicionalmente servida em comunidade, com muitas pessoas compartilhando o mesmo prato, que normalmente é feito à mão. Esta é uma refeição que é frequentemente servida durante casamentos ou celebrações tradicionais. Asida é uma variante doce de Bazeen que é assada com farinha branca e servida com uma mistura de mel, ghee ou manteiga. Esfregue (xarope de tâmaras frescas) com azeite de oliva é outro método popular para servir Asida. Usban é tripa de bicho de pelúcia com arroz e legumes e servido em um caldo à base de tomate ou cozido no vapor. Shurba é uma sopa à base de tomate vermelho que normalmente é servida com pequenos grãos de macarrão.

Khubs bi'tun, literalmente “pão com atum”, é um lanche popular líbio que consiste em uma baguete assada ou pão pita recheado com atum que foi combinado com harissa (molho de pimenta) e azeite. Esses sanduíches são preparados por uma variedade de vendedores de lanches em toda a Líbia. Comida internacional está disponível em restaurantes líbios, bem como pratos mais tradicionais como cordeiro, aves, ensopado de legumes, batatas e macarrão. Muitas regiões subdesenvolvidas e pequenas cidades carecem de restaurantes devido a uma grave falta de infraestrutura, e os supermercados podem ser a única fonte de alimentos. O uso de álcool é proibido em todo o país.

A cozinha tradicional da Líbia consiste em quatro ingredientes principais: azeitonas (e azeite), tâmaras, cereais e leite. Pão, bolos, sopas e bazeen são todos feitos com grãos torrados, moídos e peneirados. As tâmaras são coletadas, secas e comidas cruas, em calda, ou fritas delicadamente e servidas com bsisa e leite. Os líbios costumam beber chá preto após as refeições. Isso geralmente é feito uma segunda vez (para o segundo copo de chá), e a terceira rodada de chá é servida com shay bi'l-luz (amendoim ou amêndoa torrado) (misturado com o chá no mesmo copo).

Bebidas na Líbia

Na Líbia, o chá é a bebida mais popular. Chá verde e “vermelho” são oferecidos em copos minúsculos em quase todos os lugares, normalmente adoçados. Às vezes, a hortelã é adicionada ao chá, principalmente após uma refeição.

O café turco costuma ser servido forte, em xícaras minúsculas, sem creme. Nas cidades maiores, a maioria das cafeterias possui máquinas de café expresso que podem criar café expresso, cappuccino e outras bebidas. A qualidade varia, então peça recomendações.

Embora o álcool seja legalmente proibido na Líbia, é facilmente acessível no mercado ilícito local (qualquer coisa, de uísque a cerveja e vinho). Deve ser lembrado que as consequências de fazer uma compra ilegal podem ser graves. Os viajantes devem sempre ter cuidado ao lidar com as leis locais, sensibilidades culturais e costumes.

Dinheiro e compras na Líbia

Em Trípoli e regiões adjacentes, os cartões ATM são amplamente utilizados, e a maioria das grandes empresas e vários cafés aceitam os principais cartões. Antes de sair das grandes cidades, verifique se o seu cartão funcionará, pois redes e caixas eletrônicos anteriores podem estar destruídos ou indisponíveis.

Cultura da Líbia

Os líbios se veem como membros de uma comunidade árabe maior. O fato de o árabe ser a única língua oficial do estado contribui para isso. O regime proibiu o ensino de línguas estrangeiras anteriormente ensinadas em instituições acadêmicas, bem como o uso da língua berbere, deixando gerações inteiras de líbios com pouca compreensão do inglês. Apesar do dialeto e da língua serem árabes, existem certos termos do período colonial italiano que ainda são comumente usados ​​hoje.

Os árabes líbios têm uma história mergulhada nas tradições das tribos beduínas e amazighi anteriormente nômades, e a maioria dos líbios se identificaria com um sobrenome específico derivado de ancestrais tribais ou baseados em conquistas, geralmente otomanos.

