Sexta-feira, Maio 17, 2024
Guia de viagem da Bolívia - Travel S Helper

Bolívia

guia de viagem

A Bolívia é um país sem litoral no centro-oeste da América do Sul, formalmente conhecido como Estado Plurinacional da Bolívia. O Brasil faz fronteira ao norte e leste, Paraguai ao sudeste, Argentina ao sul, Chile ao sudoeste e Peru ao noroeste. Um terço do país é coberto pela cordilheira dos Andes, com El Alto, a maior cidade e centro econômico do país, situada no Altiplano. A Bolívia é uma das duas únicas nações sem litoral fora da Afro-Eurásia (a outra é o Paraguai). A Bolívia é a maior nação sem litoral das Américas.

A área andina da Bolívia fazia parte do Império Inca antes da invasão espanhola, mas as planícies do norte e do leste eram povoadas por tribos autônomas. No século 16, conquistadores espanhóis de Cuzco e Assunção ganharam o controle da área. A Bolívia foi governada pela Real Audiência de Charcas durante a era colonial espanhola. O império da Espanha foi fundado em grande parte sobre a prata extraída das minas da Bolívia.

Após a declaração inicial de independência em 1809, 16 anos de conflito se seguiram até a criação da República em 6 de agosto de 1825, nomeada para Simón Bolvar. A Bolívia passou por períodos de turbulência política e econômica desde a independência, incluindo a perda de muitas áreas periféricas para vizinhos, principalmente o Acre e partes do Gran Chaco. Desde que o Chile anexou seu território na costa do Pacífico após a Guerra do Pacífico (1879-84), ficou sem litoral, embora acordos com nações vizinhas tenham lhe dado acesso indireto aos mares Pacífico e Atlântico.

A população estimada de 11 milhões de pessoas é multiétnica, incluindo ameríndios, mestiços, europeus, asiáticos e africanos. A divisão de raças e classes socioeconômicas que resultaram da colonização espanhola persistiu até a época contemporânea. Embora o espanhol seja a língua oficial e principal, 36 línguas indígenas receberam status oficial, sendo as mais faladas o guarani, o aimará e o quíchua.

A Bolívia moderna é uma república constitucional composta por nove departamentos. Sua topografia varia desde as terras altas dos Andes, a oeste, até as terras baixas orientais, dentro da Bacia Amazônica, a leste. É uma nação em desenvolvimento, com uma pontuação média no Índice de Desenvolvimento Humano e uma taxa de pobreza de 53%. A agricultura, silvicultura, pesca e mineração são a principal atividade econômica, assim como a produção de produtos como têxteis, vestuário, metais refinados e petróleo refinado. A Bolívia é rica em minerais, particularmente em estanho.

Voos e hotéis
pesquise e compare

Comparamos preços de quartos de 120 serviços de reserva de hotéis diferentes (incluindo Booking.com, Agoda, Hotel.com e outros), permitindo que você escolha as ofertas mais acessíveis que nem sequer estão listadas em cada serviço separadamente.

100% Melhor Preço

O preço de um mesmo quarto pode variar dependendo do site que você está usando. A comparação de preços permite encontrar a melhor oferta. Além disso, às vezes o mesmo quarto pode ter um status de disponibilidade diferente em outro sistema.

Sem cobrança e sem taxas

Não cobramos comissões ou taxas extras de nossos clientes e cooperamos apenas com empresas comprovadas e confiáveis.

Classificações e Comentários

Usamos o TrustYou™, o sistema de análise semântica inteligente, para coletar avaliações de muitos serviços de reserva (incluindo Booking.com, Agoda, Hotel.com e outros) e calcular as classificações com base em todas as avaliações disponíveis online.

Descontos e ofertas

Procuramos destinos através de uma grande base de dados de serviços de reservas. Desta forma, encontramos os melhores descontos e os oferecemos a você.

Bolívia - Cartão de Informações

População

11,428,245

Moeda

Boliviano (BOB)

fuso horário

UTC-4 (BOT)

Área

1,098,581 km2 (424,164 sq mi)

Código de chamada

+591

Língua oficial

Espanhol, Quechua, Aymara

Bolívia | Introdução

Tempo e clima na Bolívia

O clima da Bolívia varia dramaticamente de uma ecorregião para outra, dos trópicos no leste llanos a um clima polar nos Andes ocidentais. Os verões são quentes e úmidos no leste e secos no oeste. A precipitação muitas vezes altera as temperaturas, umidade, ventos, pressão do ar e evaporação, resultando em climas muito diferentes em diferentes regiões. Quando o fenômeno climático conhecido como El Nino ocorre, causa grandes mudanças no clima. Os invernos são muito frios no oeste e neva nas regiões montanhosas, enquanto os dias de vento são mais frequentes nas regiões ocidentais. O outono é seco em regiões não tropicais.

  • Planícies. Um clima tropical úmido com uma temperatura média de 30°C (86°F). Ventos da floresta amazônica causam fortes chuvas. Em maio, há pouca chuva devido aos ventos secos e a maioria dos dias tem céu claro. No entanto, os ventos do sul, chamados suraz, pode trazer temperaturas mais baixas que duram vários dias.
  • Altiplano. Clima polar desértico, com ventos fortes e frios. A temperatura média fica entre 15 e 20°C. À noite, as temperaturas caem drasticamente para pouco mais de 0°C, enquanto durante o dia é seco e a radiação solar é alta. Geadas no solo ocorrem todos os meses e a neve é ​​comum.
  • Vales e Yungas. Clima temperado. Ventos úmidos do nordeste são levados para as montanhas, tornando esta região muito úmida e chuvosa. As temperaturas são mais baixas em altitudes mais elevadas. A neve ocorre em altitudes de 2,000 metros.
  • Chaco. Clima subtropical, semi-árido. Chuvoso e úmido em janeiro e no resto do ano, com dias quentes e noites frescas.

Geografia da Bolívia

A Bolívia está localizada na zona central da América do Sul, entre 57°26'-69°38'W e 9°38'-22°53'S. Com uma área de 1,098,581 quilômetros quadrados, a Bolívia é o 28º maior país do mundo e o quinto maior da América do Sul, estendendo-se desde os Andes centrais até parte do Gran Chaco para a Amazônia. centro geográfico do país é o chamado Puerto Estrela (“porto estrelado”) no Rio Grande, na província de Ñuflo de Chávez, departamento de Santa Cruz.

A geografia do país apresenta uma grande diversidade de terrenos e zonas climáticas. A Bolívia possui uma alta biodiversidade, considerada uma das mais altas do mundo, além de várias ecorregiões com subunidades ecológicas como a Altiplano, as florestas tropicais (incluindo a floresta amazônica), os vales secos e as Chiquitânia, que é uma savana tropical. Essas áreas apresentam grandes diferenças de altitude, desde uma altitude de 6,542 metros acima do nível do mar no Nevado Sajama até quase 70 metros ao longo do rio Paraguai. Embora o país seja geograficamente diversificado, a Bolívia permaneceu um país sem litoral desde a Guerra do Pacífico.

