Terça-feira, maio 17, 2022

História do Gabão

ÁfricaGabãoHistória do Gabão

Ler a seguir

Os povos pigmeus foram os primeiros a se estabelecer na região. À medida que se moviam, as tribos bantu principalmente os suplantaram e os assimilaram.

Os primeiros europeus vieram no século 15. No Gabão, uma monarquia de língua mieni conhecida como Orungu surgiu no século XVIII.

Bartholomew Roberts, um pirata galês conhecido como Black Bart, morreu no mar na costa de Cape Lopez em 10 de fevereiro de 1722. De 1719 a 1722, ele atacou navios ao longo das costas das Américas e da África Ocidental.

Em 1875, a primeira expedição à região do Gabão-Congo foi conduzida pelo aventureiro francês Pierre Savorgnan de Brazza. Ele estabeleceu Franceville e posteriormente serviu como governador colonial. Quando a França conquistou formalmente o Gabão em 1885, muitas tribos bantu residiam na região que hoje é o Gabão.

O Gabão aderiu às quatro regiões da África Equatorial Francesa em 1910, formando uma federação que durou até 1959. Em 17 de agosto de 1960, essas regiões conquistaram a independência. Léon M'ba foi o primeiro presidente do Gabão, eleito em 1961, ao lado de Omar Bongo Ondimba como seu vice-presidente.

Após a ascensão de M'ba ao poder, a imprensa foi reprimida, os comícios políticos foram proibidos, a liberdade de expressão foi restringida, outros partidos políticos foram progressivamente afastados do poder e a Constituição foi modificada segundo as linhas francesas para conferir poder à Presidência, que M'ba levou. Quando M'ba dissolveu a Assembleia Nacional para estabelecer o governo de partido único em janeiro de 1964, um golpe do exército tentou depô-lo e restaurar a democracia parlamentar. Dentro de 24 horas, pára-quedistas franceses chegaram para restaurar M'ba ao poder.

Apesar de manifestações massivas e tumultos, o golpe terminou após alguns dias de combate e a oposição foi presa. Até hoje, as tropas francesas estão estacionadas no Camp de Gaulle, nos arredores da cidade do Gabão. Bongo assumiu como presidente quando M'Ba morreu em 1967.

Bongo proclamou o Gabão um estado de partido único em março de 1968, dissolvendo o BDG e fundando o Parti Democratique Gabonais (PDG). Ele congratulou-se com a adesão de todos os gaboneses, independentemente de sua fidelidade política passada. Bongo usou o PDG como um veículo para afogar os conflitos regionais e tribais que anteriormente dividiram a política gabonesa para criar um movimento nacional unificado em favor dos objetivos de desenvolvimento do governo. Em fevereiro de 1975, Bongo foi eleito presidente; em abril de 1975, a vice-presidência foi abolida e substituída pelo primeiro-ministro, que não tinha direitos sucessórios automáticos. Bongo foi reeleito para mandatos de 7 anos como presidente em dezembro de 1979 e novembro de 1986.

Estudantes e trabalhadores realizaram violentos protestos e greves no início dos anos 1990, alimentados pela insatisfação econômica e pelo desejo de reforma política. A Bongo trabalhou com os funcionários setor a setor em resposta às suas reclamações, fazendo reduções substanciais nos salários. Ele também disse que abriria o PDG e realizaria uma conferência política nacional em março-abril de 1990 para debater a futura estrutura política do Gabão. A reunião contou com a presença do PDG e de 74 grupos políticos. O PDG governante e seus apoiadores foram divididos em duas coalizões soltas, a Frente Unida de Associações e Partidos de Oposição, que incluía o separatista Morena Fundamental e o Partido Progressista Gabonês.