O estado da Líbia acabou de chegar ao top 20 no índice global de doações em 2013, refletindo a “natureza de doação” (árabe: Ihsan) entre o povo líbio, bem como o sentimento de hospitalidade. Segundo a CAF, quase três quartos (72%) de todos os líbios ajudaram alguém que não conheciam em um mês normal, a terceira maior taxa entre as 135 nações estudadas.

Devido a décadas de perseguição cultural durante o governo Kadafi e à falta de desenvolvimento de infraestrutura durante a ditadura, há poucos teatros ou galerias de arte. Por muitos anos, não havia teatros públicos e apenas alguns teatros de língua estrangeira. A cultura popular ainda está viva e bem na Líbia, com trupes apresentando música e dança em festivais nacionais e estrangeiros.

Análise política, questões islâmicas e fenômenos culturais são todos cobertos por um grande número de canais de televisão líbios. Vários canais de televisão transmitem música tradicional da Líbia em diferentes formas. Em Ghadames e arredores, a música e a dança tuaregues são bastante populares. A televisão líbia transmite principalmente programação em língua árabe, com períodos de tempo reservados para programação em inglês e francês. A mídia da Líbia era a mais regulada no mundo árabe durante a ditadura, de acordo com um relatório de 1996 do Comitê para a Proteção dos Jornalistas. Devido à queda da censura do regime anterior e ao surgimento da “mídia livre”, centenas de emissoras de TV começaram a transmitir a partir de 2012.

Muitos líbios visitam as praias e locais antigos do país, particularmente Leptis Magna, que é geralmente considerado um dos sítios arqueológicos romanos mais bem preservados do mundo. Embora muitas pessoas se desloquem de carro, o ônibus é o meio de transporte público mais popular entre as cidades. A Líbia atualmente carece de serviços ferroviários, embora se espere que sejam construídos em um futuro próximo.

Trípoli, capital da Líbia, abriga muitos museus e arquivos. A Biblioteca do Governo, o Museu Etnográfico, o Museu Arqueológico, o Arquivo Nacional, o Museu Epigrafia e o Museu Islâmico estão entre eles. O Museu do Castelo Vermelho, construído em colaboração com a UNESCO e situado perto da costa e bem no centro da capital, pode ser o mais famoso do país.

História da Líbia

Líbia Antiga

Desde 8000 aC, os povos neolíticos viviam na planície costeira da Líbia. No final da Idade do Bronze, os antepassados ​​afro-asiáticos do povo berbere teriam se expandido por toda a região. Os Garamantes, que estavam localizados na Germa, são o nome mais antigo registrado para tal tribo. Na Líbia, os fenícios foram os primeiros a estabelecer estações comerciais. No século 5 aC, Cartago, a mais poderosa das colônias fenícias, expandiu seu domínio sobre a maior parte do norte da África, gerando uma cultura separada conhecida como púnica.

Os gregos antigos invadiram o leste da Líbia por volta de 630 aC, estabelecendo a cidade de Cirene. Nos próximos 200 anos, a região que ficou conhecida como Cirenaica veria o estabelecimento de mais quatro grandes cidades gregas. O exército persa de Cambises II conquistou a Cirenaica em 525 aC e permaneceu sob controle persa ou egípcio pelos dois séculos seguintes. Quando Alexandre, o Grande, chegou à Cirenaica em 331 aC, foi recebido pelos gregos, e o leste da Líbia foi novamente governado pelos gregos, desta vez como parte do Reino Ptolomaico.

Os romanos não invadiram imediatamente a Tripolitânia (a área ao redor de Trípoli) quando Cartago caiu, deixando-a sob a autoridade dos monarcas númidas até que as cidades costeiras pedissem e recebessem sua proteção. Ptolomeu Ápion, o último rei grego, deixou a Cirenaica para Roma, que a conquistou em 74 aC e a fundiu com Creta como província romana. A Tripolitânia prosperou como parte da província de África Nova, e teve um período áureo nos séculos II e III, quando a cidade de Leptis Magna, sede da dinastia Severa, estava no auge.