A Bolívia pode ser dividida em três regiões fisiográficas:

  • A região andina, no sudoeste, representa 28% do território nacional e abrange 307,603 quilômetros quadrados (118,766 milhas quadradas). Esta área fica acima de 3,000 metros (10,000 pés) e está situada entre duas grandes cordilheiras andinas, a Cordillera Ocidental (“Faixa Ocidental”) e o Cordilheira Central (“Cordilheira Central”), com alguns dos pontos mais altos das Américas, como Nevado Sajama a 6,542 metros (20,000 pés) e Illimani a 6,462 metros (20,000 pés). Também na Cordilheira Central está o Lago Titicaca, o lago comercialmente navegável mais alto do mundo e o maior lago da América do Sul; o lago é compartilhado com o Peru. Esta região inclui também a Altiplano e os votos de Salar de Uyuni, o maior lago salgado do mundo e uma importante fonte de lítio.
  • região sub-andina, localizada no centro e sul do país, é uma região intermediária entre o Altiplano e o leste llanos (planícies); esta região representa 13% do território boliviano e cobre 142,815 km2 (55,141 sq mi). Inclui os vales bolivianos e a região de Yungas. Caracteriza-se por suas atividades agrícolas e clima temperado.
  • região de Llanos, no nordeste, cobre 59% do território com 648,163 km2 (250,257 sq mi). Está localizado ao norte da Cordilheira Central e se estende desde o sopé dos Andes até o rio Paraguai. É uma região de terras planas e pequenos planaltos, todos cobertos por vastas florestas tropicais que abrigam uma enorme biodiversidade. A região fica a menos de 400 metros acima do nível do mar.

A Bolívia tem três bacias:

  • A primeira é a Bacia Amazônica, também conhecida como Bacia Norte (724,000 km2 (280,000 sq mi)/66% do território). Os rios desta bacia geralmente apresentam grandes meandros que formam lagos, como o Lago Murillo, no departamento de Pando. O afluente boliviano mais importante da bacia amazônica é o rio Mamoré, com 2,000 km de extensão, que flui para o norte até sua confluência com o rio Beni, com 1,113 km de extensão, o segundo rio mais importante do país. O rio Beni, juntamente com o rio Madeira, forma o principal afluente do Amazonas. De leste a oeste, a bacia é formada por outros rios importantes, como o rio Madre de Dios, o rio Orthon, o rio Abuna, o rio Yata e o rio Guaporé. Os lagos mais importantes são o Lago Rogaguado, o Lago Rogagua e o Lago Jara.
  • A segunda é a bacia do Rio da Prata, também conhecida como bacia do Sul (229,500 km2 (88,600 sq mi) / 21% do território). Os afluentes desta bacia são geralmente menos abundantes do que aqueles que compõem a bacia amazônica. A bacia do Rio da Prata é formada principalmente pelo rio Paraguai, o rio Pilcomayo e o rio Bermejo. Os lagos mais importantes são o Lago Uberaba e o Lago Mandioré, ambos localizados nos pântanos bolivianos.
  • A terceira bacia é a bacia central, que é uma bacia endoreica (145,081 quilômetros quadrados / 13% do território). O Altiplano tem um grande número de lagos e rios que não deságuam em nenhum oceano porque são cercados pela Cordilheira dos Andes. O rio mais importante é o Rio Desaguadero, com 436 km de extensão, o rio mais longo do Altiplano; tem sua fonte no Lago Titicaca e então flui para sudeste até o Lago Poopó. A bacia é então formada pelo Lago Titicaca, Lago Poopó, Rio Desaguadero e grandes salinas, incluindo o Salar de Uyuni e Lago Coipasa.

Conservação do abastecimento de água

O desmatamento nas bacias superiores dos rios levou a problemas ambientais, incluindo a erosão do solo e o declínio da qualidade da água. Um projeto inovador destinado a resolver esta situação envolve proprietários de terras em áreas a montante sendo pagos por usuários de água a jusante para manter as florestas. Os proprietários de terras receberão US$ 20 para preservar as árvores, evitar a poluição do gado e melhorar a biodiversidade e o carbono florestal em suas terras. Eles recebem US$ 30, que usam para comprar uma colméia para compensar a preservação de dois acres de floresta aquática por cinco anos. A renda do mel por hectare de floresta é de US$ 5 por ano. Em cinco anos, o proprietário da terra vendeu $ 50 em mel. O projeto é implementado pela Fundación Natura Bolivia e Rare Conservation, com apoio da Climate & Development Knowledge Network.

Geologia

A geologia da Bolívia inclui uma variedade de litologias e diferentes ambientes tectônicos e sedimentares. Na escala sinótica, as unidades geológicas coincidem com as unidades topográficas. Essencialmente, o país é dividido em uma zona montanhosa ocidental influenciada por processos de subducção do Pacífico e uma planície oriental com plataformas e escudos estáveis.

Biodiversidade

A Bolívia, com sua enorme diversidade de organismos e ecossistemas, é um dos “países megadiversos com ideias semelhantes”.

As diferentes altitudes da Bolívia, que variam de 90 a 6,542 metros acima do nível do mar, permitem grande diversidade biológica. O território da Bolívia inclui quatro tipos de biomas, 32 regiões ecológicas e 199 ecossistemas. Nesta área geográfica existem vários parques e reservas naturais, como o Parque Nacional Noel Kempff Mercado, o Parque Nacional Madidi, o Parque Nacional Tunari, a Reserva Nacional Andina Eduardo Avaroa e o Parque Nacional Kaa-Iya del Gran Chaco e Gestão de Área Natural, entre outros.

A Bolívia tem mais de 17,000 espécies de plantas com sementes, incluindo mais de 1,200 espécies de samambaias, 1,500 espécies de Marchantiophyta e musgos, e pelo menos 800 espécies de fungos. Além disso, existem mais de 3,000 espécies de plantas medicinais. A Bolívia é considerada o país de origem de espécies como pimentas e pimentas, amendoim, feijão, mandioca e várias espécies de palmeiras. A Bolívia também produz naturalmente mais de 4,000 variedades de batatas.

A Bolívia tem mais de 2,900 espécies de animais, incluindo 398 mamíferos, mais de 1,400 aves (cerca de 14% das aves conhecidas do mundo, tornando-se o sexto país mais diversificado em termos de espécies de aves), 204 anfíbios, 277 répteis e 635 peixes, todos de água doce, já que a Bolívia é um país sem litoral. Existem também mais de 3,000 espécies de borboletas e mais de 60 animais domésticos.

A Bolívia chamou a atenção mundial para sua “Lei dos Direitos da Mãe Terra”, que dá à natureza os mesmos direitos que os humanos.

Demografia da Bolívia

De acordo com os dois últimos censos do Instituto Nacional de Estatística da Bolívia (Instituto Nacional de Estatística, INE), a população passou de 8,274,325 (dos quais 4,123,850 eram homens e 4,150,475 mulheres) em 2001 para 10,027,254 em 2012.

Nos últimos cinquenta anos, a população boliviana triplicou, atingindo uma taxa de crescimento populacional de 2.25%. O crescimento populacional nos períodos entre os censos (1950-1976 e 1976-1992) foi de cerca de 2.05%, enquanto no último período, 1992-2001, atingiu 2.74% ao ano.

Cerca de 62.43% dos bolivianos vivem em áreas urbanas, enquanto os 37.57% restantes vivem em áreas rurais. A maioria da população (70%) está concentrada nos departamentos de La Paz, Santa Cruz e Cochabamba. Na região andina do Altiplano, os departamentos de La Paz e Oruro concentram a maior parte da população; na região do Vale, os departamentos de Cochabamba e Chuquisaca; e na região de Llanos, os departamentos de Santa Cruz e Beni. A nível nacional, a densidade populacional é de 8.49, com variações significativas entre 0.8 (departamento de Pando) e 26.2 (departamento de Cochabamba).