A conferência de abril de 1990 endossou mudanças políticas significativas, incluindo o estabelecimento de um Senado nacional, descentralização do processo orçamentário, liberdade de reunião e imprensa e a eliminação da necessidade de visto de partida. Bongo renunciou ao cargo de presidente do PDG em um esforço para liderar a transição do sistema político para a democracia multipartidária, e uma administração de transição liderada por um novo primeiro-ministro, Casimir Oye-Mba, foi formada. A administração resultante, conhecida como Agrupamento Social Democrata Gabonês (RSDG), era menor do que a anterior e apresentava membros de vários grupos de oposição em seu gabinete. Em maio de 1990, o RSDG produziu uma constituição temporária que incluiu uma declaração básica de direitos e um judiciário independente, mas deu ao presidente amplos poderes administrativos. Este documento entrou em vigor em março de 1991 após exame adicional por um comitê constitucional e pela Assembleia Nacional.

No entanto, a oposição ao PDG persistiu após a reunião de abril de 1990, e duas tentativas de golpe foram descobertas e frustradas em setembro de 1990. Apesar dos protestos antigovernamentais após a morte inesperada de um líder da oposição, o PDG ganhou uma forte maioria no primeiro multipartidário Nacional Eleições da Assembleia em quase 30 anos em setembro-outubro de 1990.

Após a reeleição do presidente Omar Bongo com 51% dos votos em dezembro de 1993, os candidatos da oposição se recusaram a aceitar os resultados. Após graves distúrbios civis, o governo e os grupos de oposição concordaram em trabalhar para uma solução política. Essas discussões resultaram nos Acordos de Paris, que foram assinados em novembro de 1994 e incluíram muitos líderes da oposição em um governo de unidade nacional. No entanto, esse arranjo rapidamente se desfez e as eleições parlamentares e municipais de 1996 e 1997 prepararam o terreno para o retorno à política partidária. O PDG obteve uma vitória retumbante nas eleições parlamentares, mas prefeitos da oposição foram eleitos em muitas grandes cidades, incluindo Libreville, nas eleições municipais de 1997.

Em dezembro de 1998, o presidente Omar Bongo foi reeleito com grande maioria dos votos, apesar da oposição dividida. Apesar de inúmeras supostas anomalias, vários observadores estrangeiros descreveram os resultados como representativos, e não houve nenhuma agitação violenta que precedeu a eleição de 1993. O PDG e independentes associados controlaram a Assembleia Nacional quase inteiramente após eleições parlamentares pacíficas, mas defeituosas, em 2001-2002, que foram boicotadas por vários partidos menores da oposição e severamente condenadas por falhas administrativas. O presidente Omar Bongo foi reeleito em novembro de 2005 para um sexto mandato. Ele foi reeleito confortavelmente, embora os opositores aleguem que a eleição foi marcada por irregularidades. Após o anúncio de sua vitória, houve alguns incidentes de violência, mas o Gabão permaneceu calmo no geral.

Em dezembro de 2006, foram realizadas novas eleições para a Assembleia Nacional. O Tribunal Constitucional reverteu muitos assentos que haviam sido contestados devido a irregularidades nas votações, mas o PDG manteve o controle da Assembleia Nacional no segundo turno das eleições no início de 2007.

O presidente Omar Bongo morreu de parada cardíaca em 8 de junho de 2009, em um hospital espanhol em Barcelona, ​​sinalizando o início de uma nova era na política gabonesa. Rose Francine Rogombé, presidente do Senado, foi nomeada presidente interina em 10 de junho de 2009, de acordo com a constituição revisada. Em 30 de agosto de 2009, foram realizadas as primeiras eleições competitivas da história do Gabão sem Omar Bongo como candidato, com 18 candidatos à presidência. Houve algumas pequenas manifestações no período que antecedeu as eleições, mas não houve grandes perturbações. Após uma revisão de três semanas pelo Tribunal Constitucional, o filho de Omar Bongo, o líder do partido governista Ali Bongo Ondimba, foi oficialmente proclamado vencedor; sua posse ocorreu em 16 de outubro de 2009.

Muitos candidatos da oposição alegaram fraude eleitoral, e a primeira divulgação dos resultados das eleições provocou manifestações incomumente violentas em Port-Gentil, a segunda maior cidade do país e um reduto de longa data de resistência à administração do PDG. Os moradores de Port-Gentil correram para as ruas, incendiando várias empresas e casas, incluindo o consulado francês e uma prisão local. Apenas quatro pessoas foram mortas nos distúrbios, segundo dados oficiais, mas a oposição e os líderes locais dizem que houve muito mais. Para ajudar a polícia em dificuldades, gendarmes e militares foram enviados a Port-Gentil, e um toque de recolher foi imposto por mais de três meses.