No lado oriental, as primeiras comunidades cristãs da Cirenaica foram estabelecidas na época do imperador Cláudio, mas foi fortemente devastada durante a Guerra de Kitos e quase despovoada de gregos e judeus, e, apesar de ser repovoada por Trajano com colônias militares, a decadência começou desde então. A Líbia foi um dos primeiros países a se converter ao cristianismo niceno, e foi o lar do papa Victor I; no entanto, a Líbia também foi um ponto de acesso para as primeiras heresias como o arianismo e o donatismo.

A marcha devastadora dos vândalos pelo norte da África no século V acelerou o colapso do Império Romano, que viu as cidades clássicas caírem em ruínas. Quando o Império (agora conhecido como os romanos orientais) retornou no século VI como parte das reconquistas de Justiniano, foram feitas tentativas de fortificar as cidades antigas, mas foi apenas um suspiro final antes que elas caíssem no esquecimento. Durante a era vândala, Cirenaica, que permaneceu um posto avançado bizantino, assumiu as características de um campo armado. Para cobrir as despesas militares, os impopulares governantes bizantinos cobravam altos impostos, enquanto as cidades e os serviços básicos – incluindo o sistema de água – eram negligenciados. No início do século VII, a autoridade bizantina sobre a área havia enfraquecido, as rebeliões berberes se tornaram mais comuns e não havia nada para impedir a invasão muçulmana.

Líbia islâmica

O exército Rashidun capturou a Cirenaica sob a liderança de 'Amr ibn al-'As. Em 647, uma força liderada por Abdullah ibn Saad recuperou com sucesso Trípoli dos bizantinos. Uqba ibn Nafi conquistou o Fezzan em 663. As tribos berberes do interior abraçaram o Islã, mas se opuseram à autoridade governamental árabe.

A Líbia foi governada pelo califa omíada de Damasco nas próximas décadas, até que os abássidas derrotaram os omíadas em 750, e Bagdá assumiu o controle. A Líbia teve uma autonomia local significativa durante a Aghlabiddynasty quando o califa Harun al-Rashid designou Ibrahim ibn al-Aghlab como seu administrador de Ifriqiya em 800. Os fatímidas xiitas dominaram a Líbia Ocidental no final do século IX e, em 972, governaram toda a Líbia. área e nomeou Bologne ibn Ziri como governador.

A dinastia berbere Zirid de Ibn Ziri acabou se separando dos fatímidas xiitas e reconheceu os abássidas sunitas de Bagdá como califas legítimos. Em resposta, os fatímidas forçaram dezenas de milhares de beduínos árabes das tribos Banu Sulaym e ​​Banu Hilal a migrar para o norte da África. Este evento mudou para sempre o tecido do interior da Líbia, cimentando a arabização cultural e linguística da região.

No entanto, a autoridade zirida na Tripolitânia durou pouco, pois os berberes Banu Khazrun se rebelaram em 1001. A Tripolitânia permaneceu sob sua autoridade até 1146, quando os normandos da Sicília conquistaram a área. Abd al-Mu'min, o comandante almóada marroquino, não recuperou Trípoli do controle europeu até 1159. A Tripolitânia foi o local de muitos conflitos entre aiúbidas, monarcas almóadas e rebeldes Banu Ghaniya durante os 50 anos seguintes. Mais tarde, de 1207 a 1221, um comandante almóada, Muhammad ibn Abu Hafs, controlou a Líbia antes da formação de uma dinastia tunisiana Hafsid independente dos almóadas. Por quase 300 anos, os Hafsids controlaram a Tripolitânia. Os Hafsids estavam mais envolvidos na luta pelo poder entre a Espanha e o Império Otomano no século XVI.

Antes da invasão otomana em 1517, a Cirenaica era governada por reinos baseados no Egito, como os tulunidas, ikhshidids, aiúbidas e mamelucos. Após o reinado de Kanem, Fezzan conquistou a independência sob a dinastia Awlad Muhammad. Entre 1556 e 1577, os otomanos finalmente ocuparam Fezzan.