O maior centro populacional está localizado no chamado “eixo central” e na região de Llanos. A Bolívia tem uma população jovem. De acordo com o censo de 2011, 59% da população tem entre 15 e 59 anos e 39% tem menos de 15 anos. Quase 60% da população tem menos de 25 anos.

Genética

De acordo com um estudo genético de bolivianos, as médias de ascendência ameríndia, europeia e africana são 86%, 12.5% e 1.5% respectivamente para indivíduos de La Paz e 76.8%, 21.4% e 1.8% para indivíduos de Chuquisaca.

Etnia

A composição étnica da Bolívia é diversa. Existem cerca de três dúzias de grupos indígenas que juntos representam cerca de metade da população boliviana – a maior proporção de indígenas na América Latina. Os números exatos variam de acordo com a redação da pergunta sobre etnia e as opções de resposta disponíveis. No censo de 2001, por exemplo, não havia opção de resposta 'mestiça', então uma proporção muito maior de entrevistados se identificou como pertencente a um dos grupos étnicos indígenas disponíveis. Segundo estimativa de 2009, a proporção de mestiços (mistura de brancos e índios) era de 68%, indígenas 20%, brancos 5%, cholo 2%, pretos 1%, outros 1%, enquanto 3% não especificaram. 44% dos entrevistados se classificaram como pertencentes a um grupo indígena, principalmente quéchua ou aimará.

Os povos indígenas, também chamados “originários” (“nativos” ou “originais”) e mais raramente ameríndios, podem ser andinos, como os aimarás e os quíchuas (que formaram o antigo império inca), concentrados nos departamentos ocidentais de La Paz, Potosí, Oruro, Cochabamba e Chuquisaca. Há também uma grande população étnica no leste, incluindo os Chiquitano, Chane, Guarani e Moxos, que vivem nos departamentos de Santa Cruz, Beni, Tarija e Pando.

Os mestiços estão espalhados por todo o país e representam 26% da população boliviana. A maioria das pessoas abraça sua identidade mestiça enquanto se identifica com uma ou mais culturas indígenas.

Os brancos representavam cerca de 14% da população em 2006 e geralmente estão concentrados nas maiores cidades: La Paz, Santa Cruz de la Sierra e Cochabamba, mas também em algumas cidades menores, como Tarija. No departamento de Santa Cruz, existem várias dezenas de assentamentos menonitas de língua alemã, com uma população total de cerca de 40,000 (em 2012).

Os afro-bolivianos, descendentes de escravos africanos que chegaram durante o Império Espanhol, vivem no departamento de La Paz e são encontrados principalmente nas províncias de Nor Yungas e Sud Yungas. A escravidão foi abolida na Bolívia em 1831.

Há também grandes comunidades de japoneses (14,000) e chineses (4,600).

Há um pequeno número de cidadãos europeus da Alemanha, França, Itália e Portugal, bem como de outros países americanos, como Argentina, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, Equador, Estados Unidos, Paraguai, Peru, México e Venezuela , entre outros. Existem importantes colônias peruanas em La Paz, El Alto e Santa Cruz de la Sierra.

Os povos indígenas

Os povos indígenas da Bolívia podem ser divididos em duas categorias de grupos étnicos: os povos andinos, localizados no altiplano andino e na região dos vales, e os grupos das terras baixas, que habitam as regiões mais quentes do centro e leste da Bolívia, incluindo os vales do departamento de Cochabamba, as áreas da bacia amazônica ao norte do departamento de La Paz e os departamentos de planície de Beni, Pando, Santa Cruz e Tarija (incluindo a região do Gran Chaco no sudeste do país). Um grande número de povos andinos também migrou e formou comunidades quíchuas, aimarás e interculturais nas terras baixas.

  • Grupos étnicos nos Andes
    • O povo aimará. Eles vivem nas terras altas dos departamentos de La Paz, Oruro e Potosí, bem como em algumas pequenas áreas próximas às planícies tropicais.
    • O povo quéchua. Eles vivem principalmente nos vales de Cochabamba e Chuquisaca. Eles também vivem em algumas regiões montanhosas de Potosí e Oruro. Eles são divididos em diferentes nações quíchuas, como os Tarabucos, Ucumaris, Chalchas, Chaquies, Yralipes, Tirinas, entre outros.
    • O povo de Uru
  • Grupos étnicos da planície oriental
    • Guaranis. Inclui os Guarayos, Pausernas, Sirionos, Chiriguanos, Wichí, Chulipis, Taipetes, Tobas e Yuquis.
    • Tacanas: consiste em Lecos, Chimanes, Araonas e Maropas.
    • Panos : composto por chacobos, caripunas, sinabos, capuibos e guacanaguas.
    • Aruacos: inclui apolistas, baures, moxos, chané, movimas, cayabayas, carabecas, paiconecas ou paucanacas.
    • Chapacuras: é composto por Itenez ou More, Chapacuras, Sansinonianos, Canichanas, Itonamas, Yuracares, Guatoses e Chiquitos.
    • botocudos: Composto por Bororos e Otuquis.
    • Zamucos: Composto de ayoreos.

Religião

A Bolívia é um estado laico consagrado na Constituição, que garante a liberdade de religião e a independência do governo em relação à religião”.

De acordo com o censo de 2001 realizado pelo Instituto Nacional de Estatística da Bolívia, 78% da população é católica romana, seguida por 19% protestantes e 3% não religiosos.

A Association of Religion Data Archives (baseada no World Christian Database) observa que, em 2010, 92.5% dos bolivianos se identificaram como cristãos (todas as denominações), 3.1% se identificaram com uma religião indígena, 2.2% se identificaram como bahá'ís, 1.9% se identificaram como agnósticos, e todos os outros grupos foram de 0.1% ou menos.

Grande parte da população indígena adere a várias crenças tradicionais moldadas pela inculturação ou sincretismo com o cristianismo. Estes incluem o culto de Pachamama, a “Mãe Terra”. A devoção à Virgem de Copacabana, à Virgem de Urkupiña e à Virgem de Socavón também é uma característica importante. Há também importantes comunidades aimarás perto do Lago Titicaca que têm uma forte devoção ao apóstolo Tiago. Entre as divindades veneradas na Bolívia estão Ekeko, o deus aimará da abundância e prosperidade, cuja festa é celebrada todo dia 24 de janeiro, e Tupá, um deus do povo guarani.

Idioma na Bolívia

A Bolívia tem 37 línguas oficiais, das quais o espanhol (frequentemente chamado de castelhano), Quechua e Aymara são os mais importantes. Nas áreas rurais, muitas pessoas não falam espanhol. No entanto, você deve ser capaz de conviver com alguns conhecimentos básicos de Castellano. A Bolívia é um dos melhores lugares para aprender ou praticar espanhol porque o sotaque é muito limpo e deliberado. Existem muitas oportunidades para aprender espanhol na Bolívia, e geralmente são muito boas (o programa geralmente inclui um elemento muito bom de homestay).