Em junho de 2010, foi realizada uma eleição legislativa parcial. Pela primeira vez, uma coalizão de partidos recém-formada, a Union Nationale (ONU), participou. Os desertores do PDG que deixaram o partido após a morte de Omar Bongo compõem a maioria da ONU. O PDG ganhou três dos cinco assentos disputados ferozmente, enquanto a ONU ganhou dois; ambas as partes reivindicaram a vitória.

Como viajar para o Gabão

De aviãoDe Paris, Air France e Gabon Airlines viajam para Libreville, enquanto de Casablanca, Royal Air Maroc voa para Gabão. A Air Service voa de Adis Abeba para Douala (Camarões), e a Ethiopian Airlines voa de Adis Abeba para Douala (Camarões). Há voos adicionais para Brazzaville, Congo, ocasionalmente.

Como viajar pelo Gabão

Fora das cidades, o ônibus é o meio de transporte mais conveniente (normalmente carros de 6 ou 9 lugares, mas às vezes microônibus). Existem muitos deles, e todos eles são extremamente baratos (por exemplo, 7000 XAF para ir de Libreville a Lamberene). Os táxis são abundantes e baratos dentro das cidades. Para um...

Requisitos de visto e passaporte para o Gabão

Um visto para visitar o Gabão custa cerca de 70€. À chegada, o visto pode ser adquirido em euros ou francos locais na fila do lado direito depois de sair do avião. Segundo relatos, isso não é mais permitido a partir de agosto de 2010, e os funcionários que chegam ao Gabão devem ter...

Destinos no Gabão

Cidades do GabãoLibreville - CapitalCap LopezFrançavilleGambaKangoLambareneMayumbaOwendoPort-Gentil faz fronteira com a costa do Oceano Atlântico SulOutros destinos no GabãoAkanda National Park — Aves migratórias e tartarugas podem ser encontradas nos manguezais e planícies de maré do Parque Nacional de Akanda.Banteke Plateau National Park — Elefantes florestais, búfalos e antílope vive no...

Festivais e feriados no Gabão

1º de janeiro: Dia de Ano Novo 12 de março: Dia da Reforma 1º de abril: Segunda-feira de Páscoa 17 de abril: Dia da Mulher 1º de maio: Dia do Trabalho 6 de maio: Dia dos Mártires 20 de maio: Segunda-feira de Pentecostes 15 de agosto: Assunção 16 de agosto: Dias da Independência 8 de agosto: Eid al-Fitr (Fim do Ramadã) 1º de novembro : Dia de Todos os Santos 15 de outubro: Eid al-Adha (Festa do Sacrifício) 25 de dezembro: Dia de Natal

Dinheiro e compras no Gabão

O Gabão usa o franco CFA da África Central (XAF). Camarões, República Centro-Africana, Chade, República do Congo e Guiné Equatorial o utilizam. Embora o franco CFA (XAF) e o franco CFA da África Ocidental (XOF) sejam moedas tecnicamente distintas, eles são usados ​​​​de forma intercambiável em todos os francos CFA (XAF...

Idioma e livro de frases no Gabão

Acredita-se que 80% dos gaboneses possam se comunicar em francês, com 30% dos habitantes de Libreville sendo falantes nativos. A língua fang é falada como língua materna por 32% dos gaboneses. O país anunciou sua intenção de adicionar o inglês como segunda língua oficial...

Cultura do Gabão

O Gabão é uma nação rica em folclore e mitologia, com uma cultura oral que antecede o advento da alfabetização no século XXI. "Raconteurs" estão atualmente tentando preservar os costumes Fang e Nzebis, como o mvett e o ingwala. O Gabão também abriga máscaras de renome mundial como o...

Ásia

África

América do Sul

Europa

Mais populares