Tripolitânia otomana (1551–1911)

Em 1551, o almirante otomano Sinan Pasha assumiu o controle da Líbia após uma conquista vitoriosa de Trípoli pela Espanha dos Habsburgos em 1510 e sua rendição aos Cavaleiros de São João. Turgut Reis, seu sucessor, foi nomeado Bey de Trípoli e depois Paxá de Trípoli em 1556. Em 1565, um paxá escolhido diretamente pelo sultão em Constantinopla/Istambul tinha poder administrativo em Trípoli como regente. Embora a autoridade otomana estivesse ausente na Cirenaica, um bey estava estacionado em Benghazi no final do século seguinte para servir como agente do governo em Trípoli depois que os governantes de Fezzan prometeram sua lealdade ao sultão na década de 1580. Escravos da Europa e um número significativo de negros escravizados trazidos do Sudão também eram vistas comuns em Trípoli. Turgut Reis prendeu quase todos os habitantes da ilha maltesa de Gozo, um total de 6,300 pessoas, e os enviou para a Líbia em 1551.

Com o tempo, o corpo de janízaros do paxá passou a exercer autoridade real. Dey Sulayman Safar foi escolhido como chefe da administração quando os deys lançaram um golpe contra o paxá em 1611. Uma sucessão de deys controlou essencialmente a Tripolitânia pelos cem anos seguintes. Mehmed Saqizli (r. 1631–49) e Osman Saqizli (r. 1649–72) foram os dois Deys mais poderosos, ambos Paxás que controlaram a área com sucesso. Cirenaica também foi capturada por este último.

Devido à falta de direção da administração otomana, Trípoli caiu em um estado de caos militar, com golpe após golpe e poucos dias no poder por mais de um ano. O soldado turco Ahmed Karamanli lançou um desses golpes. De 1711 a 1835, os Karamanlis governaram principalmente na Tripolitânia, embora também tivessem poder na Cirenaica e Fezzan em meados do século XVIII. Os sucessores de Ahmad provaram ser menos competentes do que ele, mas os Karamanli foram capazes de tirar vantagem do frágil equilíbrio de poder da região. Aqueles foram os anos da guerra civil tripolitana, que durou de 1793 a 1795. Ali Benghul, um comandante turco, derrubou Hamet Karamanli em 1793 e restaurou temporariamente o controle otomano na Tripolitânia. Yusuf (r. 1795–1832), irmão de Hamet, restaurou a liberdade da Tripolitânia.

A guerra eclodiu entre os Estados Unidos e a Tripolitânia no início do século XIX, resultando em uma série de conflitos conhecidos como a Primeira Guerra Bárbara e a Segunda Guerra Bárbara. Em 1819, os numerosos tratados das Guerras Napoleônicas levaram as nações bárbaras a abandonar quase completamente a pirataria, e a economia da Tripolitânia começou a entrar em colapso. À medida que a saúde de Yusuf se deteriorou, surgiram rivalidades entre seus três filhos. A guerra civil eclodiu pouco depois.

A dinastia Karamanli e uma Tripolitânia autônoma foram ambas terminadas quando o sultão otomano Mahmud II trouxe soldados supostamente para restaurar a ordem. A ordem não foi restaurada rapidamente, e a rebelião líbia liderada por Abd-El-Gelil e Gûma ben Khalifa continuou até a morte deste último em 1858. Melhorias administrativas e melhor ordem na administração das três províncias da Líbia marcaram a segunda era de controle otomano direto. Entre 1850 e 1875, a autoridade otomana foi restabelecida em Fezzan para lucrar com o comércio do Saara.

Líbia italiana (1911-1943)

Após a Guerra Ítalo-Turca (1911-1912), a Itália transformou as três áreas em colônias ao mesmo tempo. A área da Líbia era conhecida como norte da África italiana de 1912 a 1927. Entre 1927 e 1934, a área foi dividida em duas colônias, Cirenaica italiana e Tripolitânia italiana, ambas governadas por governadores italianos. Cerca de 150,000 italianos se estabeleceram na Líbia, representando cerca de 20% de toda a população.