Internet e comunicações na Bolívia

A Bolívia tem três operadoras de telefonia móvel, EntelTigo Viva. Todos os três têm pontos de venda em praticamente todos os bairros das grandes cidades. Os cibercafés estão se tornando cada vez mais raros com a proliferação de smartphones tornando o acesso à internet mais acessível. No entanto, você ainda pode encontrar um cybercafé se estiver procurando, eles geralmente custam cerca de 3Bs/hora, ou cerca de US $ 0.50 por hora.

Ainda existem telefones públicos tradicionais, mas você também pode fazer chamadas locais por 1Bs (US$ 0.15) de telefones celulares em quiosques.

Se você ficar por um tempo, considere comprar cartões SIM para seus telefones. Eles são bastante baratos e você obtém uma boa cobertura de rede em todas as grandes cidades. A Entel vende opções de chamadas internacionais baratas para seus cartões SIM. Por exemplo, você pode comprar 10 minutos para Bs20 (para ser usado durante o dia, eles serão desconectados automaticamente após o vencimento). Você precisará registrar o cartão SIM em um escritório de telecomunicações local. Você vai precisar de uma fotocópia do seu passaporte e do celular que você vai usar.

Economia da Bolívia

Em 2012, o produto interno bruto (PIB) da Bolívia foi estimado em US$ 27.43 bilhões na taxa de câmbio oficial e US$ 56.14 bilhões em paridade de poder de compra. O crescimento económico foi estimado em cerca de 5.2% e a inflação em cerca de 6.9%. A Bolívia foi classificada na categoria “repressão” no Índice de Liberdade Econômica 2010 da Heritage Foundation. Apesar de uma série de reveses principalmente políticos, o governo Morales estimulou o crescimento entre 2006 e 2009, que foi o maior dos últimos 30 anos. Esse crescimento foi acompanhado por um declínio moderado da desigualdade. Em 2012, um superávit orçamentário de 1.7% (PIB) havia sido alcançado, e o governo vem registrando superávits desde o governo Morales, refletindo uma gestão econômica prudente.

Um grande golpe para a economia boliviana foi a forte queda do preço do estanho no início da década de 1980, que afetou uma das principais fontes de renda da Bolívia e uma das mais importantes indústrias de mineração do país. Desde 1985, o governo boliviano implementou um amplo programa de estabilização macroeconômica e reforma estrutural com o objetivo de manter a estabilidade de preços, criar as condições para um crescimento sustentável e aliviar a escassez. Uma grande reforma do sistema aduaneiro melhorou significativamente a transparência nesta área. As reformas legislativas paralelas introduziram políticas de mercado liberal, notadamente nos setores de hidrocarbonetos e telecomunicações, que incentivam o investimento privado. Os investidores estrangeiros recebem tratamento nacional.

Em abril de 2000, Hugo Banzer, então presidente da Bolívia, assinou um contrato com a Aguas del Tunari, um consórcio privado, para operar e melhorar o abastecimento de água na terceira maior cidade da Bolívia, Cochabamba. Pouco depois, a empresa triplicou as tarifas de água naquela cidade, gerando protestos e tumultos entre aqueles que não podiam mais pagar por água potável. No contexto do colapso econômico da Bolívia e crescente agitação nacional sobre o estado da economia, o governo boliviano foi forçado a retirar o contrato de água.

A Bolívia tem a segunda maior reserva de gás natural da América do Sul. O governo tem um contrato de compra de longo prazo para vender gás natural ao Brasil até 2019. O governo realizou um referendo vinculante sobre a lei de hidrocarbonetos em 2005.

O US Geological Survey estima que a Bolívia tenha 5.4 milhões de metros cúbicos de lítio, ou 50-70% das reservas mundiais. No entanto, a mineração perturbaria as salinas do país (conhecidas como Salar de Uyuni), uma importante característica natural que impulsiona o turismo na região. O governo não quer destruir essa paisagem natural única para atender à crescente demanda global por lítio. Por outro lado, o governo visa a extração sustentável de lítio. Este projeto está sendo realizado pela empresa estatal “Recursos Evaporíticos”, subsidiária da COMIBOL.

Ao mesmo tempo, o governo boliviano dependia fortemente de ajuda externa para financiar projetos de desenvolvimento e pagar funcionários públicos. No final de 2002, o governo devia US$ 4.5 bilhões a credores estrangeiros, dos quais US$ 1.6 bilhão era devido a outros governos e a maior parte do saldo a bancos multilaterais de desenvolvimento. A maioria dos pagamentos a outros governos foi reprogramada várias vezes desde 1987 por meio do Clube de Paris. Os credores externos estão dispostos a fazê-lo porque o governo boliviano geralmente cumpriu as metas monetárias e fiscais dos programas do FMI desde 1987, embora as crises econômicas tenham prejudicado o histórico normalmente forte da Bolívia. Em 2013, no entanto, a ajuda externa representa apenas uma fração do orçamento nacional, graças às receitas tributárias derivadas principalmente das exportações lucrativas de gás natural para o Brasil e a Argentina.

As receitas do turismo tornaram-se cada vez mais importantes. A indústria do turismo na Bolívia vem se desenvolvendo gradualmente desde cerca de 1990.

Requisitos de entrada para a Bolívia

Visto e passaporte para a Bolívia

As seguintes nacionalidades não requerer visto para estadias curtas de menos de 90 dias como turista: Andorra, Argentina, Austrália, Áustria, Bélgica, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Croácia, República Tcheca, Dinamarca, Equador, Estônia, Finlândia, França, Alemanha , Grécia, Hungria, Islândia, Irlanda, Itália, Japão, Letônia, Liechtenstein, Lituânia, Luxemburgo, México, Mônaco, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Panamá, Paraguai, Peru, Filipinas, Polônia, Portugal, Eslováquia, Eslovênia, Espanha, Suécia, Suíça, Turquia, Uruguai, Cidade do Vaticano e Venezuela.

Desde 30 de julho de 2014, os israelenses são obrigados a ter um visto para a Bolívia, já que o governo Morales encerrou o acordo de visto entre os dois países.

A maioria das pessoas que precisam de visto de turista pode obtê-lo na entrada, com a exceção do seguintes nacionalidades: Afeganistão, Angola, Butão, Camboja, Chade, Timor Leste, Indonésia, Iraque, Líbia, Paquistão, Nigéria, Somália, Sudão, EUA, Iêmen e os da Cisjordânia e Faixa de Gaza. No entanto, em circunstâncias urgentes e especiais, os estrangeiros deste grupo podem obter visto no porto de entrada. Os cidadãos dos EUA normalmente recebem um visto de entrada tripla, válido para 3 entradas por ano durante um período de 5 anos.

Observe que todos os viajantes a negócios e pessoas que desejam permanecer por mais de 90 dias por ano devem solicitar um visto com antecedência.

A menos que você tenha menos de um ano de idade, você precisará de um certificado de vacinação contra febre amarela para solicitar um visto.

Se entrar por terra do Peru, o visto de turista para cidadãos dos EUA pode ser solicitado na fronteira. Oficialmente, um formulário de pedido de visto, uma cópia do passaporte, uma cópia da vacina contra a febre amarela, uma cópia do itinerário de saída da Bolívia, comprovante de solvência econômica, reserva de hotel ou convite por escrito e uma foto de passaporte (4 cm x 4 cm) são necessários. Uma taxa de $ 135 também é necessária, a ser paga em dinheiro. Bilhetes antigos ou marcados não são aceitos. Fotocopiadoras estão disponíveis na passagem de fronteira.