O termo “Líbia” (usado pelos gregos antigos para todo o norte da África, exceto o Egito) foi escolhido pela Itália como o nome oficial da colônia em 1934. (composta pelas três províncias da Cirenaica, Tripolitânia e Fezzan). Apesar de sua prisão e morte em 16 de setembro de 1931, Omar Mukhtar tornou-se um herói nacional como comandante da resistência contra o colonialismo italiano. Em homenagem ao seu patriotismo, sua imagem agora está estampada na nota de dez dinares da Líbia. Entre as duas guerras mundiais, o emir da Cirenaica Idris al-Mahdi as-Senussi (mais tarde rei Idris I) liderou a resistência líbia contra o controle italiano. Segundo Ilan Pappé, os militares italianos “mataram metade da população beduína (diretamente ou por doença e fome nos campos)” entre 1928 e 1932. Segundo Emilio Gentile, historiador italiano, a supressão da resistência resultou em 50,000 mortes.

A Itália juntou-se à Segunda Guerra Mundial em junho de 1940. A árdua Campanha do Norte da África, que culminou na derrota da Itália e de seus aliados alemães em 1943, foi encenada na Líbia.

A Líbia foi ocupada pelos Aliados de 1943 a 1951. As antigas províncias líbias italianas de Tripolitana e Cirenaica eram governadas pelas tropas britânicas, enquanto Fezzan era administrada pelos franceses. Idris voltou do exílio no Cairo em 1944, mas não retornou à Cirenaica permanentemente até 1947, quando certos elementos do domínio estrangeiro foram removidos. A Itália renunciou a todas as reivindicações à Líbia sob as disposições do acordo de paz de 1947 com os Aliados.

Independência, Reino, Gaddafi (1951–2011)

A Líbia proclamou a independência em 24 de dezembro de 1951, como Reino Unido da Líbia, uma monarquia constitucional e hereditária liderada pelo rei Idris, o único monarca da Líbia. A descoberta de reservas substanciais de petróleo em 1959, bem como as seguintes receitas de vendas de petróleo, permitiram que um dos países mais pobres do mundo se tornasse muito rico. Apesar do fato de que o petróleo ajudou significativamente as finanças do governo líbio, a raiva entre certos grupos cresceu à medida que as riquezas da nação estavam mais concentradas nas mãos do rei Idris.

A Revolução Al Fateh começou em 1º de setembro de 1969, quando um pequeno número de oficiais militares liderados por Muammar Gaddafi, um oficial do exército de 27 anos, lançou um golpe contra o rei Idris. Nos pronunciamentos do governo e na imprensa oficial da Líbia, Gaddafi foi referido como o “Irmão Líder e Guia da Revolução”.

A Líbia estabeleceu a “Grande Jamahiriya Árabe Popular Socialista da Líbia” em 2 de março de 1977. Gaddafi entregou a autoridade aos Comitês Gerais do Povo e afirmou ser nada mais do que uma figura simbólica a partir de então. A oposição ao novo sistema não era permitida. Gaddafi ordenou a morte de 1975 oficiais que participaram de um golpe militar fracassado em XNUMX, bem como a execução de muitos civis, na mesma época em que a Jamahiriya foi fundada. Embora o governo tenha se recusado a divulgar os resultados das eleições, o novo sistema de governo “jamahiriya” que ele criou foi publicamente chamado de “democracia direta”.

Durante o período Jamahiriya, a administração da Líbia foi fundada com base nas ideias de Gaddafi articuladas em seu livro de 1975, O Livro Verde. Problemas políticos foram debatidos em nível local em todo o país sob o sistema Jamahiriya, que foi convocado por um dos cerca de 2,000 “comitês populares” locais. Os comitês então encaminhariam seus votos a um comitê geral central composto por indivíduos eleitos, com os votos dos congressos locais influenciando as decisões nacionais.

A Líbia começou a enviar suprimentos militares para o Goukouni Oueddei do Chade e as Forças Armadas do Povo em fevereiro de 1977. Quando o apoio da Líbia às tropas rebeldes no norte do Chade se transformou em uma invasão, a guerra Chade-Líbia começou a sério. Mais tarde naquele ano, a Líbia e o Egito travaram uma batalha de fronteira de quatro dias que ficou conhecida como a Guerra Líbio-Egípcia, após a qual ambos os países concordaram com uma trégua por meio da mediação do presidente argelino Houari Boumediène. Centenas de líbios morreram na tentativa de Kadafi de resgatar seu amigo Idi Amin durante o conflito com a Tanzânia. Gaddafi financiou uma variedade de organizações diferentes, desde protestos antinucleares até sindicatos australianos.

Desde 1977, a renda per capita do país subiu para mais de US$ 11,000, a quinta mais alta da África, e seu Índice de Desenvolvimento Humano subiu para o mais alto da África, superando o da Arábia Saudita. Isso foi feito sem a necessidade de empréstimos estrangeiros, permitindo que a Líbia permanecesse livre de dívidas. O Grande Rio Manmade também foi construído para fornecer acesso irrestrito à água doce na maior parte do país. Também foi concedida assistência financeira para bolsas universitárias e programas de trabalho.

As receitas do petróleo da Líbia, que aumentaram na década de 1970, foram gastas principalmente na compra de armas e no patrocínio de centenas de paramilitares e organizações terroristas em todo o mundo. Em 1986, um ataque aéreo americano falhou em matar Gaddafi. Após o bombardeio de um avião comercial que matou centenas de pessoas, a Líbia foi finalmente sancionada pelas Nações Unidas.

O coronel Gaddafi recebeu o título de “Rei dos Monarcas da África” por uma reunião de mais de 200 reis africanos e governantes tradicionais que se reuniram em 27 de agosto de 2008 na cidade líbia de Benghazi. Os governantes tradicionais, de acordo com o Sheikh Abdilmajid da Tanzânia, têm mais poder na África do que seus próprios governos.

Guerra Civil de 2011

A Líbia testemunhou uma revolução em grande escala em 17 de fevereiro de 2011, depois que os movimentos da Primavera Árabe derrubaram os governos da Tunísia e do Egito. A turbulência se estendeu a Trípoli no dia 20 de fevereiro. O Conselho Nacional de Transição foi formado em 27 de fevereiro de 2011 para governar as regiões da Líbia sob controle rebelde. A França foi o primeiro país a reconhecer o conselho como a representação genuína do povo líbio em 10 de março de 2011.

As tropas pró-Gaddaffi conseguiram reverter militarmente os avanços rebeldes no oeste da Líbia, lançando uma contra-ofensiva pela costa em Benghazi, o epicentro de fato da revolta. A cidade de Zawiya, 48 quilômetros (30 milhas) ao sul de Trípoli, foi bombardeada por aviões da força aérea e tanques do exército antes de ser capturada pelas forças da Jamahiriya, que “executou um grau de crueldade raramente visto na guerra”.

O Conselho de Direitos Humanos da ONU, bem como o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, e o Conselho de Direitos Humanos da ONU, denunciaram a repressão como uma violação do direito internacional, com este último órgão expulsando a Líbia em um movimento extraordinário solicitado pela própria representação da Líbia. à ONU.

A Resolução 1973 foi aprovada pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas em 17 de março de 2011, com maioria de 10 votos a 0 e cinco abstenções, incluindo Rússia, China, Índia, Brasil e Alemanha. A resolução autorizou a criação de uma zona de exclusão aérea na Líbia e o uso de “todas as medidas necessárias” para proteger as pessoas. Em 19 de março, os parceiros da OTAN deram o primeiro passo para garantir a zona de exclusão aérea, destruindo as defesas aéreas da Líbia quando aeronaves militares francesas voaram para o espaço aéreo da Líbia em uma missão de reconhecimento antes de ataques a alvos inimigos.

As tropas americanas estiveram na vanguarda das operações da OTAN contra a Líbia nas semanas que se seguiram. Mais de 8,000 soldados americanos, incluindo navios de guerra e aviões, estavam estacionados na região. Em 14,202 missões de ataque, pelo menos 3,000 alvos foram atingidos, incluindo 716 em Trípoli e 492 em Brega. Os bombardeiros B-2 Stealth, cada um equipado com dezesseis bombas de 2000 libras, voaram e retornaram à sua base no Missouri, nos Estados Unidos continentais, como parte do ataque aéreo americano. A assistência aérea fornecida pela OTAN foi fundamental para o eventual triunfo da revolução.