Como viajar para a Bolívia

Entre - Pelo ar

Voar é a maneira mais óbvia de chegar à Bolívia. Os principais aeroportos estão em La Paz, no oeste do país, e Santa Cruz, no leste. O plano para chegar lá deve basear-se principalmente no objetivo de sua visita ao país; você deve ter em mente que La Paz recebe a maioria dos visitantes por causa da imensa cultura e herança dos Incas e outras culturas indígenas da região andina e, portanto, de La Paz é mais fácil chegar às ruínas de Tiwanaku, o carnaval em Oruro, as minas de Potosí, Uyuni, Lago Titicaca, o Vale Yungas e os Andes; Como La Paz é a sede do governo, todas as embaixadas e organizações estrangeiras estão sediadas na cidade, o que é muito útil em caso de emergência. Por outro lado, Santa Cruz, com seu clima mais quente, pode ser um bom lugar para viagens de negócios para visitar outras alternativas turísticas, como Misiones, o Parque Nacional Noel Kempff Mercado ou as cidades do leste. Existem também alguns consulados estrangeiros em Santa Cruz. Mas não esqueça que as cidades do sul e centro da Bolívia, como Cochabamba, Tarija e Sucre, também oferecem uma rica experiência. Existem várias maneiras de chegar a essas cidades a partir de La Paz ou Santa Cruz.

Da Europa

Os voos regulares de Madrid (Barajas) a Viru Viru em Santa Cruz são oferecidos por companhias como Boliviana de Aviación e Air Europa; os custos podem variar de 800-1200€ a preços mais altos, dependendo da classe e duração.

Da América Latina

Outras companhias aéreas voam para a Bolívia de outros países da América Latina, incluindo a LAN de Santiago via Iquique e de Lima. Agora é possível voar com a Amaszonas entre Cusco e La Paz, permitindo viagens de ida e volta, entrando na Bolívia vindo do Peru pelo Lago Titicaca e retornando ao Peru. A TAM Mercosul opera voos de São Paulo, Brasil, e Buenos Aires via Assunção. A Copa Airlines iniciou serviços para Santa Cruz da Cidade do Panamá. A Gol Airlines e Aerolineas Argentinas também operam voos diretos para Santa Cruz.

Dos Estados Unidos

Há saídas de Miami para La Paz e Santa Cruz com a American Airlines. Depois de reservar seu voo internacional, é muito mais fácil e barato organizar seus voos domésticos a partir do ponto de partida.

Embarque - De trem

Em junho de 2014, partes da rede ferroviária boliviana foram adquiridas pela empresa chilena La Empresa Ferroviaria Andina SA (FCA). Muitos serviços de passageiros interrompidos parecem ter sido retomados. Veja o Horário da FCA para mais detalhes.

  • Do Brasil, um trem liga a cidade fronteiriça boliviana de Puerto Quijarro a Santa Cruz. O trem rápido e o trem lento levam 13 e 17 horas respectivamente.
  • Da Argentina, um trem liga a cidade fronteiriça boliviana de Villazón (em frente a La Quiaca) a Uyuni (9-12 horas). Tupiza fica no meio da estrada, a 4 horas de Villazón.
  • Do Chile, um trem vai de Calama a Uyuni (13 ou 18 horas). Como este é um trem de carga com um vagão de passageiros, espere um passeio difícil por um cenário extraordinário. (O trecho Calama – Antofagasta da ferrovia não parece ter serviço de passageiros.) A outra ferrovia transnacional com o Chile, que termina em Arica, também não transporta passageiros.

Entrar - De carro

É comum os turistas cruzarem uma fronteira terrestre no nordeste do Chile e no sudoeste da Bolívia.

Observe que apenas cerca de 5% de todas as estradas na Bolívia são pavimentadas. No entanto, a maioria das estradas principais entre as principais cidades (por exemplo, Santa Cruz, La Paz, Cochabamba, Sucre) são pavimentadas. Um veículo off-road é altamente recomendado se você estiver viajando no Altiplano mais plano. Esteja ciente de que nas regiões montanhosas, o tráfego às vezes muda de lado da estrada. Isso é para dar ao motorista uma visão melhor das encostas perigosas.

É necessária uma Permissão Internacional para Dirigir, mas *a maioria* das carteiras de motorista europeias ou americanas são aceitas. Há verificações policiais freqüentes na estrada e pedágios para pagar pelo uso da estrada.

Embarque - De ônibus

Existem várias maneiras de viajar de ônibus da Argentina para a Bolívia. Existem sites onde você pode verificar os horários online [www], mas como sempre na Bolívia, é uma boa ideia verificar com antecedência. Há também um ônibus de Juliaca e Puno no Peru para Copacabana.

Como viajar pela Bolívia

greves de transporte (blocos) não são incomuns na Bolívia, então fique de olho nas notícias locais. As greves geralmente afetam os táxis locais, bem como os ônibus de longa distância; as companhias aéreas geralmente não são afetadas. Não tente contornar ou passar por bloqueios de estradas (geralmente feitos de pedras, pneus queimados ou madeira). Os grevistas podem atirar pedras no seu veículo se você tentar passar pelo bloqueio. A violência às vezes foi relatada. Muitas greves duram apenas um ou dois dias. Há um site do governo com um mapa ao vivo mostrando quais estradas estão fechadas ou afetadas por deslizamentos de terra.

Como se locomover - De ônibus

A viagem de ônibus na Bolívia é uma maneira agradável e barata de ver a bela paisagem enquanto viaja para o seu destino. Infelizmente, os ônibus geralmente funcionam apenas à noite. Lembre-se de que as estradas às vezes são bloqueadas devido a manifestações, geralmente por vários dias. Portanto, verifique com várias empresas no terminal se você ouvir falar de bloqueios, a menos que esteja preparado para dormir no ônibus por alguns dias. As viagens de ônibus geralmente são bastante baratas. Estime que custará cerca de US$ 1 por hora de viagem (é mais fácil encontrar os tempos de viagem on-line do que os preços reais). Os preços variam de acordo com a oferta e a demanda. Às vezes você pode conseguir um bom negócio se esperar até o último minuto para comprar. Os destinos são constantemente anunciados nas principais estações de ônibus para persuadir os passageiros em potencial a seguir sua rota de ônibus.

Em média, as empresas de ônibus não são muito boas, mas algumas são muito ruins. Recomenda-se não viajar com os Urus, pois são menos seguros que os demais e possuem muitas paradas que prolongam desnecessariamente a viagem.

Como se locomover - pelo ar

Voos dentro da Bolívia são rápidos e bastante baratos. BoA conecta a maioria das grandes cidades.

  • Amazonas, Av. Saavedra Nº 1649, Miraflores, La Paz, +591 2 222-0848, e-mail: info@amaszonas.com. A rota mais popular é de La Paz a Rurrenabaque, mas também voam para Uyuni, Trinidad, Guayaramerin, Riberalta, Cobija, San Borja, Cochabamba e Santa Cruz. As tarifas aéreas podem ser encontradas na seção “tarifas” do site, veja abaixo. Seu escritório em Santa Cruz está localizado no aeroporto El Trompillo.
  • Boliviana de Aviación - BoA – a companhia aérea nacional da Bolívia. Oferece viagens de baixo custo entre as principais cidades da Bolívia. Você pode reservar seus ingressos online ou nos escritórios da BoA em Santa Cruz, La Paz ou Cochabamba. Sede em Cochabamba, Calle Jordán #202 esq. Nataniel Aguirre. E-mail: ventasweb@boa.bo Telefone: +591 901 10 50 10 fax: +591 4 4116477
  • Ecojet é um companhia aérea relativamente nova que opera as rotas metropolitanas habituais, mas também oferece voos para Riberalta e Guayaramerin em Bení. O call center pode ser contactado pelo +591 901 10 50 55 (não é gratuito).
  • TAM (Transporte Aéreo Marília), Montes n 738, La Paz, +591 3 352-9669. Esta companhia aérea é uma das mais organizadas e confiáveis. Seu escritório em Santa Cruz está localizado no aeroporto El Trompillo, de onde partem todos os seus aviões. Eles operam voos diários entre La Paz, Cochabamba, Santa Cruz e Sucre. Das três companhias aéreas domésticas (AeroSur, BOA e TAM), geralmente são as mais baratas. As restrições de peso são de 15kg para bagagem despachada e 3kg para bagagem de mão. Eles levam bagagem mais pesada que isso por 5 Bs. por quilo.

Como se locomover - de trem

Em alguns percursos, as estradas estão em tão más condições que o comboio torna-se a alternativa de eleição. Os trens são mais confortáveis ​​do que você imagina, com assentos reclináveis, por exemplo. A viagem de Oruro a Uyuni é particularmente agradável, com o trem atravessando literalmente um lago andino no caminho. O trem é particularmente adequado para viagens ao Salar de Uyuni e ao Pantanal.

De La Paz são três horas de ônibus até Oruro para pegar o trem. É melhor reservar os seus bilhetes alguns dias antes da sua viagem. Em La Paz, o escritório de reservas está localizado no número 494 Fernando Guachalla, na esquina com Sánchez Lima (entre Plaza del Estudiante e Plaza Abaroa). As principais paradas são Uyuni, Tupiza e Villazon, na fronteira argentina. Tempo de viagem aqui. [www] .

Entre Santa Cruz e o Pantanal é menos complicado organizar uma viagem. Basta ir ao terminal Bimodal em Santa Cruz, ou à estação de trem na fronteira de Puerto Quijarro. O trem também é conveniente para viajar para as missões jesuítas. Verifique o site [www] para horários.

Como se locomover - De táxi

Para viagens mais longas entre lugares e cidades não servidas por ônibus, os táxis compartilhados são comuns. Os táxis compartilhados não são seguros para turistas, especialmente para mulheres que viajam sozinhas.

Destinos na Bolívia

Regiões

  • Altiplano (La Paz, Oruro, Potosí)
  • Bolívia Subandina (Cochabamba, Chuquisaca, Tarija)
  • Planícies tropicais (Santa Cruz, Beni, Pando)

Cidades

  • La Paz – a capital administrativa e a sede do governo
  • Cochabamba – a terceira maior cidade do país, com clima ameno e agradável.
  • Oruro – famosa por seu carnaval
  • Potosí – já foi uma das cidades mais ricas do mundo graças às suas minas de prata.
  • Santa Cruz – a segunda maior e mais rica cidade da Bolívia
  • Sucre – a capital constitucional e sede do judiciário
  • Tarija – O festival do vinho acontece todos os anos em Tarija.

Outros destinos

  • Chacaltaya e Huayna Potosi – a estação de esqui mais alta do mundo e a escalada de montanha mais popular da Bolívia.
  • Isla del Sol – Localizada na parte sul do Lago Titicaca. Uma ilha isolada no meio do lago. Paisagens deslumbrantes e ruínas antigas do período Inca fazem deste lugar um lugar de tranquilidade.
  • Missões Jesuítas dos Chiquitos – seis cidades isoladas do Gran Chaco fundadas pelos jesuítas nos séculos XVII e XVIII. Eles foram fundados nos séculos XVII e XVIII. A área onde se localizam os povoados chama-se Chiquitania e vale a pena visitar não só pelas missões, mas também pela beleza natural.
  • Parque Nacional Madidi – localizado a poucos quilômetros ao norte de Apolo, é uma das maiores reservas de biodiversidade do mundo. Seu clima tropical úmido produziu uma das áreas mais florestadas da Bolívia.
  • Parque Nacional Noel Kempff Mercado – um parque amazônico incrivelmente remoto e ainda mais incrivelmente bonito, que abriga a deslumbrante cachoeira Cataratas Arcoiris.
  • Quime – Uma aldeia de montanha animada e amigável cercada pelas altas montanhas da Cordilheira Quimsa Cruz, entre La Paz e Cochabamba, com minas, cachoeiras, floresta nublada indígena e 31 comunidades indígenas Aimara. Rotas de exploração. O mais fácil de chegar das cidades do vale boliviano.
  • Parque Nacional de Sajama – bela paisagem andina e a montanha mais alta da Bolívia, Nevada Sajama.
  • Salar de Uyuni – cenário espetacular ao longo do maior deserto de sal do mundo
  • Sorata – um destino para caminhantes, também perto das grutas de San Pedro, que contêm uma bela lagoa.
  • Tiwanaku – Ruínas Antigas, Patrimônio Mundial da UNESCO
  • A região de Yungas pode ser alcançada de bicicleta no Camino de Muerte, a rota mais perigosa do mundo através de espetaculares falésias na selva, ou a pé na trilha El Choro, que atravessa os climas de La Paz a Coroico.

De táxi

Para viagens mais longas entre lugares e cidades não servidas por ônibus, os táxis compartilhados são comuns. Os táxis compartilhados não são seguros para turistas, especialmente para mulheres que viajam sozinhas.

O que ver na Bolívia

A Bolívia tem seis sítios do Patrimônio Mundial da UNESCO. No departamento oriental de Santa Cruz estão o Parque Nacional Noel Kempff Mercado, o sítio inca El Fuerte em Samaipata e as missões jesuítas dos Chiquitos. Perto da capital está Tiwanaku, um sítio arqueológico com os restos de uma cidade pré-inca. Finalmente, há Sucre e Potosí, duas cidades fundadas pelos espanhóis no século XVI.

A Bolívia também tem o maior deserto de sal do mundo, o Salar de Uyuni, parte do Lago Titicaca com a Isla del Sol, e fica no meio da Cordilheira dos Andes – com picos de mais de 6,000 metros.

O que fazer na Bolívia

  • A Estrada da Morte: de La Cumbre a Coroico. Um passeio de mountain bike de 64 km onde você pode ver a diversidade da Bolívia. Desde La Cumbre a 5000mts, num ambiente frio e ventoso, até Coroico, num ambiente húmido e tropical.
  • Explorar as províncias: a Bolívia é um lugar para explorar, ainda é praticamente intocada. As pessoas do campo são amigáveis. Existem centenas de lugares na Bolívia que não estão no mapa e são muito mais emocionantes do que as agências de viagens e guias oferecem. No departamento de La Paz, por exemplo, você pode facilmente pegar transporte para lugares como Pelechuco, a margem leste do Lago Titicaca, Achacachi, Isla del Sol ou Quime… As agências de viagens gratuitas do governo na Plaza Estudiantes ou Prado podem ajudá-lo a encontrar e informá-lo sobre transporte.