Em 22 de agosto de 2011, as forças rebeldes tomaram a Praça Verde em Trípoli, renomeando-a para Praça dos Mártires em homenagem aos assassinados desde 17 de fevereiro de 2011. Em 20 de outubro de 2011, o último combate duro do levante chegou ao fim em Sirte, onde Gaddafi foi preso e assassinado. Em 23 de outubro de 2011, três dias após a queda de Sirte, as tropas leais foram derrotadas.

A guerra civil na Líbia custou a vida de pelo menos 30,000 líbios.

Era pós-Gaddafi

Desde a perda das tropas leais, a Líbia foi dividida por uma série de milícias armadas concorrentes ligadas a várias regiões, cidades e tribos, enquanto o governo central permaneceu fraco e incapaz de exercer controle sobre a nação. Em uma batalha política entre líderes islâmicos e seus oponentes, milícias concorrentes se posicionaram umas contra as outras. Os líbios realizaram suas primeiras eleições parlamentares após a queda do governo anterior em 7 de julho de 2012. O Conselho Nacional de Transição formalmente entregou a autoridade ao Congresso Nacional Público totalmente eleito em 8 de agosto de 2012. O Congresso Nacional Geral foi então encarregado de formar um administração interina e redigir uma nova Constituição líbia, que seria adotada em votação geral.

Atacantes organizados anônimos demoliram uma mesquita sufi com túmulos em plena luz do dia na capital da Líbia, Trípoli, em 25 de agosto de 2012, no que a Reuters chamou de “o ataque sectário mais descarado” desde o fim da guerra civil. Foi a segunda vez em dois dias que um santuário sufi foi profanado. Militantes islâmicos suspeitos cometeram muitos atos de vandalismo e danos ao patrimônio, como a demolição da Estátua da Gazela Nua. Outros incidentes de vandalismo bem conhecidos incluem a profanação e destruição de cemitérios britânicos da Segunda Guerra Mundial em Benghazi. Muitos casos adicionais de vandalismo patrimonial foram supostamente realizados por milícias extremistas afiliadas ao islamismo e por multidões que danificaram, saquearam ou saquearam vários monumentos históricos que ainda estão em risco hoje.

Em 11 de setembro de 2012, terroristas islâmicos realizaram um ataque surpresa ao consulado americano em Benghazi, matando J. Christopher Stevens, o embaixador dos EUA na Líbia, e três outros. Tanto nos Estados Unidos quanto na Líbia, o evento provocou indignação.

O primeiro-ministro eleito da Líbia, Mustafa AG Abushagur, foi deposto em 7 de outubro de 2012, depois de falhar pela segunda vez em obter aprovação parlamentar para um novo governo. Ali Zeidan, ex-membro do GNC e advogado de direitos humanos, foi escolhido primeiro-ministro designado pelo Congresso Nacional Geral em 14 de outubro de 2012. Depois que o GNC aceitou o gabinete de Zeidan, ele foi empossado. 11, depois de ser removido pelo GNC por não parar um carregamento de petróleo desonesto. Ele foi sucedido pelo primeiro-ministro Abdullah al-Thani. Em meio à crescente instabilidade, a al-administração Thani considerou brevemente a ideia de restaurar a monarquia líbia em 2014 de março de 25.

As eleições para o Conselho dos Deputados, um novo órgão legislativo destinado a suceder o Congresso Geral Nacional, foram realizadas em junho de 2014. As eleições foram marcadas por violência e baixa participação dos eleitores, com cabines de votação fechadas em algumas regiões. Secularistas e liberais tiveram um bom desempenho nas eleições, para grande desgosto dos legisladores islâmicos no GNC, que se reuniram novamente e proclamaram que o GNC teria um mandato contínuo, recusando-se a reconhecer o novo Conselho de Deputados. Trípoli foi tomada por partidários armados do Congresso Geral Nacional, forçando o parlamento recém-eleito a fugir para Tobruk.