Comida e bebida na Bolívia

Comida na Bolívia

A culinária boliviana poderia ser descrita como a original “carne e batatas” – esta última (chamada batata pelos Quechua) foram cultivadas primeiramente pelos Incas antes de se espalharem pelo mundo. A carne mais comum é a bovina, mas frango e lhama também estão prontamente disponíveis. A carne de porco é relativamente comum. Fritar (chicharron) é um método comum de preparar todos os tipos de carne, e o frango frito é um fast food popular; seu cheiro às vezes permeia as ruas das cidades bolivianas. Porquinho da índia (cuy) e coelho (cone) são consumidos em áreas rurais, embora às vezes possam ser encontrados em restaurantes urbanos. Um condimento comum servido com refeições bolivianas é ll'ajwa, um molho picante semelhante ao mexicano molho.

O almuerzo é uma refeição muito popular na hora do almoço que geralmente consiste em uma entrada (entrada), sopa, prato principal (segundo) e sobremesa. Passeie por muitas ruas das cidades bolivianas e você verá o cardápio do dia em cada restaurante. A maioria tem pelo menos dois pratos principais para escolher. Almuerzos custo entre Bs. 15 e 25, dependendo do restaurante ou “pensão”.

Alguns pratos bolivianos notáveis:

  • Pique um lo macho – pedaços de carne grelhados em molho levemente condimentado com tomate e cebola, sobre batatas
  • silpancho – carne moída em um hambúrguer fino do tamanho de um prato, servido em uma cama de arroz e batatas, com um ovo frito por cima (semelhante ao Wiener Schnitzel).
  • Picante de Pollo – o grau de tempero depende do cozinheiro/chef.
  • frigideira (porco frito boliviano)

Comida de rua e lanches:

  • brochette de carne – corações de boi grelhados no espeto, servidos com batatas e molho de amendoim picante.
  • salchipapa – salsicha em fatias finas frita com batatas
  • choripan – Sanduíche de chouriço, servido com cebola grelhada e muito molho.

O lanche do meio da manhã geralmente consiste em um ou mais pães recheados de carne:

  • Saltenha – Um pãozinho recheado com carne e batatas em molho levemente adocicado ou picante. Tenha cuidado ao dar uma mordida, pois o molho pinga por toda parte!
  • Tucumana – Como um Salteña, mas frito.
  • empanada - Semelhante a uma Saltena, muitas vezes recheada com queijo e carne.
  • cunha – Pão pequeno recheado com queijo, parecido com o brasileiro Pão de Queijo. O pão é feito de farinha de mandioca.

Muitas pessoas também começam o dia com um chá de frutas:

  • Salada de frutas – Várias frutas diferentes picadas em uma tigela com iogurte. Muito recheio. Alguns dos estandes têm mel, nozes ou gelatina adicionados, se desejar.

Os vegetarianos encontrarão opções decentes a muito boas nos gringos do país. Mas os mercados também oferecem boas opções vegetarianas (principalmente batatas, arroz, um ovo frito e uma salada por cerca de 7Bs). Nas cidades maiores há alguns restaurantes totalmente vegetarianos (de decente a bom).

Folhas de coca

A coca faz parte da cultura andina há séculos, e mascar ainda é muito comum (e perfeitamente legal) na Bolívia. Você deve poder comprar um grande saco de folhas secas no mercado local. A coca é um estimulante e também suprime a fome. Mastigar um monte de folhas por alguns minutos deve deixar seus lábios e garganta ligeiramente dormentes. Lembre-se do slogan (impresso em camisetas de souvenir): Coca não é Cocaina (“A folha de coca não é cocaína”). Mas a cocaína é certamente uma droga ilegal. Lembre-se: apenas mastigar a folha; se vocês comer a folha de coca, você terá um estômago muito doente.

Bebidas na Bolívia

Barras de suco estão disponíveis na maioria dos mercados. Milkshakes (com água ou leite) custam de 2 a 3 Bs. Os moradores podem ser vistos bebendo Vitaminico, uma mistura de ovo, cerveja e açúcar, ou “Vitima”, que contém folhas de coca.

  • licuado – água ou leite misturado com sua combinação de frutas favorita. Uma colher grande de açúcar é adicionada, a menos que você peça especificamente para não. Experimente o licuado de leite e mamão. Você provavelmente deve perguntar se a água adicionada é da botella (garrafa) ou da torneira (não recomendado).
  • Vitaminico – Não pergunte o que há nele. Muita fruta, leite, açúcar, um copo de cerveja e, se quiser, um ovo inteiro (com casca).
  • Mocochinchi-A bebida feita por infusão de pêssegos e especiarias em água. Muito bom, mas algumas pessoas ficam desanimadas com o pêssego murcho que geralmente é servido com cada copo.
  • Api – Uma bebida tradicional feita de milho, geralmente encontrada em feiras livres. Se você não soubesse que era milho, nunca adivinharia, porque essa coisa é boa.

Álcool

A bebida alcoólica tradicional da Bolívia é Chicha, uma bebida esbranquiçada e azeda feita de milho fermentado, que é bebida em uma tigela hemisférica feita de uma abóbora oca (com um fundo redondo para que não possa ser colocada). Costuma-se derramar um pouco de chicha no chão antes e depois de beber, como oferenda Pachamama, a deusa inca da terra.

  • singani é um licor de uva misturado com Sprite ou ginger ale com guarnição de limão para fazer um coquetel chamado Chuflay.
  • Há uma série de cervejas locais, sendo a mais importante Paceña e sua marca premium HuariEl Inca é uma cerveja muito suave com pouco álcool. Coquetéis de laranja também são uma bebida popular!

Tarija está localizada a 1924 metros acima do nível do mar e é conhecida por sua viticultura, seus enormes vinhedos e seus vinhos premiados. Portanto, você pode visitar as belas vinícolas e degustar vinhos, como: Campos de SolanaKohlbergCasa antigaValle De Conceição, CasaReal, onde é feito o famoso Singani.

Dinheiro e compras na Bolívia

Moeda

Moeda estrangeira
Pode ser difícil trocar dinheiro além de euros e dólares americanos, até dinheiro de países vizinhos! Você pode encontrar casas de câmbio mais flexíveis nos aeroportos, mas esteja preparado para taxas de serviço e taxas de câmbio ruins. Notas de USD abaixo de US $ 100 também podem ser difíceis de quebrar sem aceitar uma taxa de câmbio pior.

A moeda nacional é a Bolivianos. Desde janeiro de 2010, a taxa de câmbio é geralmente Bs6.96/USD ou Bs7.50/EUR (em dezembro de 2016). As notas estão disponíveis nas denominações de 200, 100, 50, 20 e 10; moedas estão disponíveis em 5, 2 e 1 bolivianos, bem como 50, 20 e às vezes 10 centavos (1/10 boliviano). Notas maiores que Bs50 podem ser difíceis de quebrar em pequenas lojas ou com fornecedores, mas uma rápida ligação telefônica ou sessão de Internet em um cibercafé (consulte Contato, abaixo) geralmente lhe dará algum troco.

O dinheiro pode ser trocado por dólares americanos e a maioria das moedas sul-americanas em Casa De Câmbio filiais ou de vendedores ambulantes. Espere negociar uma taxa de câmbio favorável, pois a maioria dos vendedores tenta ganhar dinheiro com os turistas.

Dólares americanos são amplamente aceitos em hotéis, lojas turísticas e para grandes compras.