Desde meados de 2014, a Líbia foi dilacerada por uma guerra entre parlamentos concorrentes. O vácuo de poder foi explorado por milícias tribais e organizações terroristas. Na bandeira do Estado Islâmico do Iraque e do Levante, militantes islâmicos radicais capturaram Derna em 2014 e Sirte em 2015. O Egito realizou ataques aéreos contra o Estado Islâmico em apoio ao governo de Tobruk no início de 2015.

As reuniões foram realizadas em janeiro de 2015 com o objetivo de alcançar um acordo pacífico entre as partes opostas da Líbia. As chamadas negociações Genebra-Ghadames pretendiam reunir o GNC e o governo Tobruk em uma mesa de negociações para resolver a crise interna. O GNC, por outro lado, nunca participou, indicando que as divisões internas impactaram não apenas o “Acampamento de Tobruk”, mas também o “Acampamento de Trípoli”. Enquanto isso, o terrorismo na Líbia vem aumentando gradualmente, impactando também as nações vizinhas. Dois terroristas treinados na Líbia teriam realizado o ataque terrorista ao Museu do Bardo em 18 de março de 2015.

As Nações Unidas patrocinaram uma série de conversações diplomáticas e negociações de paz em 2015, lideradas pelo Representante Especial do Secretário-Geral (SRSG), o diplomata espanhol Bernardino León. Além da Missão de Apoio da ONU nas operações regulares da Líbia, a ONU continuou a apoiar o processo de discussão liderado pelo SRSG (UNSMIL).

Em julho de 2015, o SRSG Leon informou o Conselho de Segurança da ONU sobre o andamento das negociações, que haviam acabado de chegar a um acordo político em 11 de julho que estabeleceu “uma estrutura abrangente… incluindo princípios orientadores… instituições e mecanismos de tomada de decisão guiar a transição até a adoção de uma constituição permanente”. “…desenhado para culminar no estabelecimento de um Estado moderno e democrático, fundado nos princípios de inclusão, estado de direito, separação de poderes e respeito aos direitos humanos”, de acordo com o objetivo declarado do processo. “O povo líbio falou claramente a favor da paz”, disse o SRSG, elogiando as partes por chegarem a um acordo. Em seguida, o SRSG informou ao Conselho de Segurança que “a Líbia está em um momento crítico”, disse ele, instando “todas as partes na Líbia a continuarem a se envolver construtivamente no processo de diálogo”, acrescentando que “uma resolução pacífica do conflito só pode ser alcançado através do diálogo e do compromisso político”. Na Líbia, uma transição pacífica só pode ser possível se for feito um grande e concertado esforço para auxiliar um futuro Governo de Acordo Nacional “.. Ao longo de meados de 2015, conversas, discussões e conversas ocorreram em diferentes Setembro em Skhirat, Marrocos.

Em 2015, o Conselho de Direitos Humanos da ONU solicitou um relatório sobre a situação da Líbia, e o Alto Comissário para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, estabeleceu um órgão de investigação (OIOL) para informar sobre direitos humanos e a reconstrução do sistema de justiça da Líbia como parte do apoio contínuo da comunidade internacional.

Fique seguro e saudável na Líbia

Fique seguro na Líbia

A situação de segurança da Líbia melhorou substancialmente. No entanto, recomenda-se cautela e certos lugares devem ser considerados fora dos limites para os visitantes. Ainda é recomendado evitar viagens não essenciais para a Líbia, principalmente fora de Trípoli. Como a homossexualidade é ilegal na Líbia, visitantes gays e lésbicas devem ter cautela e autoconsciência.

Na medida do possível, evite usar roupas verdes ou algo semelhante, pois esse tom evoca imagens do antigo governo, principalmente em Misurata.

Mantenha-se saudável na Líbia

Na Líbia, nem toda água engarrafada é segura. Informe-se sobre as marcas mais seguras do mercado. Quando você precisa comprar alguma coisa, geralmente pode obtê-lo de um país distante.

Ásia

África

Austrália e Oceania

América do Sul

Europa

América do Norte

Leia Próximo

Tripoli

Trípoli é a capital da Líbia, maior metrópole, principal porto e principal centro comercial e industrial. Trípoli está localizada no norte da Líbia, no Mar Mediterrâneo....