O Banco de Crédito é um bom banco para sacar dinheiro. O Banco Union deve ser evitado se possível, pois cobra uma sobretaxa de 5% (desde maio de 2012), embora não mencione isso.

Tipping

A taxa de serviço está incluída na conta. No entanto, às vezes é dada uma pequena gorjeta de cerca de 5%, o que é considerado um sinal de educação.

Tradições e costumes na Bolívia

Na Bolívia, não use a palavra “índio” para descrever os povos indígenas. É considerado ofensivo. O termo que eles usam é “campesino”, que se traduz como “camponês” ou “indígena”. Um 'cholo' é um camponês que se mudou para a cidade e, embora o termo fosse originalmente pejorativo, agora é mais um símbolo do poder indígena. No entanto, alguns moradores ainda usam a palavra 'cholo' como um termo pejorativo.

Considere também as marcadas diferenças culturais e raciais entre os 'cambas' dos llanos no leste, que são brancos e mestiços, e os 'collas' dos Andes no oeste, que são indígenas. Os dois povos geralmente não se dão bem e se tornaram ainda mais opostos nos últimos anos, desde a eleição de Evo Morales, o primeiro presidente indígena do país. Ambos os povos tendem a defender sua parte da Bolívia, de modo que falar sobre sua viagem à outra região cultural do país pode ser considerado um insulto. Em Santa Cruz, onde a sociedade é muito mais ocidentalizada, a interação com a cultura indígena é mal vista, enquanto em La Paz e em outros lugares ocorre o oposto.

Também é bom ter em mente que a cultura boliviana é muito calorosa e amigável. Isso significa que é muito rude não dizer Buen Día ou Buenos Días aos transeuntes na rua. Também é comum ceder seu lugar no ônibus da cidade para alguém mais velho que você ou para uma mulher. Em troca, os outros cederão seus assentos para você se você parecer um pouco mais velho do que eles.

Cultura da Bolívia

A cultura boliviana foi fortemente influenciada pelos quíchuas, aimarás, bem como pelas culturas populares de toda a América Latina.

O desenvolvimento cultural divide-se em três períodos distintos: Pré-colombiano, Colonial e Republicano. Importantes ruínas arqueológicas, joias de ouro e prata, monumentos de pedra, cerâmicas e tecelagens são preservadas de várias culturas pré-colombianas importantes. Entre as ruínas mais importantes estão Tiwanaku, El Fuerte de Samaipata, Inkallaqta e Iskanawaya. O país é rico em outros sítios de difícil acesso e pouco explorados arqueologicamente.

Os espanhóis trouxeram consigo sua própria tradição de arte religiosa que, nas mãos de construtores e artesãos indígenas e mestiços, se desenvolveu em um rico e distinto estilo de arquitetura, pintura e escultura conhecido como “barroco mestiço”. O período colonial produziu não apenas as pinturas de Pérez de Holguín, Flores, Bitti e outros, mas também as obras de pedreiros, entalhadores, ourives e ourives habilidosos, mas desconhecidos. Um importante corpus de música religiosa barroca indígena do período colonial foi recuperado e executado internacionalmente com grande sucesso desde 1994.

Entre os artistas bolivianos mais importantes do século XX estão María Luisa Pacheco, Roberto Mamani Mamani, Alejandro Mario Yllanes, Alfredo Da Silva e Marina Núñez del Prado.

A Bolívia tem um rico folclore. Sua música folclórica regional é distinta e diversificada. As “danças do diabo” do carnaval anual de Oruro são um dos grandes eventos folclóricos da América do Sul, assim como o menos conhecido carnaval de Tarabuco. O mais famoso dos vários festivais do país é o “Carnaval de Oruro”, que foi declarado uma das primeiras 19 “obras-primas do patrimônio oral e imaterial da humanidade” pela UNESCO em maio de 2001.

Entretenimento inclui futebol.

Cozinha

A cozinha boliviana é principalmente uma combinação de cozinha espanhola com ingredientes indígenas tradicionais aimarás/incas, aos quais foram adicionadas mais tarde as influências de imigrantes alemães, italianos, bascos, russos, poloneses e árabes.

Publicado em 2011, Caroline AlethiaO romance Plant Teacher de é ambientado na Bolívia entre 2007 e 2008, e explora temas de política, religiões indígenas e narcoturismo.

Fique seguro e saudável na Bolívia

Fique seguro na Bolívia

Use o bom senso e tome as precauções que se aplicam a outros lugares. Todos os turistas devem ter cuidado ao escolher um guia e nunca aceitar remédios de fontes não verificáveis. As turistas do sexo feminino devem ter cuidado ao viajar sozinhas. Tente usar “rádio-táxis” à noite, pois táxis falsos são comuns e ocorrem assaltos e até estupros. É uma boa ideia registrar-se no consulado do país em que você mora quando entrar no país. E também vale a pena aprender pelo menos o espanhol básico para se proteger um pouco.

Se você estiver pegando um ônibus intermunicipal (por exemplo, de La Paz a Cochabamba), não aceite lanches ou bebidas de passageiros próximos. Embora provavelmente estejam tentando ser gentis, os passageiros podem ser drogados e roubados em viagens noturnas. Diga “não, obrigado”.

Mantenha-se saudável na Bolívia

Algumas partes da Bolívia, como La Paz (3650), Potosí (4010), Oruro (3950) e a área ao redor do Lago Titicaca, estão em altitudes muito elevadas. Portanto, é aconselhável tomar precauções adequadas contra o mal da montanha “sorojchi”.

Nas farmácias locais, eles vendem pílulas sorojchi que supostamente ajudam com problemas de altitude. Eles contêm analgésicos e ervas naturais para ajudar a lidar com os sintomas de “sorojchi”. Em muitas partes do Altiplano você pode comprar folhas de coca que supostamente ajudam a combater o sorojchi. O chá de coca (“mate de coca”) está disponível em saquinhos em muitos mercados.

No entanto, casos graves de mal de altitude podem ser tratados no HighAltitudeInstituto de PatologiaClínicaIPPA. Esta clínica possui tecnologia de ponta, incluindo uma câmara de adaptação hiperóxica/hipóxica. Além disso, os raios ultravioletas do sol são muito mais fortes – até 20 vezes – do que ao nível do mar. Recomenda-se um chapéu de sol, óculos de sol e proteção para a pele (creme solar ou mangas compridas).

  • A vacinação contra a febre amarela é recomendada para aqueles que planejam passar um tempo na Amazônia boliviana. Isto deveria estar feito 10 dias antes da chegada ao país se o visitante pretende visitar áreas rurais.
  • A profilaxia da malária é recomendada se o visitante planeja viajar para áreas rurais tropicais.
  • Como medida preventiva, são recomendadas as seguintes vacinas: Hepatite A, Hepatite B e vacinas de reforço contra tétano, difteria e sarampo.

Ásia

África

Austrália e Oceania

América do Sul

Europa

América do Norte

Leia Próximo

La Paz

La Paz, formalmente conhecida como Nuestra Señora de La Paz (Inglês: Nossa Senhora da Paz), e também conhecida em Aymara como Chuqi Yapu (Chuquiago),...

Sucre

Sucre (247,300 habitantes em 2006) é a capital constitucional da Bolívia, a sede do Departamento de Chuquisaca e a sexta cidade mais populosa do país. Sucre, localizado...